Finta (desporto)

A finta(português europeu) ou revienga(português angolano) é um acto simulado e enganador, praticado no âmbito dos mais variados desportos, por meio do qual um jogador sugere ao adversário uma determinada intenção, de maneira a despoletar nele uma reacção previsível e equivocada, da qual se possa tirar proveito.[1][2]

Se o adversário se deixar enganar pela finta, dá oportunidade ao fintador para o apanhar de surpresa.[3] As fintas mais comuns passam por insinuar ao adversário que se vai enveredar numa direcção, de maneira a convencê-lo a encaminhar-se nesse sentido, para depois, de repente, guinar numa direcção diferente, esquivando-se do adversário.[4] Outro tipo de fintas é aquele que dá a entender ao adversário que se vai fazer certo tipo de ataque ou investida, de maneira a suscitar no adversário a necessidade de assumir determinada pose defensiva correspondente e assim que o fizer, desferir sobre ele um ataque para o qual não está preparado para se conseguir defender.[5]

As fintas só surtem efeito se conseguirem ludibriar o adversário e, para que isso aconteça, é necessário que sejam convincentes e que sejam inesperadas. Se não for possível apanhar de surpresa o adversário, a finta gora-se.[6][7]

EtimologiaEditar

O substantivo finta chega ao português por via do italiano «finta» (lit. «simulação», do latim ficta, particípio passado feminino do verbo «fingere», que significa «fingir, representar, inventar»).[8][9]

O substantivo revienga, por seu turno, entra no português por via do quimbundo, com étimo em «nviem», que significa "pirueta" ou "volteio súbito das aves no ar".[10] [11]

Mecânica das fintasEditar

As fintas são uma das possibilidades tácticas dos desportos. Dadas as limitações naturais da capacidade de processamento de informação do ser humano, a finta aproveita-se dessas limitações, dando a entender ao adversário que se vai fazer uma coisa, quando, na verdade, se vai fazer outra. Este tipo de manobra táctica aperfeiçoa-se pelo treino e pela prática.[12][13]

Ao arrepio disto, o tempo de reacção de discriminação de quem é alvo de uma finta, também pode ser melhorado, através de treino situacional.[14]

Aspecto neurofisiológicoEditar

De acordo com Schmidt e Wrisberg, na sua obra «Aprendizagem e performance motora», a análise neurofisiológica que perpassa os desportistas, durante a execução de uma finta, assenta numa sobrecarga dos poderes de reacção e decisão humanos, que recebem a solicitação de dois estímulos diferentes e contraditórios, num espaço de tempo muito curto, que exigem uma resposta rápida.[15]

Nas circunstâncias em que dois estímulos são apresentados inesperadamente e muito próximos um do outro, dentro do mesmo espaço de tempo, o encéfalo do defensor capta o primeiro estímulo e começa logo já a selecionar e gerar uma resposta para ele. No entanto, quase logo de seguida, quando o segundo estímulo é apresentado, o encéfalo já está a processar o primeiro estímulo, pelo que ocorre uma interferência com o segundo par de estímulo e resposta. Esse atraso do tempo de reacção é mais longo, quando o estímulo e resposta são muito curtos (cerca de 50 a 60 milissegundos), no entanto, se o estímulo demorar menos de 40 milissegundos, o encéfalo já consegue responder aos dois estímulos em simultâneo, como se fossem um só.[16] [17]

O tempo de reacção para se tomar a decisão é mais moroso porque a latência do processamento mental é, por sua vez, mais demorada, aplicando-se neste ensejo a chamada Lei de Hick.[7] Nos conformes da Lei de Hick, o tempo de reacção aumenta logaritmicamente à medida que aumenta a quantidade de estímulo e resposta. Assim sendo, a título de exemplo, se houver dois ou três estímulos de ataque quase concomitantes, o tempo de reacção do defensor retarda-se, à custa da quantidade assoberbante de opções de escolha com que esse atleta se vê confrontado e às quais tem de dar uma correspondente resposta (mesmo que essa resposta seja a inação). O tempo de reacção de escolha não ocorre apenas na finta do futebol, acontece durante as mais diversas jogadas em desportos colectivos, desportos de combate, nos desportos de viação, entre outras modalidades.[16]

