Abrir menu principal

Faustino Antônio Assumpção Filho (Abaeté, 1866-1956), mais conhecido como Coronel Tininho, foi um dos líderes da emancipação política de Bom Despacho. Em 1912, assumiu a presidência da Câmara Municipal e é considerado o primeiro prefeito da cidade.[1]

Índice

Origem FamiliarEditar

Filho do comerciante Faustino Antônio d'Assumpção e Anna Roza d'Assumpção, nasceu em 14 de fevereiro de 1866, na cidade de Abaeté.

VidaEditar

Cel. Tininho estudou em sua cidade natal e em Bom Despacho. Casou-se por três vezes. O primeiro casamento foi com Juventina França, com que teve Vicente Assumpção, seu primogênito. Seu segundo matrimônio foi com Maria Cardoso Lopez, com quem teve, Ana Cardoso Assumpção, Zilda Assumpção. O terceiro e último casamento do Cel. Tininho foi com Anna Theodora de Mesquita Costa, com que teve mais seis filhos. Era proprietário de comércio, herdou de seu pai o primeiro estabelecimento comercial da cidade, a Casa Assumpção, famosa por vender um pouco de tudo. Faustino também era dono de uma fazenda na região. Juntamente com seu irmão, vendeu a loja para dois sobrinhos. Segundo relatos, Cel.Tininho foi um homem trabalhador e grande líder da emancipação de Bom Despacho. Participou da criação das Obras Vicentinas e da Irmandade e do Hospital da Santa Casa. Era Coronel-Comandante da 83ª Brigada de Cavalaria da Guarda Nacional, instituição imperial que auxiliava o exército em tempos de guerra e preservava a manutenção da ordem no interior do país. Por isso Faustino era conhecido como Coronel.[2]. Incentivado pelo famoso Padre Nicolau, vigário da Paróquia, Faustino Antônio Assumpção Filho enfrentou três dias de viagem para chegar a capital de Minas, onde permaneceu por quase um mês a atormentar políticos e governantes pela independência de Bom Despacho. Regressou triunfante a mais nova cidade que, a partir de uma lei editada pelo governo estadual, tornava-se autônoma.

MandatoEditar

Após a emancipação da cidade, Faustino Assumpção foi eleito presidente da Câmara Municipal, cargo que ocupou de 1912 a 1915.[3] Nesta época o Presidente da Câmara exercia função de administrador, como um Prefeito, uma vez que este cargo só foi criado com a Constituição de 1946. No entanto, o Cel. Tininho já tinha uma trajetória política na Câmara de Santo Antônio do Monte, onde atuou como vereador desde o final do século XIX.[4] Nesta, ele conseguiu reivindicar variadas melhorias para o arraial de Bom Despacho. Durante seu governo, realizou algumas obras na cidade, entre elas: a abertura da Avenida São Vicente, a construção do primeiro sistema de captação de água e instalação de chafarizes em alguns locais do município, como no Largo do São Pedro, atual Praça Altino Teodoro. Cel. Tininho também iniciou a edificação do Paço Municipal, onde hoje localiza-se o Fórum Hudson Gouthier. Aprovou várias leis elaboradas nesse período inicial da cidade emancipada, entre elas, a Lei n. 7 que o autorizou a contrair empréstimos para a construção dos prédios da Câmara Municipal e do Grupo Escolar. Em 1914, solicitou ao Estado a solução dos problemas de água, esgoto e luz elétrica. Em 1920, Faustino Assumpção mudou-se para Belo Horizonte, onde foi um dos fundadores e também tesoureiro do Banco Comércio e Indústria de Minas Gerais. Foi ainda membro do Conselho Fiscal da Companhia Industrial de Belo Horizonte e da Companhia de Seguros Minas Brasil. Desde de então, o famoso Cel. Tininho viveu na capital até a data de seu falecimento, em 1956.

Premiações e honrariasEditar

Bom Despacho tem uma rua denominada Cel. Tininho, em homenagem ao homem que esteve a frente da emancipação política da cidade.

Referências

  1. http://www.ibom.com.br/exibeNoticias.php?id=1195/
  2. RESENDE, Fernando Humberto de. Bom Despacho 300 anos: homens que a construíram, tomo I. São Paulo: Scortecci, 2018.
  3. http://www.camarabd.mg.gov.br/portal/galeria-presidentes/
  4. http://www.ibom.com.br/exibeNoticias.php?id=3687