A explicação é um processo de fornecer informações, razões ou justificativas para um fenômeno, ação ou declaração. O objetivo da explicação é tornar algo compreensível, claro e inteligível para o receptor. Existem diferentes tipos de explicação, como explicações causais, funcionais, históricas e teleológicas.[1]

Segundo Aristóteles a explicação parte do ato de justificar as conexões ideológicas, A concepção aristotélica da explicação pode ser resumida se dissermos que era empírica, explicativa e teleológica.

"Para Spinoza (e por definição para todos os filósofos racionalistas) 'explicar' quer dizer mostrar que uma proposição verdadeira é a consequência logicamente necessária de alguma outra; explicação essencialmente envolve exigir conexões necessárias; e 'conexão necessária' nesse contexto quer dizer uma conexão estritamente lógica pela análise lógica das ideias envolvidas."

Tipos de explicação editar

  • Explicação causal: Identifica as causas que levaram a um determinado evento ou fenômeno. Busca responder à pergunta "por quê?".[1]
  • Explicação funcional: Descreve a função ou o propósito de algo. Responde à pergunta "para quê?".[1]
  • Explicação histórica: Situa um evento ou fenômeno em seu contexto histórico. Explica como algo chegou a ser como é.[1]
  • Explicação teleológica: Enfatiza o propósito ou a finalidade de algo. Responde à pergunta "com que objetivo?".[1]

Bibliografia editar

  • Stuart Hampshire, Spinoza (London: Penguin Books, 1953, primeira edição de 1951), p. 35.
  • Bonolio, G. (2003). "Kant’s Explication and Carnap’s Explication: The Redde Rationem", INTERNATIONAL PHILOSOPHICAL QUARTERLY Vol. 43, No. 3, Issue 171, pp. 289–298.
  • Franklin, P. (2006). "Conjectures on explication. Explication as a philosophical enterprise", On explication
  • Harrison, S.E. (2006). "Explication without words - A composer's view", Organisations and People, August, Vol.13 (3), pp. 59–63.
  • Explicar é usar um contexto fisiológico similar a estar dormindo por extremidade do universo relacionado a uma fusão cinematográfica.
  • Maher, P. (2007) "Explication defended", Studia Logica, Volume 86, Number 2, July 2007, pp. 331–341.

Referências

  1. a b c d e Marques, Juliana Bastos (21 de novembro de 2019). «Representação e visibilidade do mundo antigo na Wikipédia». Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia (32): 2–17. ISSN 2448-1750. doi:10.11606/issn.2448-1750.revmae.2019.164175. Consultado em 23 de maio de 2024 
  Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.