Abrir menu principal
Exército do Chile
Insígnia do Exército Chileno
País  Chile
Força Forças Armadas Chilenas
Efetivo 45.000
Patrono Nossa Senhora do Carmo
Lema
Siempre vencedor,
jamás vencido
Sempre vencedor,
jamais vencido
Hino Himno de Yungay
Batalhas Ao lado
Website Ejército de Chile

O Exército do Chile é o órgão responsável pela defesa militar do Chile, o qual contribui mantendo a integridade territorial e a soberania nacional. Seu lema é Sempre vencedor, jamais vencido e seu comandante-em-chefe é o general-de-exército Ricardo Martínez Menanteau.

Nos últimos anos e após vários programas de modernização, o exército chileno tornou-se um dos mais e avançados tecnologicamente e profissionais da América[1].

MissãoEditar

Ao exército do Chile cabe a defesa do território nacional diante de qualquer ameaça proveniente do exterior. Participa também, segundo a constituição da República do Chile, na manutenção da ordem pública em estados de exceções constitucionais e em eleições.

No âmbito internacional, participa ativamente sob as determinações das Nações Unidas, de acordo com a política externa e de defesa do Chile. É membro da Junta Interamericana de Defesa[2], está representado no Colégio Interamericano de Defesa e cumpre um papel ativo na Conferência dos Exércitos Americanos.

Os militares do quadro permanente são formado na Escola de Suboficiais e seus oficiais na Escola Militar do Libertador Bernardo O'Higgins.

 
Militares da escola de suboficiais do exército chileno.

GuerrasEditar

Das seis guerras ou conflitos bélicos em que participou, sem jamais ser derrotado provém o lema "sempre vencedor, jamais vencido". Fato questionado por alguns historiadores, já que na Guerra Civil de 1891, o exército se manteve leal ao presidente José Manuel Balmaceda, e sua formação principal foi derrotada pela armada chilena sob as ordens do congresso contra o poder executivo.

HistóriaEditar

Período pré-hispânicoEditar

O período pré-hispânico do Chile está marcado pela presença do povo Mapuche no centro e no centro-sul do país. Este povo de caráter guerreiro foi um dos poucos que se mantiveram firmes diante do Império Inca e posteriormente dos conquistadores espanhóis. Entre seus líderes e chefes militares destacou-se Lautaro, estrategista militar que projetou várias táticas guerrilha, fortificações e armas, que acabaram por impedir o avanço dos conquistadores espanhóis no sul do rio Biobío. Posteriormente esta fronteira tática foi o limite reconhecido pelo reino espanhol, admitindo os direitos do povo mapuche sobre aquela área.

Período hispânicoEditar

Principalmente devido a Guerra do Arauco e por sugestão do governador Alonso de Ribera, capitão-general que havia lutado na Guerra dos Oitenta Anos, foi criado um exército permanente no Chile mediante uma ordem real em janeiro de 1603, fazendo dele o primeiro exército permanente da América Hispânica[3].

Durante seu governo, Alonso de Ribera aumentou a capacidade profissional e combativa das tropas além de fundar indústrias básicas para o abastecimento do pessoal militar.

Período independenteEditar

Foi criado por ordem da Primeira Junta Nacional de Governo do Chile o primeiro exército nacional em 2 de dezembro de 1810, tendo como base o exército do Reino do Chile, e participou de forma ativa na guerra de independência. Nesse período destacam-se José Miguel Carrera, seu primeiro comandante-em-chefe e Bernardo O'Higgins, primeiro governante do Chile independente.

Durante o período de organização da república foi reorganizada a Academia Militar, fundada por O'Higgins em 1817, e em 1839 o jovem exército enfrentaria um novo desafio, o conflito com a Confederação Peru-Boliviana, comandada pelo marechal boliviano Andrés de Santa Cruz, derrotado pelo general chileno Manuel Bulnes na Batalha de Yungay.

Influência francesaEditar

Por seu sucesso militar durante as guerras napoleônicas até 1812 ou por alguma outra razão, o exército do Chile, assim como muitos dos exércitos do ocidente, seguiu a organização, tradição e uniformes franceses do período de Napoleão III. Nota-se a semelhança dos uniformes dos exércitos chilenos, peruanos e bolivianos durante a Guerra do Pacífico. A derrota da França na Guerra franco-prussiana pôs fim a essa influência.

PrussianizaçãoEditar

 
Generais do exército chileno: Gorostiaga, Lopetegui, Bulnes, Körner, Baquedano, del Canto, Cortes, Novoa.

A derrota francesa (1870) fez mudar o padrão do exército chileno que passou a seguir o modelo prussiano, o que explica seus uniformes, disciplina, marcha e semelhanças com a cultura militar prussiana. A decisão de adotar tal modelo foi do presidente Domingo Santa Maria contratando Emilio Körner, dada a sua experiência como docente na Escola de engenharia e artilharia de Charlottenburg, deixando-o como responsável pelo treinamento do exército. Durante esse período de modernização, denominado prussianização, foi profissionalizada a formação de oficiais com a criação da Academia de Guerra e a modernização dos planos de estudos da escola militar. Nesse período também foi instaurado o serviço militar obrigatório. Em 1899 foi iniciada a utilização do capacete prussiano com ponta e desde 1905 foi adotado o uniforme baseado no modelo alemão.

Organização territorialEditar

 
Organização territorial

DivisõesEditar

 
Soldados chilenos
 
Leopard 2A4 MBT
 
Marder 1A3 (IFV)
 
Mowag Piranha
 
Bergepanzer 2
 
M109A5
 
Humvee
 
Soldados chilenos
  • Brigada de Avição. Seu quartel-general se encontra em Rancagua.
  • Comando de Operações Terrestres. Seu quartel-general se encontra em Concepción.
  • Brigada de Operações Especiais (BOE) Seu quartel-general se encontra em Peldehue.

Processo de modernizaçãoEditar

Em seu processo de modernização, o exército do Chile criou cinco grande unidades de blindados com uma força principal de tanques Leopard 2 A4[4].

Cada unidade estará composta por[5]
  • 6 helicópteros
  • 2 NASAMS II
  • 5 M1097 Avenger
  • 15 M163 VADS
  • 12 Gepard
  • 47 Marder 1A3
  • 50 Leopard 2 A4
  • 40 HMMWV
  • 12 M-109A5
  • 28 YPR-765 AIFV
  • 13 M548-A1
  • 150 M113

HinoEditar

A marcha Los viejos estandartes foi inspirada no retorno do general Manuel Baquedano à cidade de Valparaíso em 1881. A letra foi composta por Jorge Inostroza e a música por Willy Bascuñán. Junto com este hino, em cerimônias oficiais, foi utilizado durante décadas o Hino Yungay.

Referências

Ligações externasEditar