Eurynorhynchus pygmeus

espécie de ave

Eurynorhynchus pygmeus é uma espécie de ave da família Scolopacidae. Encontrada no noroeste da Rússia, invernando no sudeste asiático. É a única espécie descrita para o gênero Eurynorhynchus. Em 2008, foi declarada uma espécie em perigo crítico de extinção.[2]

Como ler uma infocaixa de taxonomiaEurynorhynchus pygmeus
Eurynorhynchus pygmeusIbis1869P012AA.jpg
Estado de conservação
Espécie em perigo crítico
Em perigo crítico (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Charadriiformes
Família: Scolopacidae
Género: Eurynorhynchus
Nilsson, 1821
Espécie: E. pygmeus
Nome binomial
Eurynorhynchus pygmeus
(Linnaeus, 1758)

Distribuição geográfica e habitatEditar

A espécie se reproduz no nordeste da Rússia, da península de Chukotsk ao istmo da península de Kamchatka. A rota de migração para o sul passa pela costa ocidental do Pacífico através da Rússia, Japão, península da Coreia, China continental e Taiwan, e Vietnã. As área principais de invernada é em Bangladesh e Mianmar, mas também é registrada na Índia, Sri Lanka, Tailândia, Vietnã, Filipinas, província de Fujian (China), Malásia peninsular e Singapura.[1]

Comportamento e ecologiaEditar

Seu estilo de alimentação consiste em um movimento de lado a lado do bico quando o pássaro avança com a cabeça baixa. Essa espécie nidifica em junho-julho nas áreas costeiras da tundra, escolhendo locais com grama perto de piscinas de água doce.[3] A espécier alimenta-se de musgo nas tundras, bem como espécies de animais menores, como mosquitos, moscas, besouros e aranhas. Em certos momentos, eles também se alimentam de vertebrados marinhos, como camarões e vermes.[4]

ConservaçãoEditar

Este pássaro está criticamente ameaçado, com uma população atual de menos de 2500 - provavelmente menos de 1000 - indivíduos adultos.[5] As principais ameaças à sua sobrevivência são a perda de habitat em seus locais de reprodução e a perda de marés através de sua faixa migratória e invernal.

Expandindo a conservaçãoEditar

Os pântanos de Tiaozini se tornaram um patrimônio mundial. Os lodaçais abrigam milhões de aves migratórias no inverno, incluindo a E. pygmeus. O status de patrimônio mundial não é o fim das zonas úmidas de Tiaozini e Yancheng. Desejoso de aumentar ainda mais as proteções,[6] o governo municipal de Yancheng está atualmente solicitando o status de “Cidade Internacional do Pantanal”.[7]

Referências

  1. a b «IUCN red list Calidris pygmaea e Calidris pygmeus». Lista Vermelha da IUCN. Consultado em 9 de julho de 2022 
  2. «NCBI:txid425635». NCBI Taxonomy (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2022 
  3. Hayman, Peter; Marchant, John & Prater, Tony (1986). Shorebirds: an identification guide to the waders of the world. Houghton Mifflin, Boston. ISBN 0-395-60237-8
  4. «THE NESTING GROUNDS AND NESTING HABITS OF THE SPOON-BILLED SANDPIPER.» (PDF). Oxford University Press. Consultado em 3 de março de 2020 
  5. BirdLife International (2018). «Calidris pygmaea». Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas. 2018: e.T22693452A134202771. Consultado em 27 de janeiro de 2020 
  6. Fu, Qizi; Yang, Jingnan; Xu, Qiuxiang; Wang, Dongbo; Liu, Xuran (2 de agosto de 2019). «Land reclamation threatens sandpipers». Science (em inglês). 365 (6452): 454–454. ISSN 0036-8075. PMID 31371603. doi:10.1126/science.aay5526 
  7. «Threatened Jiangsu Wetlands Are Now a World Heritage Site» (em inglês) 

Ligações externasEditar

O Wikispecies tem informações sobre: Eurynorhynchus pygmeus