Filosofia do século XX

filosofia contemporânea

A filosofia do século XX trouxe uma série de desenvolvimentos teóricos contrários em relação ao que se refere à validade do conhecimento através de conceitos e abstrações absolutas, isto é, afirmações universais ou leis gerais. As certezas decorrentes do pensamento clássico foram derrubadas, embora permaneçam como problemas sociais, econômicos e científicos, juntamente com formas novas de conflito e reivindicações concernentes à organização geopolítica e epistêmica do sistema-mundo contemporâneo. O que é a lógica e o que é a ética? São novas perguntas que existem a partir da filosofia do século XX.

Entretanto, essa filosofia era demasiado diferente para que se possa fixar um padrão que não seja uma série de tentativas de reformar, preservar ou alterar os limites antes concebidos. As formas e caminhos para estes empreendimentos são diversos e distintos. Contudo, suponhamos que seja essencial uma unidade de sentido, diríamos que estas filosofias contestam princípios da ciência moderna (aproximadamente do século XVI ao século XX).

Novos estudos na filosofia da ciência, filosofia da matemática e epistemologia acrescentaram, aparentemente, tendências antagônicas na contabilidade da consciência e seus objetos, como expresso nas profundas diferenças entre filosofia analítica e filosofia continental, as quais tiveram lugar em fundações, no início do século. Os avanços na relatividade, na física quântica, na física nuclear e nas ciências generativas, como a ciência cognitiva, cibernética, genética e linguística gerativa, e na rica produção literária, artística, como no cinema e na música, foi uma forma enriquecedora de propagar o pensamento filosófico.

A filosofia do século XX trouxe uma série de desenvolvimentos contraditórios em cima da base de conhecimento e a validez de variações absolutas. Com o pensamento clássico, certezas foram derrubadas, e problemas sociais, econômicos, científicos, formas novas do que é a lógica e a ética, a filosofia do século XX era diferentemente fixa para uma série de tentativas de reformar, preservar, alterar os limites antes concebidos.

Escolas filosóficasEditar

Principais filósofos do século XXEditar

Listados em ordem alfabética

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

FontesEditar

Referências

  1. Metzler-Philosophie-Lexikon: Begriffe un Definitionen/Hrsg. Von Peter Prechtl und Franz-Peter-Burkard. 2. Aufl., Stuttgart; Weimar: Metzler, 1999.
  2. «Deconstruction». Encyclopedia Britannica (em inglês) 
  3. J. L. y T., Abellán y Mallo (1991). La Escuela de Madrid. Un ensayo (em espanhol). [S.l.]: Asamblea de Madrid. p. 47 
  4. Lings & Minnaar 2007, p. xii.
  5. Blackburn, Simon (2008). Oxford Dictionary of Philosophy, second edition revised. Oxford: Oxford University Press, ISBN 978-0-19-954143-0
  6. WILLIAWS, James. Pós-estruturalismo. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013
  7. John Macquarrie, Existentialism, New York (1972), pages 14–15.
  8. SANTOS, Jose Henrique. O trabalho do negativo: ensaios sobre a Fenomenologia do espírito. São Paulo: Edições Loyola, c2007. 356p. ISBN 9788515034512(broch.).
  9. See, e.g., Avrum Stroll, Twentieth-Century Analytic Philosophy (Columbia University Press, 2000), p. 5: "[I]t is difficult to give a precise definition of 'analytic philosophy' since it is not so much a specific doctrine as a loose concatenation of approaches to problems." Also, see Stroll (2000), p. 7: "I think Sluga is right in saying 'it may be hopeless to try to determine the essence of analytic philosophy.' Nearly every proposed definition has been challenged by some scholar. [...] [W]e are dealing with a family resemblance concept."
  10. LEITER, Brian & ROSEN, Michael, The Oxford Handbook of Continental Philosophy. Oxford University Press, 2007.
  11. Bouckaert, Bertrand (1995). «Alfred North Whitehead, Procès et réalité. Essai de cosmologie. Traduit de l'anglais par D. Charles, M. Elie, M. Fuchs, J.-L. Gautero, D. Janicaud, R. Sasso, A. Villani». persee.fr. Revue Philosophique de Louvain (em francês). 93 
  12. Duignan, Brian. «postmodernism (philosophy) (Encyclopædia Britannica)». Encyclopædia Britannica 
  13. Althusser, L. (1971). Lenin and Philosophy. In Lenin and Philosophy and Other Essays. NY: Monthly Review Press.
  14. Chan 2002, p. 460
  15. Perrier, Joseph Louis. The Revival of Scholastic Philosophy in the Nineteenth Century, Chapter VIII: "Forerunners of the Neo-Scholastic Revival".
  16. (em italiano) Enciclopedia Treccani: Baillie, James Black
  17. Beyond Realism and Antirealism: John Dewey and the Neopragmatists
  18. Badhwar & Long 2012
  19. Michael Friedman, Reconsidering Logical Positivism Arquivado em 2014-02-01 no Wayback Machine. (New York: Cambridge University Press, 1999), p. xiv Arquivado em 2016-06-28 no Wayback Machine..
  20. Outhwaite, William. 1988. Habermas: Key Contemporary Thinkers 2nd Edition (2009), pp. 5-8 (ISBN 978-0-7456-4328-1)
  Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.