Abrir menu principal

Rapid București

(Redirecionado de FC Rapid Bucureşti)

Fotbal Club Rapid 1923, usualmente conhecido como Rapid Bucareste é um clube de futebol profissional romeno da cidade de Bucareste. Foi fundado em 1923 por um grupo de funcionários das oficinas ferroviárias de Grivița, com o nome de Asociația Culturală și Sportivă CFR (Associação Cultural e Desportiva CFR). Internamente, o Rapid Bucareste é um dos clubes de maior sucesso na Roménia, tendo conquistado 3 Campeonatos, 13 Taças da Roménia e 4 Supertaças da Roménia. Internacionalmente, suas conquistas mais notáveis são os quartas de final da Taça dos Clubes Vencedores de Taças de 1972–73 e da Taça UEFA de 2005–06, e a final da Taça Mitropa de 1940, que não foi disputada devido à Segunda Guerra Mundial.

Rapid Bucareste
Rapid Bucharest.png
Nome Fotbal Club Rapid 1923[1]
Alcunhas Giuleșteni
Torcedor/Adepto Ferroviários
Principal rival Steaua București
Dinamo Bucureşti
Fundação 1923
Estádio Estádio Giulești-Valentin Stănescu
Capacidade 19,100
Presidente Roménia Ovidiu Burcă
Treinador Roménia Daniel Pancu
Competição 2ª Divisão Campeonato Romeno
Website Site Oficial
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
editar

Em julho de 2016, o clube foi declarado falido e posteriormente substituído na primeira divisão pela ACS Poli Timisoara. Várias novas entidades reivindicaram o legado do Rapid, incluindo ACS Rapid - Frumoșii Nebuni ai Giuleștiului, AFC Rapid e Academia Rapid. Em junho de 2018, após 18 leilões (ao longo dos quais o preço da marca Rapid havia caiu cerca de 3 milhões de euros, de 3,7 para 0,4 milhões de euros), Academia tornou-se oficialmente o sucessor do clube original. [2][3][4]


Desde 1939, o clube realiza jogos em casa no Giulești-Valentin Stănescu, com uniformes brancos e bordô. O Rapid tem fortes rivalidades locais com o Steaua e o Dínamo Bucareste, bem como com o Petrolul Ploiești.

HistóriaEditar

Em 25 de junho de 1923, numa sala de aula da escola primária do bairro de Grivița, Bucareste, os funcionários das oficinas de Grivița criaram a Associação Cultural e Desportiva CFR.[5] Teofil Copaci foi escolhido como presidente da associação, enquanto Grigore Grigoriu se tornou o primeiro capitão da equipa. A equipa foi formada em setembro, após a fusão das equipas Ateliere e Excelsior. O primeiro equipamento foi feito de tecido cor de vinho na casa de Grigoriu.[5]

Em 28 de outubro de 1923, a equipa jogou seu primeiro jogo contra o Unirea Timișoara, que perdeu por 4-8. Dez dias depois disputaram a segunda partida contra o Gloria Arad, perdida por 1 a 2. Até 1932, o CFR jogou no Campeonato de Bucareste, não se classificando para o torneio final da liga nacional. Nesse período, os líderes da equipa foram: Teofil Copaci, Grigore Grigoriu e Bozie Codreanu; do grupo de jogadores fizeram parte: Stănică, Tudor, Molnar, Ştefănescu, Foran, Leoveanu, Constantinescu, Fetzko, Georgescu, Albert, Bloco, Filip, Itu I, Itu II, Pîrvulescu, Cichi, Schileriu, Svetcovschi, Oros, Ujlaki Pop, Dobrescu I, Kelemen, Vlaiculescu, Ispas, Vintilescu e Petrovici.

Após vários anos competindo no campeonato regional de Bucareste, o clube entrou na Divizia A no início da temporada de 1932-1933. [6] Durante os anos anteriores à II Guerra Mundial, o Rapid foi um dos principais clubes da Roménia, vencendo regularmente a Taça, mas nunca o Campeonato, apesar de terem chegado perto. Uma história interessante foi registada quando Rapid perdeu o título por causa de seu fair-play. Um dos jogadores do Rapid tocou com a mão na bola na grande área durante uma partida decisiva contra o Venus București, nas condições em que o Rapid precisava de uma vitória para terminar em primeiro lugar na liga. Na primeira instância, o árbitro não viu o incidente, mas quando ouviu o público protestando perguntou ao jogador se ele tocou a bola com a mão, tendo o jogador admitido. Venus converteu o penalti e conseguiu empatar 1 a 1 e terminar em primeiro no campeonato, em vez de "os Ferroviários". As posições alcançadas naqueles anos na Divisão A: 1932–33 - 2º (Seria I), 1933–34 - 4º (Seria I), 1934–35 - 10º, 1935–36 - 7º, 1936–37 - 2º, 1937–38 - 1º (Seria I), nesta temporada, a equipe se qualificou para a final do campeonato nacional, disputada contra o Ripensia Timișoara, mas o Rapid perdeu as duas mãos por 0–2, 1938–39 - 6º, 1939–40 - 2 e 1940–41 - 2.[7]