Na pendência do tempo de reacção usado para discriminar e discernir, qual é actuação a adoptar, o atleta é bombardeado com a solicitação de vários estímulos, que pedem uma resposta motora correspondente.[18]

DesportosEditar

Nas artes marciaisEditar

EsgrimaEditar

 
Esgrimista grego desfere uma flecha sobre o adversário.

Numa análise mais simplista e superficial da esgrima, a finta é um golpe simulado que obriga o adversário a aparar com a arma de um lado, enquanto se ataca pelo outro, que ficou desprotegido.[19][20]

Porém, esta análise não é rigorosa. Isto porque não há só fintas ofensivas, como aquela que se descreve supra, na esgrima, também as há de cariz defensivo e meramente táctico.[21] As fintas, na esgrima, são um recurso técnico de grande importância e versatilidade e nem todas visam necessariamente conseguir enganar o adversário de modo a que aquele deixe o flanco desprotegido e à mercê de uma estocada súbita. Há fintas que visam desequilibrar o adversário; ganhar espaço sobre o adversário; desmoralizar ou desconcentrar o adversário, etc. [19]

Assim, deste modo, a definição mais completa de «finta» abarca todo e qualquer movimento técnico que é interrompido de repente para, logo de imediato, se praticar outro movimento diferente do inicial, a fim de enganar o adversário. Ou seja, consiste em começar a fazer determinado movimento ou dar a entender que se vai realizar certo movimento (atacar, aparar, deslocar-se, etc.), para sondar qual é a reacção do adversário e, a partir dela, mudar repentina e imprevisivelmente para um movimento diferente, por molde a apanhar de surpresa o adversário.[22]

Para que as fintas surtam efeito, é necessário ter presente a máxima de que "toda a acção desperta uma igual e equivalente reacção". Atento este entendimento, o esgrimista deve tentar manipular as reacções do adversário, da maneira que lhe for mais vantajosa, ora fingindo ataques, contra-ataques, aparos e retiradas simuladas.[21]

É indispensável, portanto, que as fintas sejam críveis e convincentes, o esgrimista tem de ter um bom domínio da sua linguagem corporal, de forma a conseguir fingir ou representar movimentos que o adversário seja capaz de interpretar no sentido pretendido.[22]

Alguns movimentos de esgrima que pressupõem o uso de fintas são:

  1. Ataque composto - que se traduz num ataque que inclui uma ou várias fintas ofensivas.[20][23]
  2. Flecha - que se trata de uma investida curta e rápida sobre o adversário, a fim de o surpreender. Consiste num salto explosivo contra o adversário, sucedido de um precipitar do corpo para a frente, em que o braço, esticado para diante, acompanha o movimento do corpo. Esta finta só é eficaz se apanhar o adversário de surpresa. Normalmente, antecede um ataque súbito, sendo considerada um tipo de deslocamento.[24]
  3. Finta no Tempo ou "contra-ataque composto" - o esgrimista finge que vai dar um riposte, isto é, que vai contra-atacar o adversário, obrigando-o a reagir e preparar-se para aparar o golpe. Assim que o adversário se posicionar para aparar o riposte de um dos lados do corpo, o esgrimista fintador desfere um riposte pelo lado oposto, que ficou desprotegido.[25] Este tipo de finta é típico da tradição esgrimista italiana e é conhecido internacionalmente pela locução italiana «finta in tempo».[26]

PugilismoEditar

A finta no pugilismo é tida, em geral, como sendo um golpe ou movimento enganador, que se pratica na pendência dos assaltos do combate. Grosso modo, tudo aquilo que o pugilista faça com o intuito de ludibriar o oponente durante o assalto é considerado uma finta.[27]

