Ester Abreu Vieira de Oliveira

poetisa brasileira

Ester Abreu Vieira de Oliveira (Muqui, 31 de janeiro de 1933) é uma professora capixaba, poetisa, ensaísta, autora de livros bibliográficos, didáticos, análises literárias e artísticas. É conhecida no Espírito Santo, estado brasileiro no qual reside, além de ter recebido inúmeros prêmios acadêmicos importantes devido à sua obra, na maioria com relação à lingua hispânica, na qual é autoridade. Hoje aposentada, mantém suas atividades como voluntária[1] na UFES, atuando em pesquisas na área de Estudos Literários no mestrado e doutorado de Letras, que intercala entre viagens e escrevendo novas obras.

História PessoalEditar

Nascida no município espírito-santense de Muqui, é descendente de portugueses que viviam no município de Vassouras, no Rio de Janeiro. Esses portugueses, relacionados aos barões do café, passavam por Muqui, transportando o café me burros. Filha de Ataulfo Vieira de Almeida e Maria da Penha Abreu Vieira, Ester tinha como sonho estudar. Teve uma infância alegre na fazenda cafeeira do pai, que tinha cavalos e outros animais.

A primeira escola onde Ester deu aula foi nas Termópilas, para uma família portuguesa, os Guedes, perto da fronteira com o Rio de Janeiro. Permaneceu ali até que recebeu uma carta do professor José Leão, com o qual se correspondia, notificando que havia criado a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Espírito Santo, e que abria exame para novas vagas em alguns meses.

Após esperar o trem para Vitória, que nunca chegou por conta de um descarrilhamento, Ester e uma amiga pegaram carona na caçamba de uma caminhonete. Ao chegar no município de Jardim América, por sugestão da amiga, permaneceram ali em uma casa alugada, estufando para o exame que se aproximava. Foi ali que conheceu seu futuro marido, Gênesis de Oliveira.

Estabelecendo-se depois em uma região de Domingos Martins entre os anos 55 e 60, Ester enfrentou várias dificuldades até encontrar uma vaga como professora, como ela mesmo narra:

"Primeiro não tinha lugar em Vitória, e eu queria estudar. O mais perto que encontrei foi na Usina do Jucu. Lá eu combinei com o condutor, ele reduzia a velocidade e eu pulava no trem. Eu chegava em Jardim América, descia e de noite ficava na biblioteca pública. Ficava ali até as sete horas, porque eu não conhecia ninguém. Ai ia para a aula. Eu consegui um lugar para dormir em Argolas, onde dormia (no chão) até as quatro horas da manhã, descia e ia pegar o trem expresso. Eles paravam devagarinho e eu pulava. Não podia vir sempre à aula, porque nem sempre passava o trem de passageiros, então tinha dois dias da semana que eu não assistia aula. E chegou em fevereiro tive que fazer mais aulas, porque fiquei de recuperação. Foi quando o Chiquinho conseguiu aposentar uma professora. Eu fiquei então em Jardim América."

Ester teve sua vida melhorada quando as freiras, após verem sua dedicação, abriram uma concessão para que ela pudesse estudar mais tarde e, assim, terminar os estudos. Após os estudos, ela se casou com Gênese, com o qual teve quatro filhos, Eduardo Vieira de Oliveira, Adeline Vieira de Oliveira, Márcio José Vieira de Oliveira e Antônio Carlos Vieira de Oliveira.

EducaçãoEditar

Ester possui graduação em Letras Neolatinas pela Universidade Federal do Espírito Santo – Vitória (1960), Especialização em Filologia Espanhola – Madri (1968) Mestrado em Lingua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Curitiba (1983), Doutorado em Letras Neolatinas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1994) e Pós-Doutorado em Filologia Espanhola: Teatro Contemporâneo- UNED – Madri (2003).

É também membro-fundadora da Associação de Professores de Espanhol do Espírito Santo (APEES), da Academia de Letras Espírito-Santense, da Academia Feminina Espírito-Santense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo, da ALFAL, ASELE, ABRALIC, ASTCM, entre outros. Além de ser professora aposentada da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), onde recebeu o título de Professora Emérita, com destaque para seus trabalhos no Mestrado de Estudos Literários, tendo sido homenageada com seu nome no prédio do Centro de Línguas da UFES; foi também membro titular da Câmera de Literatura do Conselho Estadual de Cultura do ES.

Atualmente é aposentada e Professor Efetivo – (Voluntária) e Emérita[2] da Universidade Federal do Espírito Santo – UFES-CCHN-DLL-PPG, Mestrado e Doutorado em Estudos Literários. Foi professora e diretora de Pesquisa e Pós-Graduação (DIPEPG) do Centro de Ensino Superior de Vitória. Sua experiência se concentra na área de Letras, com ênfase em Línguas Estrangeiras Modernas, com estudos sobre a poesia, o teatro e a narrativa das literaturas hispânicas e literatura brasileira.

Carreira LiteráriaEditar

Ester possui uma intensa e respeitada produção intelectual, com vasta obra publicada, seja em poesia, estudos literários, bibliografias, livros didáticos e ocasionais livros infantis. “O mito de Don Juan e sua relação com Eros e Tanathos” foi seu primeiro livro de grande visibilidade. Baseado em sua tese de Doutorado, ele foi publicado em diversas línguas, e hoje se encontra em terceira edição). Outros livros de destaques são “Ensaios sobre dramaturgia – do clássico contemporâneo”, “Ultrapassando fronteiras em metapoemas”, “O teatro se subjuga ao poder? Ideias esquartejadas sempre renascem” e ”Recordações de Muqui, cidade menina em prosa e verso”.

