Estratificação social

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Estrato.

Estratificação social, na sociologia, é um conceito que envolve a "classificação das pessoas em grupos com base em condições socioeconômicas comuns; um conjunto relacional das desigualdades com as dimensões econômicas, social, política e antropológica". Quando as diferenças levam a um status de poder ou privilégio de alguns grupos em detrimento de outros, isso também é chamado de estratificação social.[1] É um sistema pelo qual a sociedade classifica categorias de pessoas em uma hierarquia.[2] A estratificação social é baseada em quatro princípios básicos:

  1. É uma característica da sociedade, e não simplesmente um reflexo das diferenças individuais;
  2. A estratificação social continua de geração para geração;
  3. É universal, mas variável;
  4. Envolve não só a desigualdade, mas também crenças.[3]

Há diversas formas de estratificação social na história, como as castas, os estamentos e as classes sociais.[4] Na cultura ocidental moderna, a estratificação é amplamente organizada em classes sociais: classe alta, classe média e classe baixa. Cada uma destas classes podem ser ainda subdivididas em classes menores (por exemplo, ocupação).[5]

Essas categorias não são particulares de sociedades baseadas em estado como distinguido de sociedades feudais compostas da relação nobreza-camponeses. A estratificação pode também ser definida por laços de parentesco ou castas. Para Max Weber, a classe social pertencente amplamente à riqueza material é diferente do status de classe, que é baseado em variáveis ​​tais como a honra, prestígio e filiação religiosa.[6] Talcott Parsons argumentou que as forças de diferenciação social e do seguinte padrão de individualização institucionalizada diminuiria fortemente o papel da classe (como um importante fator de estratificação), assim como toda a evolução (evolucionismo) social. É discutível se o primeiro grupo caçadores-coletores pudesse ser definido como "estratificada", ou se tais diferenciais começou com a revolução agrícola e os grandes intercâmbios entre os grupos. Uma das questões em curso para determinar a estratificação social surge a partir do ponto que as desigualdades de status entre os indivíduos são comuns, por isso se torna uma questão quantitativa para determinar o quanto a desigualdade se qualifica como estratificação.[7]

Visão sociológicaEditar

O conceito de estratificação social é interpretado de forma diferente pelas várias perspectivas teóricas da sociologia. Os defensores da teoria da ação sugeriram que desde que a estratificação social é comumente encontrada nas sociedades desenvolvidas, a hierarquia pode ser necessária a fim de estabilizar a estrutura social. Talcott Parsons,[8] sociólogo americano, afirmou que a estabilidade e a ordem social são regulamentados, em parte, pelo valor universal, embora os valores universais não eram idênticos em "consenso", mas poderiam muito bem ser o impulso para um conflito como tinha sido várias vezes ao longo da história. Parsons nunca alegou que os valores universais e por eles próprios "satisfaziam" os pré-requisitos funcionais de uma sociedade, de fato, a constituição da sociedade foi uma codificação muito mais complicada de fatores históricos emergentes. Pitirim Sorokin, estudioso da estratificação social, colega e crítico de Parsons, afirma que: "qualquer grupo social organizado é sempre um corpo social estratificado. Não existe qualquer grupo social permanente que seja 'plano' e no qual todos os membros são iguais.".[9]

As chamadas teorias do conflito, como o marxismo, apontam para a falta de acesso aos recursos e falta de mobilidade social nas sociedades estratificadas. Muitos teóricos sociológicos têm criticado a medida em que as classes trabalhadoras não são susceptíveis de avançar socioeconomicamente, os ricos tendem a manter o poder político que usam para explorar o proletariado intergeracional. Teóricos como Ralf Dahrendorf, no entanto, notaram a tendência em direção a uma classe média alargada nas sociedades ocidentais modernas, devido à necessidade de uma força de trabalho educada nas economias tecnológicas e de serviço. Várias perspectivas sociais e políticas sobre a globalização, como a teoria da dependência, sugerem que estes efeitos são devidos à mudança de trabalhadores para o terceiro mundo.[10]

Na teoria marxista, o modo de produção capitalista consiste de duas partes econômicas: infraestrutura e superestrutura. Marx via as classes definidas pela relação das pessoas com os meios de produção em duas formas básicas: ou elas possuem bens produtivos ou de trabalho para os outros.[11] Marx descreveu também outras duas classes, a pequena burguesia e o lumpemproletariado. A pequena burguesia é como uma classe pequena empresa que nunca acumula lucro suficiente para se tornar parte da burguesia, ou mesmo desafiar seu poder absoluto. O lumpemproletariado é a parte degradada do proletariado. Isso inclui prostitutas, mendigos, vigaristas, etc. Nenhuma dessas subclasses tem muita influência nos dois sistemas de classes de Marx, mas é útil saber que Marx fez reconhecer as diferenças dentro das classes.[12]

Hermann Heller definiu a estratificação como um tipo de diferenciação social ou sistema de desigualdade estruturada nas coisas que cotonam em uma determinada sociedade, que pode ser bens tangíveis ou simbólicos. Para Kingsley Davis e Wilbert E. Moore a estratificação é universal e a sociedade deve fazer uso de recompensa para o preenchimento de papeis. A abordagem de Davis e Moore é que toda sociedade deve criar meios de motivar seus trabalhadores mais competentes a preencher as funções mais difíceis e importantes, criando assim uma hierarquia de recompensas que privilegie os encarregadores de tarefas funcionalmente importantes. Isso representa estabelecer um sistema de desigualdade institucionalizada.[13]