As prerrogativas no boxe são simples: o atacante visa atingir o oponente com as mãos e o defensor visa defender-se desses golpes, ora bloqueando, ora contra-atacando, servindo-se, por seu turno, das mãos e dos braços. A finta resume-se numa subversão desta lógica. O atacante finge que vai atacar, mas não ataca. O defensor prepara-se para se defender e bloquear o soco, por reflexo, e quando se apercebe que o ataque era falso, baixa a guarda. Assim que este baixar a guarda, o atacante desfere um segundo golpe, desta vez verdadeiro.[28][29]

Exemplos de fintas[30]:

  • Quando se simula um murro, mas não se chega a esmurrar o adversário;
  • Quando se finge que se pretende atingir o corpo, quando, na verdade, se pretende acertar na cabeça do oponente;
  • Quando se esboça a intenção de se movimentar numa direcção, mas depois, num repente, se guina na direcção contrária. É neste contexto que se insere o chamado «jogo-de-pés», que nas suas formas mais elaboradas é amiúde denominado de "ginga";

Efeito psicológicoEditar

A finta pode ser usada para incutir no oponente um efeito desmoralizante ou amedrontador, na medida em que torna o combate imprevisível para o adversário, que deixa de ser capaz de discernir os golpes verdadeiros dos golpes simulados e, por conseguinte, deixa de ter o à-vontade necessário para poder, por seu turno, atacar e progredir no ringue.[27]

Um pugilista que assuma uma posição mais reservada, estática e defensiva durante demasiado tempo, porque acha que pode ser socado à traição a qualquer momento, é mais fácil de ser dominado no combate pelo respectivo oponente, do que um adversário que adopte uma postura mais dinâmica e activa.[27][29]

Categorias de fintaEditar

No pugilismo encontram-se duas categorias de finta:

  • A «finta programada»: Este movimento consiste em simular um primeiro ataque (um soco) a fim de dissimular um segundo golpe, que deve atingir o alvo. Portanto, trata-se de um par indissociável de golpes, de concretização rápida: um primeiro (o falso) que tem o intuito de despistar o adversário; e um segundo (o verdadeiro) que o atinge de surpresa, no lado que ficar desprotegido. Certas escolas de boxe ensinam diferentes tipos de finta-padrão (a mais famosa das quais, será talvez o par «um-dois»);[28]
  • A «finta adaptativa»: Nesta segunda manobra, depois de simular o primeiro golpe, o fintador sonda a postura do adversário, a fim de encontrar um ponto que tenha ficado a descoberto. Nestes casos, ao contrário do que sucede na finta programada, o fintador não sabe de antemão para onde vai dirigir o segundo soco. Tem, por isso, de se "adaptar" (daí o nome) às circunstâncias concretas do combate, para descobrir o flanco desprotegido na postura defensiva do adversário;[31]

Há pugilistas que apostam mais nas fintas adaptativas, por sinal, mais versáteis e menos convencionais, desenvolvendo o seu estilo de combate em torno deste tipo de actuação mais dinâmica e repentista. Costuma-se crismar este estilo de pugilismo e pugilistas de "oportunistas", exactamente, porque o seu modo de luta se concentra na procura das melhores oportunidades para desferir os golpes.[32]

Há diferentes formas de fintas: fintas de corpo, jogos-de-pés, fintas de golpes, etc.[30]

Exemplo de finta no boxe[33]:
1.   ⇒ 2.  
1. (A) mostra um falso ataque (simulacro), dirigido à cara do oponente, por forma a fazê-lo reagir, em retirada
2. … e encadeia uma cotovelada, do mesmo braço, sobre o oponente, assim que ele se esquiva.