O Mito de Don JuanEditar

Em seu livro "O mito de Don Juan e sua relação com Eros e Tanathos", ester faz um estudo que ao mesmo tempo é uma parábola para este personagem, presente em diversas obras medievais latinas. Don Juan, "El Burlador de Sevilha", é um personagem de contornos barrocos, mergulhado em uma busca desenfreada por prazeres. Sua morte inevitável pode ser vista, também, como uma demonstração da justiça celeste sobre o libertino.

"A literatura em língua espanhola tem sido motivo de nosso trabalho, estudo e prazer. E Don Juan, entre as muitas figuras literárias dessa literatura, tais como: EI Cid, Arcipreste de Hita, Celestina, Don Quijote, El Patriarca e Los Buendías, nos faz pensar e sentir a sua eterna existência. Com o cognome de Tenorio, o mito de Don Juan ressurge, na literatura espanhola. Personagem dramática e literária dá nova vida a uma personagem já mítica que não conhece o amor, senão a ânsia de buscá-lo. Nesse sentido, ele não fica em consonância com os pares famosos: Tristão/ Isolda e Romeu/ Julieta. Representante de um mito do presente, do imediatismo, quase sempre retorna à literatura na forma de uma pessoa que não tem tempo para amar e não sente a dor de uma paixão inacessível como a de Apolo, com o desprezo da deusa Dafne. É sempre alguém que gasta as suas horas de ócio, a maioria, em seduzir, em despertar o desejo de uma mulher a quem abandonará, realizado o seu intento." (Ester Abreu Vieira de Oliveira)

Principais ObrasEditar

  • O Coelhinho e a Onça / El Conejito y el Jaguar (2019), Literatura infantil, Editora Cajína.
  • O lagarto amedrontado do jardim / El lagarto amedrentado del jardín (2018), Literatura infantil, Opção Editora.
  • A poética de Santiago Montobbio: análise e tradução (2017), Opção Editora.[3]
  • Relações entre Don Juan, Eros e Thanatos (2017), 3ª Edição, Editora Semadar.
  • Metapoemas – A Poesia em torno de sua própria tessitura (2017), Opção Editora.
  • Ensaio sobre a dramaturgia: do clássico ao contemporâneo (2016), Opção Editora.
  • Inesperada canciones (2016), Opção Editora.
  • Teatro clássico espanhol: quatro grandes dramaturgos: Torres Naharro, Lopes de Rueda, Lop de Vega, Tirso de Molina (2016),Editora Brasília / Ministério de Educación, Cultura y Deporte.
  • Aspectos de possessivo em português e em espanhol (2014), Opção Editora.
  • Poesias fotográficas – flashes de uma vida (2014), GM Editora.
  • Presença de Judith Leão Castello Ribeiro (2014), Bibliografia, GM Editora.
  • Estudio comparativo de la sintaxis verbal portuguesa y española con especial atención al uso brasileño (2013), Opção Editora.
  • O mito de Don Juan: sua relação com Eros e Thanatos (2013), 2ª Edição, Opção Editora.
  • Antologia Caminhos Literários no Espírito Santo: Veredas Literárias: patronas e acadêmicas (2013), GM Editora.
  • Vitória: poesia e história (2013), GM Editora.
  • La casa de Lúculo o el arte de comer / A casa de Lúculo ou a arte de comer (bilíngue) (2013), Editora Brasília / Consejería de Educación de la Embajada de España General Técnica (com Cândido, Caser & Nascimento).
  • O teatro se subjuga ao poder? Ideias esquartejadas sempre renascem (2011), Editora Vitória: Academia Feminina Espírito-santense de Letras.
  • Para uma lectura del teatro actual. Estudio de PANIC de Afonso Vallejo (2010), Editora Vitória: Academia Feminina Espírito-santense de Letras.
  • Recordações de Muqui – Cidade Menina – em prosa e verso (2010), Opção Editora.
  • Salmos de inquietação e eclosão do ser (2006), Editora CESV.
  • Para no olvidar: una reunión de vida en homenaje (2005), Editora CESV.
  • Estudio de verbos españoles. Con ejercicios (2004), Editora Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico.
  • História em verso (2004), Editora CESV.
  • Ultrapassando fronteiras em metapoemas (2004), Editora PPGL/MEL-CCHN.
  • Momentos. Vitória (1988), FCCA/UFES.
  • Ibéria dividida (1988), FCAA/UFES.
  • Português para estrangeiros: 31 lições (1981).
  • Los judios en Espírito Sant

Ligações externasEditar

ReferênciasEditar

  1. «Ufes concede título de Professora Emérita à escritora e professora Ester Abreu». Universidade Federal do Espírito Santo. Consultado em 7 de outubro de 2019 
  2. «Professora e escritora Ester Abreu recebe o título de Professora Emérita». Universidade Federal do Espírito Santo. Consultado em 7 de outubro de 2019 
  3. «17-07-2017 - La poesía, el Brasil y Barcelona: Ester Abreu Vieira de Oliveira y Santiago Montobbio». INTECCA Comunicación (em espanhol). 29 de junho de 2017. Consultado em 7 de outubro de 2019