Formas de estratificaçãoEditar

A estratificação social assumiu diversas formas ao longo da história. As principais são as castas, os estamentos e as classes sociais. O aspecto diferencial delas é o grau de mobilidade entre os diferentes estratos. Deste modo, as castas é a forma de estratificação mais fechada e com menor mobilidade entre os estratos, enquanto as classes sociais são as mais abertas.[4]

CastasEditar

 
Pirâmide do sistema de castas da Índia. Brâmanes (sacerdotes e letrados). Xátrias (guerreiros). Vaixás (comerciantes). Shudras (camponeses, artesãos e operários). Os Dalits (impuros/intocáveis; não fazem parte da pirâmide.)

Esta forma de estratificação atingiu seu mais alto grau de desenvolvimento na Índia. Apesar de a constituiçãod e 1949 ter, em teoria, abolido as distinções de casta, estas ainda persistem. Kingsley Davis apresenta as seguintes características das castas:[4]

  • participação hereditária na casta;
  • participação atribuída por toda a vida;
  • casamento endogâmico;
  • contato limitado com outras castas;
  • identificação do indivíduo com a casta;
  • a profissão caracteriza a casta;
  • cada casta possui grau de prestígio próprio.

EstamentosEditar

 
O terceiro estado carregando o primeiro e o segundo estados nas costas.

Exemplos de sociedade estamentais encontram-se na Idade Média, no tempo do feudalismo. Na França, por exemplo, havia três grandes estamentos: a nobreza, o clero, e o terceiro estado, que abarcava a burguesia, os camponeses, e os servos.[4]

Para Sorokin, entre outras características, os estamentos são parcialmente hereditários; são mais abertos que as castas; são solidários na medida em que seus componentes estão ligados por:

  • laços de direitos e deveres;
  • privilégios e isenções de impostos;
  • profissões semelhantes, não tão monopolizadas como no sistema de castas.

Classes sociaisEditar

 
Ilustração "Pirâmide do Sistema Capitalista". É um exemplo de sociedade dividida em classes sociais

Para Sorokin, uma classe social é um grupo:[4]

  1. legalmente aberto, mas de fato semifechado;
  2. "normal" (ou seja, não é um grupo unido por uma razão extraordinária, fora do comum);
  3. solidário;
  4. principalmente semiorganizado (às vezes organizado);
  5. em parte consciente de sua existência;
  6. característico das sociedades ocidentais dos séculos XVIII, XIX e XX; e
  7. multivinculado, unido por dois vínculos específicos (ocupacional e econômico) e um de estratificação social (direitos e deveres especiais).

Estratificação social no BrasilEditar

 Ver artigo principal: Classes sociais no Brasil

A sociedade brasileira, como praticamente todas as sociedades modernas ocidentas, é dividida em classes sociais, com um alto grau de desigualdade social

 
Faixas de renda no Brasil em 2015, de dados do banco Credit Suisse.[14]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Barker, Chris. Cultural Studies: Theory and Practice. London: Sage. ISBN 0-7619-4156-8 p 436
  2. Macionis, J., and Gerber, L. (2010). Sociology, 7th edition
  3. Macionis, Gerber, John, Linda (2010). Sociology 7th Canadian Ed. Toronto, Ontario: Pearson Canada Inc.. pp. 224, 225.
  4. a b c d e Lakatos, Eva Maria (18 de janeiro de 2019). Sociologia Geral. [S.l.]: ATLAS EDITORA 
  5. Saunders, Peter (1990). Social Class and Stratification. [S.l.]: Routledge. ISBN 9780415041256 
  6. Fritz K. Ringer (2001). Declínio dos Mandarins Alemães - A Comunidade Acadêmica Alemã 1890 - 1933. [S.l.]: Edusp. p. 170. ISBN 978-85-314-0511-2 
  7. Tania Quintaneiro; MARCIA GARDENIA MONTEIRO OLIVEIRA (2002). Labirintos simétricos: introdução à teoria sociológica de Talcott Parsons. [S.l.]: Editora UFMG. p. 178. ISBN 978-85-7041-300-0 
  8. Besnik Fetahu. The social system according to Talcott Parson. [S.l.]: GRIN Verlag. ISBN 978-3-640-77891-1 
  9. Sorokin, Pitirim. Social mobility. Harper & Brothers, 1927, pág. 12. (17-10-2016).
  10. Ralf Dahrendorf (1976). Class and Class Conflict in Industrial Society. [S.l.]: Routledge & Kegan Paul. p. 324. ISBN 978-0-7100-7461-4 
  11. Macionis, Gerber, John, Linda (2010). Sociology 7th Canadian Ed. Toronto, Ontario: Pearson Canada Inc. 233 páginas 
  12. Doob, Christopher. Social Inequality and Social Stratification in US Society (1st ed.), Pearson Education, 2012, ISBN 0205792413
  13. Sociologia: consensos e conflitos". [S.l.]: Editora UEPG. 2001. p. 56. ISBN 978-85-86941-10-8 
  14. Credit Suisse - Research Institute. Markus Stierli. Outubro de 2015. Tabela 6-5, pág. 149, (em inglês) 17-10-2016.

Ligações externasEditar