KendoEditar

Sendo certo que os objectivos do kendo não passam, tradicionalmente, por ficcionar ataques, é possível realizar-se fintas em combates. [34]

Quando se desfere um seme, que parece esboçar um ataque à parte superior do corpo (um tsuki ou um men), pode-se, se o adversário tiver descurado a defesa da parte inferior do corpo, converter o seme num kote ou do, atingindo as partes desprotegidas. Isto vale vice-versa, se, ao esboçar um seme, o kendoista der a entender que o golpe se vai convolar num kote ou num do e o defensor descurar a defesa do parte superior do corpo, o atacante pode desferir um tsuki ou men à parte desprotegida.[35]

É indispensável que as fintas sejam rápidas e convincentes, porém, se forem demasiado rápidas e não derem ansa ao adversário para poder reagir, saem naturalmente goradas, porque não se proporciona uma abertura na postura defensiva do adversário que se possa explorar. [35]

BudôEditar

No Budô ( caraté , aikido, etc.) as técnicas dissimulatórias dão pela nomenclatura de Kensei-Waza.[36]

Desportos com bolaEditar

FutebolEditar

No futebol, as fintas visam desestabilizar o adversário, obrigando-o cometer erros técnicos que o façam falhar as suas tentativas de ganhar a posse de bola.[7] Tal como noutros desportos, as fintas do futebol prendem-se na mecânica clássica de dar a entender ao adversário que se pretende fazer um determinado acto, seja ele dirigir-se numa direcção, rematar, fazer um passe, etc., de maneira a obrigá-lo a reagir de uma determinada maneira, para depois, de repente, fazer uma coisa inesperada e diferente daquela com que se estava a contar.[37][2]

Exemplos de fintas, que visam despistar o adversário, quanto à direcção que se pretende tomar, incluem[38][39][40][41][42]:

  1. a pedalada, muito utilizada por jogadores como Ronaldinho e Cristiano Ronaldo;
  2. o elástico usado por Ronaldo, Ronaldinho e Cristiano Ronaldo;
  3. a roleta usada por Zidane e Diego Maradona;
  4. a lambreta usada por Neymar; entre outras fintas

As circunstâncias mais propensas à finta costumam ser as ofensivas, mormente quando o jogador se encontra posicionado de feição para poder rematar, mas opta antes por fingir um remate, ante o defesa, que avança sobre si, de maneira a fazê-lo recuar no terreno[5]. Deste modo, o jogador consegue contornar o defesa e rematar de ainda mais perto. Este tipo de finta também pode ser usada no guarda-redes, numa situação de frente-a-frente: um exemplo paradigmático disto foi o «Golo do século» marcado por Diego Maradona, no ensejo do qual, depois de já ter percorrido metade do campo, torneando inúmeros adversários, defrontou o guarda-redes Peter Shilton, tendo-o fintado, mesmo antes de rematar.[43]

RugbyEditar

No râguebi, as fintas são usadas sensivelmente da mesma maneira, se bem que se circunscrevem a um só jogador, que vai na cabeceira da formação, e que leva os jogadores adversários a acreditar que vai passar ou pontapear a bola, quando, na verdade, tenciona conservá-la em seu poder. [44]

Este tipo de fintas tem o efeito de levar os defesas a enxamear o suposto receptor do passe falso, desafogando o fintador, que fica com o caminho livre para progredir no campo. Tommy Haslam foi um dos jogadores de râguebi mais famosamente associado a este tipo de manobras. Haslam jogou pelos «Batley Bulldogs» e foi um dos membros da selecção dos British Isles Lions de 1888.[45]

VóleibolEditar

No vóleibol, as fintas consistem num toque dado à bola, passando, de feição a enganar o adversário, para que julgue que na verdade se ia realizar um ataque. Também pode passar poder dar a entender ao central que se vai fazer um ataque ao pé da rede, quando na verdade, se tem em vista mandar a bola à linha dos 3 metros.[16]