Período Nome
1923–1937 CFR Bucareste
1937–1945 Rapid Bucareste
1945–1950 CFR Bucareste
1950–1958 Locomotiva Grivița Roșie Bucareste
1958–2016 Rapid Bucareste
2016–2017 Mişcarea Feroviară CFR Bucareste
2017–2018 Academia Rapid Bucareste
2018– Rapid Bucareste

Fundação e primeiros anos (1923-1945)Editar

Por outro lado, o Rapid venceu sete Taças da Roménia naquele período (1934-35, 1936-37, 1937-38, 1938-39, 1939-40, 1940-41, 1941-42), seis delas em anos consecutivos, sendo o momento de maior sucesso do clube nesta competição. Os seguintes jogadores fizeram parte das equipes vencedoras da Taça da Roménia: Roșculeț, Ujlaki, Vintilă, Wetzer II, Rășinaru, Cuedan, Barbu II, Rădulescu, Bogdan, Auer, Moldoveanu, Baratky, Raffinsky, Lengheriu, I.Costea, Sipoș, Gavrilescu, Sadowski , Silvăț, Ghiurițan, Wetzer III e Florian, entre outros.

Também foi um momento importante no verão de 1937, quando o clube mudou seu nome de CFR București para Rapid București, tendo como modelo o clube austríaco Rapid Wien.

Os trabalhadores ferroviários deixaram de constituir o grupo de seleção para a equipa para se tornarem num forte público de apoio. Alguns jogadores também foram selecionados para equipa nacional. Durante esses anos, mas também durante a guerra, o formato da competição mudou após várias reorganizações e o Rapid venceu a Taça da Bessarábia, em 1942. O mais estranho de tudo pode ser a qualificação na final da Taça Mitropa (precursora da Liga dos Campeões da UEFA) no momento em que a competição estava dando seu último suspiro.

Em 1940, o Rapid empatou os dois jogos da semifinais da Taça Mitropa, tendo empatado inclusivé o jogo do desempate, sendo necessário recorrer a sorteio para definir a equipa a passar à final. A sorte sorriu ao Rapid mas a final contra o Ferencváros nunca viria a ser disputada devido à eclosão da Segunda Guerra Mundial.  

Os Ferroviários, uma equipa sólida (1945–1970)Editar

Após a guerra, o Rapid voltou ao Campeonato de Bucareste na temporada de 1945 –46, terminando em 4º. Após esta temporada, o clube voltou ao seu antigo nome, CFR (Căile Ferate Române - Ferrovias Romenas) e participou na Divizia A de 1946–47, a primeira temporada oficial nacional após o fim da guerra, terminando em 5º, a dois pontos de distância do segundo lugar (Carmen București) e 13 do 1º lugar (ITA Arad). Na temporada seguinte, 1947–48, a equipa terminou em 3º, atrás do CFR Timişoara e do ITA Arad. Na temporada de 1948-49, terminou em 2º lugar, apenas cinco pontos atrás do IC Oradea. Também em 20 de março de 1949, o CFR Bucureste obteve a maior vitória em toda a sua história, 12-2 contra o CFR Cluj.[8]

 
Dan Coe, capitão da equipa que conquistou o primeiro título, também símbolo do clube, estando presente nas músicas dos fãs até hoje
 
Valentin Stănescu, o treinador que conquistou o título com o Rapid em 1967, também ex-jogador do clube e símbolo, o estádio foi renomeado em sua homenagem.