Ao realizar uma finta, o jogador está a esboçar a execução de um movimento, ao qual o adversário vai responder, reagindo. Depois de já ter reagido, o jogador corrige o seu movimento, com uma mudança de trajectória, que obriga o adversário a despender mais tempo, tanto a aperceber-se do seu erro, como a corrigir o movimento reactivo inicial. Consequentemente, o adversário, agora de sobreaviso, vai ter de gastar este período de correcção a ajustar o seu centro de massa para que possa exercer força na direcção para a qual vai, realmente, a bola.[46]

No fundo, a finta funciona como uma gestão do tempos de acção e reacção disponível. O jogador que finte tem de ser capaz de equacionar se consegue fintar o adversário, de maneira a que aquele não tenha tempo suficiente para corrigir a sua posição e interceptar a bola.[46]

Referências

  1. Guarino, Manoel (2017). Manual do Tecnico Desportivo. Goiânia: Ícone; Esportes e Lazer edition. 144 páginas. ISBN 8527403943 
  2. a b Garganta, J. (2004). Futebol de muitas cores e sabores: Reflexões em torno do desporto mais popular do mundo. Porto: Campo de Letras. pp. 239 – 446. ISBN 9789726108627 
  3. Viana Cruz, J. M. (1996). O Treino de Competências Psicológicas e a Preparação Mental para a Competição. (PDF). Braga: SHO- Sistemas Humanos e Organizacionais. 32 páginas 
  4. Santana Pontes, Edgar António (2014). O Desporto em África - Para uma Geoestratégia do Desporto Angolano (PDF). Lisboa: Universidade de Lisboa - Faculdade de Motricidade Humana. 56 páginas 
  5. a b Tani, Go (2004). A arte e a ciência da finta. Porto: Campo das Letras. 205 páginas. ISBN 9789726108627 
  6. Greco, J.P. (1999). Cognição e acção. Novos conceitos em treinamento esportivo. Brasília: CENESP-UFMG e INDD. 271 páginas 
  7. a b c Tani, Go (2004). A arte e a ciência da finta. Porto: Campo das Letras. 205 páginas. ISBN 9789726108627 
  8. S.A, Priberam Informática. «Consulte o significado / definição de finta no Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, o dicionário online de português contemporâneo.». dicionario.priberam.org. Consultado em 26 de dezembro de 2020 
  9. «Dicionário Online - Dicionário Caldas Aulete - Significado de finta». aulete.com.br. Consultado em 26 de dezembro de 2020 
  10. Infopédia. «revienga | Definição ou significado de revienga no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 26 de dezembro de 2020 
  11. S.A, Priberam Informática. «Consulte o significado / definição de revienga no Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, o dicionário online de português contemporâneo.». dicionario.priberam.org. Consultado em 26 de dezembro de 2020 
  12. Hagedorn, Günter (1996). Täuschung (Finten). In Günter Hagedorn (Hrsg.): Das Basketball-Handbuch. Offizielles Lehrbuch des Deutschen Basketball-Bundes. Reinbek bei Hamburg: Rowohlt. p. 187. 544 páginas. ISBN 3-499-19427-9 
  13. Cruz, José Afonso (1996). Manual de Psicologia do Desporto (PDF). Braga: SHO- Sistemas Humanos e Organizacionais. pp. 533 – 565. ISBN 972-96044-3-6 
  14. Zakharov, A (1992). Ciência do treino desportivo. Rio de Janeiro: Grupo Palestra Sport. pp. 141–149 
  15. Schmidt, A. (2011). Aprendizagem e performance motora. Porto Alegre: Artmed. pp. 70–3. ISBN 9788582712955 