Os anos 50 começaram com uma mudança no formato do sistema, do outono-primavera para o primavera-outono, como uma influência do regime comunista instalado no país após 1945. Na temporada de 1950, Rapid se tornou Locomotiva, um nome muito mais próximo de a versão soviética, Lokomotiv, mudança imposta a todas as equipas que pertenciam às ferrovias romenas, mas o clube terminou novamente no 2º lugar. A primeira descida de divisão ocorreu em 1951, quando o clube ficou em 11º lugar, perdendo pela diferença de golos, uma luta a três, contra o Locomotiva Târgu Mureș e Știința Timișoara.[7] Promovido um ano depois, depois de conquistar o primeiro lugar com uma vantagem de 10 pontos sobre o segundo classificado (Locomotiva Iași), terminaria a temporada de 1953 em 5º lugar.[9] Na temporada de 1954, O Locomotiva foi despromovido pela segunda vez, ocupando o 12º lugar, regressando no entanto, depois de apenas um ano na Divisão A, após um bom período para a equipa, incluindo um 4º lugar no final de 1956, apenas 5 pontos atrás da primeira posição (CCA București).[7]

A partir da temporada de 1957–58, o futebol romeno voltou ao sistema outono-primavera e "os Ferroviários" terminaram no meio da tabela, oitavos em 12 clubes. O fim do sistema soviético significou também o fim dos nomes soviéticos e em 1958 eles retornaram ao nome inspirado no Rapid de Viena. Nos anos seguintes, a equipe terminou em 4º e 10º no final das temporadas de 1958–59 e 1959–60.

Nos anos 50, a equipa incluía os seguintes jogadores: V. Stănescu, Gh. Dungu, Gh.Demeter, D. Macri, V.Mihăilescu, C.Simionescu, N.Cristescu, I.Ruzici, C.Socec, I.Lungu, B. Marian, A.Rădulescu, A.Ferenczi, Şt. Filotti, N.Roman, E.Avasilchioaie, D.Călin, L.Coman, A.Todor, N.Dodeanu, I.Langa, I.Olaru, S.Zeana and Gh.Milea, entre outros.

A década de 1960 foi um dos melhores períodos da história do futebol do clube. Em 1961, o Rapid chegou à final da Taça da Roménia, onde perdeu 1–2 contra o Arieșul Turda, uma equipa da Divizia C. Na temporada seguinte o Rapid, com uma equipa treinada por Ion Mihăilescu e composta por jogadores valiosos como: Ilie Greavu, Ion Motroc, Dumitru Macri, Titus Ozon, Ion Ionescu ou Teofil Codreanu, entre outros, eliminaram um por um: CSM Mediaș, Laminorul Roman, Metalul Târgoviște e Progresul București, mas sofreram uma derrota dramática na final por 1 a 5 contra o Steaua Bucareste, uma equipa do Steaua que seria reconhecido ao longo dos anos como a geração de ouro do clube.

Na maioria dessas temporadas, a equipa se classifica na metade superior do campeonato, ocupando sucessivamente os seguintes lugares: 1960–61 - 3º, 1961–62 - 5º e 1962–63 - 8º. Seguiram-se três temporadas muito boas para a equipa sob a Ponte Grant (Podul Grant), que terminou em segundo, três anos consecutivos: 1963-64 (7 pontos atrás do Dínamo Bucareste), 1964-65 (1 ponto atrás do Dínamo Bucarest) e 1965-66 ( 6 pontos atrás de Petrolul Ploiești). Foram óptimas temporadas, no entanto, terminaram logo atrás de seus rivais, Dínamo e Petrolul, facto que motivou "os Ferroviários", que obtiveram, no final da temporada de 1966–67, a melhor performance da história do clube até então, o primeiro título da Divizia A, a primeira coroa de campeões que chegou a Giulești. Este desempenho foi obtido pela seguinte equipa: Răducanu Necula, Marin Andrei - Dan Coe, Nicolae Lupescu, Ion Motroc, Ilie Greavu, Constantin Jamaischi - Constantin Dinu-Buric, Nicolae Georgescu, Constantin Năsturescu, Teofil Codreanu, Iioron Kraus - Ionon Kraus - Emil Dumitriu, Alexandru Neagu; Treinadores: Valentin Stănescu e Victor Stănculescu. Naquela temporada, o título foi conquistado com uma vantagem de dois pontos sobre o Dínamo Bucareste e o marcador da equipa foi Ion Ionescu, com 15 golos.[10] Na Taça dos Clubes Campeões Europeus de 1967–68 o Rapid eliminou o campeão búlgaro, Botev Plovdiv, na primeira eliminatória, mas não conseguiu passar a Juventus, por 0 a 1 na soma das 2 mãos.

Após esse primeiro sucesso, nas quatro temporadas seguintes, o clube ocupou, com excepção da temporada de 1967–68 (quando chegou à final da Taça da Roménia, que foi perdida na frente do Dínamo com 1–3 após prolongamento) posições no pódio do campeonato: 1968-69 - 3º e 1969-70 - 2º.

Tempos difíceis, Divizia B no horizonte (1970–1990)Editar

 
Ilie Greavu, jogador do Rapid até 1971, também ficou em segundo lugar na tabela de jogos com 294.