  16. a b c Kautzner Marques Junior, Nelson (2011). Tempo de reação no esporte. Buenos Aires: EFDeportes. p. 6 
  17. Schmidt, A. (2011). Aprendizagem e performance motora. Porto Alegre: Artmed. pp. 134–6. ISBN 9788582712955 
  18. Teixeira, L. (2006). Controle motor. São Paulo: Manole. pp. 13–18 
  19. a b «Federação Portuguesa de Esgrima | História». Consultado em 27 de dezembro de 2020 
  20. a b «Glosario general de esgrima». TouchéWorld (em espanhol). 28 de maio de 2018. Consultado em 27 de dezembro de 2020 
  21. a b «Dicionário Olímpico». Dicionário Olímpico -. Consultado em 27 de dezembro de 2020 
  22. a b «FINTAS - Esgrima». sites.google.com. Consultado em 27 de dezembro de 2020 
  23. «GLOSSÁRIO DE ESGRIMA :: Esportesmais». esportesmais.webnode.com.br. Consultado em 27 de dezembro de 2020 
  24. «Dicionário Olímpico». Dicionário Olímpico -. Consultado em 27 de dezembro de 2020 
  25. «GLOSSÁRIO DE ESGRIMA :: Esportesmais». esportesmais.webnode.com.br. Consultado em 27 de dezembro de 2020 
  26. «Finta in tempo - definition - Encyclo». www.encyclo.co.uk. Consultado em 27 de dezembro de 2020 
  27. a b c «How To Feint In Boxing – Law Of The Fist» (em inglês). Consultado em 27 de dezembro de 2020 
  28. a b Blanchet, G. (1947). Boxe et sports de combat en éducation physique. Paris: Chiron. 172 páginas 
  29. a b «Die Finten im Boxen. Eine Untersuchung am Beispiel der Olympischen Spiele Sydney 2000 – eDiss». webcache.googleusercontent.com. Consultado em 27 de dezembro de 2020 
  30. a b «L'ABC DE LA BOXE PROFESSIONNELLE». Netboxe.com (em francês). Consultado em 27 de dezembro de 2020 
  31. Lerda, Louis (1947). Sachons boxer: technique de la boxe moderne. Paris: Vigot. 219 páginas 
  32. Petit, M. (1972). Boxe:technique et entraînement. Paris: Amphora. p. 56 
  33. Plasait, B (1971). Défense et illustration de la Boxe Française. Paris: Éditions Sedirep. p. 24 
  34. «Feints in kendo». Kendo-Guide.Com. Consultado em 27 de dezembro de 2020 
  35. a b «Tactics in Kendo | BKA» (em inglês). Consultado em 27 de dezembro de 2020 
  36. «Finten». www.budopoint.de. Consultado em 27 de dezembro de 2020 
  37. «Финт». www.legion-russian.ru. Consultado em 27 de dezembro de 2020 
  38. "Ronaldo was simply a phenomenon". Sports Illustrated. 2 de Junho de 2014
  39. "World Cup: 25 stunning moments … No25: the Cruyff Turn is born in 1974". The Guardian 11 de Junho de 2014
  40. David Goldblatt (2009). "The Football Book". p. 129. D Kindersley Ltd
  41. Lowe, Sid (2013). Fear and Loathing in La Liga: The True Story of Barcelona and Real Madrid. [S.l.]: Random House. p. 288 
  42. "Luis Suarez dummying twice, prior to each of Lionel Messi's goals during Barcelona's win against Tottenham Hotspurs at Wembley." The Guardian. 6 de Outubro de 2018.
  43. "Top 10 World Cup goals". The Telegraph. 19 de Agosto de 2014
  44. Pombo, Diogo. «Está aí o Mundial de râguebi. Como se joga isto?». Observador. Consultado em 27 de dezembro de 2020 
  45. Griffiths, John (1990). British Lions. Swindon: Crowood Press. p. 14. ISBN 1-85223-541-1 
  46. a b Sturat Moldrem, Jeff Lucas (2001). RECEPCIÓN, COLOCACIÓN Y ATAQUE EN EL VOLEIBOL. Barcelona: Paidotribo. 418 páginas. ISBN 8480194952