O Rapid fez uma última temporada forte, 1970-71, terminando no 2º lugar, depois do qual começou a deslizar para a metade inferior da tabela da liga: 1971-72 - 10º e 1972-73 - 14º. Apesar dessas performances menos notáveis, em 1972, o Rapid chegou à final da Taça da Roménia sob o comando do técnico Bazil Marian, ex-jogador da equipa dos anos 50, e venceu por 2-0 contra Jiul Petroșani, golos marcados por Stelian Marin (3º minuto) e Alexandru Neagu (27º minuto).[11] Na Taça UEFA de 1971–72, o Rapid teve resultados importantes, eliminando o Nápoles e o Legia Varsóvia antes de ser parado pelo Tottenham Hotspur, por 0 a 5 no total. A Taça dos Vencedores das Taças de 1972–73 foi outra boa campanha europeia e, depois de um 3-1 contra o Landskrona BoIS da Suécia e um 4-2 contra o Rapid Wien, time que inspirou tanto o lado romeno no passado, Rapid foi eliminado novamente por um time inglês, desta vez o Leeds United, por 1 a 8 no total.

No final da temporada 1973-74, "the White and Burgundies" terminou em 16º, com o mesmo número de pontos de Jiul Petroșani, mas desta vez o clube do Vale do Jiu teria vencido por causa de uma melhor diferença de gols, e Rapid surpreendeu pela terceira vez em sua história, aos 7 anos de seu primeiro título nacional, provando mais uma vez que é uma equipe cheia de surpresas e contrastes. O time fez uma temporada forte e promoveu depois de apenas um ano passado na segunda liga, depois de terminar em 1º na 2ª série, a 6 pontos do 2º lugar, ocupado pelo Progresul București. [9] "The Railwaymen" parecia querer convencer a todos que o rebaixamento não passava de um erro lamentável e também venceu a Copa da Romênia na mesma temporada, na posição de uma equipe do segundo escalão. A campanha da Cupa României entre 1974 e 1975 foi incrível, o Rapid avançou rodada a rodada e eliminou equipes fortes como: Dinamo București (2–1), Jiul Petroșani (1-0), Ceahlăul Piatra Neamț (1-0) e Steaua Bucureşti (1–1, 6–5 nos pênaltis). Na final, eles encontraram a Universitatea Craiova, campeã da Divisão A e também um clube que teve sua primeira geração de ouro (conhecida como "O Campeão de um Grande Amor"), liderada em campo por sua lenda, Ion Oblemenco. O Rapid venceu por 2 a 1, após o prolongamento, gols de Nicolae Manea, pois Craiova marcou Ion Oblemenco.


Equipe do Rapid București na temporada 1974-75, na qual eles promoveram na primeira liga e também venceram a Copa da Romênia. De volta à Divizia A, Rapid fez duas temporadas medíocres: 1975-76 - 14 e 1976-77 - 16, relegando novamente, exatamente 10 anos após o momento em que foram coroados campeões da Romênia. Depois que o rebaixamento começou, um dos períodos mais sombrios da história do clube sob a ponte Grant, com 6 temporadas consecutivas na divisão B: 1977-78 - 4o, 1978-79 - 6o, 1979-80 - 2o, 1980-81 - 3o , 1981–82 - 2 e 1982–83 - 1º, período que levou a uma feroz rivalidade com Petrolul Ploiești e Progresul București. Em uma partida contra o Progresul, disputada em 1980, também foi estabelecido o recorde de presença em uma partida do Divizia B, com mais de 50.000 espectadores. [12] O retorno à primeira divisão foi o mérito dos treinadores Valentin Stănescu (que também conquistou o primeiro título em 1967) e Viorel Kraus; o grupo de jogadores constituído por: Íon Gabriel, Manu, Popescu, Paraschiv, Pirvu, Şişcă, Tiţă, Iancu, Cojocaru, Íon Íon, Manea, Ad. Dumitru, Petruţ, Ispas, C.Dumitriu, Avram, Damaschin, Marta, Lazăr, Koti, Săftoiu, A.Mincu e Petre Petre.

Retornado à primeira liga depois de um período bastante longo, o Rapid sentiu o choque de primeiro nível ocupando mais do que posições decepcionantes: 1984–85 - 11º, 1985–86 - 8º, 1986–87–14º, 1987–88 - 13º e 1988–89 - dia 17, relegando novamente para a Divisão B, pela quinta vez. Nestas cinco temporadas, "os Ferroviários" registrou outras duas contra-performances, a maior derrota na história do clube, 0 a 9 contra Corvinul Hunedoara (14 de agosto de 1985) e a partida com mais gols sofridos no Estádio Giulești, 2 a 8 contra Steaua București (3 de maio de 1989). [6] Esses desempenhos ruins foram aprimorados na temporada da Copa României de 1988 a 1989, quando "o branco e a borgonha" foram eliminados apenas nas meias-finais da competição pelo Steaua București, por 2 a 3, com um gol decisivo marcado no último minuto.

Giuleștenii fez uma boa temporada promovida sem grandes problemas da 2ª série da segunda liga, terminando em 1º com 22 vitórias, 5 empates, 7 derrotas, 61 gols marcados e 32 sofridos, 49 pontos, 4 a mais que o segundo lugar (Drobeta- Turnu Severin) e 11 a mais que o terceiro lugar (Unirea Alba Iulia). [9]



Se para os grandes clubes europeus a Taça Uefa é uma espécie de ‘prêmio de consolação’, para pequenas equipes de países tradicionais e grandes times do leste europeu, por exemplo, encontram na competição a oportunidade de obter reconhecimento mundial.

Na atual temporada, o Rapid deixou para trás equipes tradicionais como Feyenoord, logo na primeira fase eliminatória da competição. Na fase de grupos, a equipe romena se classificou à frente de adversários tradicionais como Shakhtar e VfB Stuttgart. Entretanto, o resultado mais expressivo veio na terceira fase, quando o Rapid eliminou o Hertha BSC Berlin, time comandado pelo meia atacante Marcelinho Paraíba. Sem dar chances ao time alemão, o Rapid venceu ambas as partidas e agora enfrenta o Hamburger SV, que na atual temporada impressiona pela solidez do sistema defensivo.

TitulosEditar

NacionaisEditar

(196667, 199899 e 2002–03)
  •   Campeonato Romeno - 2ª Divisão: 5
(1952, 1955, 1974-75, 198283, 1989-90 e 2015-16)
  •   Copa da Romênia: 13
(193435, 193637, 193738, 193839, 193940, 194041, 194142, 197172, 197475, 199798, 200102, 200506 e 200607)
  •   Supercopa da Romênia: 4
(1999, 2002, 2003 e 2007)

Campanhas de DestaqueEditar

EuropeiaEditar

  •   Taça dos Balkans
Campeões (2): 1963-64, 1965-66
Finalista (1): 1940

Ligações externasEditar

   Este artigo sobre clubes de futebol romenos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. «Deciziile Comitetului Executiv din 3 iulie 2019» [The Executive Committee's decisions on 3 July 2019] (em Romanian). Romanian Football Federation. 3 July 2019. Consultado em 4 July 2019. Fotbal Club R București SA changes its name to Fotbal Club Rapid 1923 SA.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  2. «Academia Rapid a cumpărat brandul Rapid!» [Academia Rapid bought Rapid brand!] (em Romanian). digisport.ro. Consultado em 12 June 2018  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  3. «A fost cumpărat brandul Rapid! Ce înseamnă pentru palmares și ce sumă s-a plătit la licitație: "Putem să ne numim Rapid"» [Has been bought the Rapid brand! What does it mean for the record and what amount was paid at the auction: "We can call ourselves Rapid"] (em Romanian). gsp.ro. Consultado em 12 June 2018  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  4. «Academia Rapid a cumparat brandul "Rapid"! Cat a costat intreaga "afacere"» [Academia Rapid bought the "Rapid" brand! How much cost the whole "business"] (em Romanian). sport.ro. Consultado em 12 June 2018  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  5. a b «Rămân doar amintirile " Cinci momente de aur din istoria Rapidului» [Only memories are left " Five golden moments from the history of Rapid]. Gazeta Sporturilor (em Romanian). 21 July 2016. Consultado em 5 April 2018  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  6. «Rapid, 93 de ani de poveste și un final trist " Cele mai importante borne din istoria alb-vișiniilor» [Rapid, 93 years of tales and a sad end " The most important moments of the Alb-vișiniii]. Gazeta Sporturilor (em Romanian). 21 July 2016. Consultado em 5 April 2018  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  7. a b c «Sezoane Liga I» [Liga I seasons] (em Romanian). romaniansoccer.ro. Consultado em 11 April 2018  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  8. Chirilă, Glasul roților de tren, p. 165, 167, 169
  9. «Sezoane Liga II» [Liga II seasons] (em Romanian). romaniansoccer.ro. Consultado em 11 April 2018  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  10. «Noi nu uităm! Rapid, campioană în 1967» [We do not forget! Rapid, champion in 1967] (em Romanian). 1923.ro. Consultado em 11 April 2018  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  11. Ionescu & Tudoran, Fotbal de la A la Z, p. 206