Abrir menu principal
Força Aérea do Irã
Seal of the Islamic Republic of Iran Air Force.svg
País  Irão
Corporação Força Aérea
Subordinação Forças Armadas do Irã
Sigla IRIAF
Criação 1925
História
Guerras/batalhas Guerra Irã-Iraque
Logística
Efetivo 52 000 militares
741[1] aeronaves
Insígnias
Cocar Roundel of Iran.svg
Comando
General de brigada Hassan Shah-Safi
Sede
Sede Teerã

A Força Aérea do Irã (pt-BR) ou Força Aérea do Irão (pt) (em persa: نیروی هوایی ارتش جمهوری اسلامی ایران‎) é o ramo aéreo das Forças Armadas do Irã.[2]

Índice

HistóriaEditar

Até 1920, não houve a utilização de aeronaves nas forças armadas do Irã. Neste período, Reza Pahlavi havia se tornado o comandante-em-chefe das forças armadas, e percebeu a importância do poder aéreo em conflitos futuros. Em 1921, o embaixador iraniano em Washington solicitou a compra de aviões dos Estados Unidos, cujo pedido foi negado, com base no tratado de desarmamento da Primeira Guerra Mundial. O Irã, então, recorreu a países da Europa como a Alemanha, Rússia e França.

No início da Segunda Guerra Mundial, o Irã permaneceu um país neutro. No entanto, em 23 de agosto de 1941, a neutralidade iraniana foi quebrada, e o país foi invadido. A Força Aérea Iraniana, que havia sido construída por Reza Shah, foi completamente destruída pelas forças britânicas e russas durante a sua ocupação. Ambos assumiram o controle de duas bases aéreas iranianas em Teerã. Reza Shah, o fundador da força aérea foi forçado a renunciar, como parte das condições de cessar-fogo impostas pelos britânicos. Eventualmente, seu filho, Mohammad Reza Pahlavi se tornou o do Irã. Quando a guerra terminou, os britânicos deixaram o Irã, mas os russos se recusaram a sair e mantiveram o controle do norte do país. A economia iraniana foi enfraquecida como consequência desta ocupação e da guerra.

Os Estados Unidos decidiram contribuir com equipamentos militares para o Irã devido ao início da Guerra Fria. Os aliados ocidentais queriam construir um bloqueio entre os russos e o Golfo Pérsico, porta de entrada para as riquezas dos campos de petróleo do Oriente Médio. O inventário de aeronaves passou a contemplar os P-47 Thunderbolt, T-33 Shooting Star, F-84 Thunderjet e F-86 Sabre.

Mais tarde, na década de 1970, a Força Aérea Iraniana tornou-se o único ramo militar, além da Marinha dos Estados Unidos, a ser equipada com o F-14 Tomcat. Quando a Guerra Irã-Iraque começou, em 1980, os F-14 do Irã, equipados com mísseis Phoenix, capazes de identificar e destruir seis alvos simultâneamente a um alcance de 80km ou mais, causaram grandes baixas na Força Aérea Iraquiana, que foi obrigada a dispersar suas aeronaves para a Jordânia e Omã.

Após a Revolução Iraniana, alguns desses aviões não estavam em boas condições de funcionamento devido à falta de peças de reposição necessárias, em conseqüência de um embargo de armas e de danos sofridos nas aeronaves durante o conflito com o Iraque. Uma encomenda de 160 caças F-16 Fighting Falcon também foi feita em 1976, mas as entregas jamais ocorreram. Com a ascensão do regime de Khomeini, o fornecimento dos F-16 para o Irã foi cancelado, e os Estados Unidos ofereceram estas aeronaves à Força Aérea Israelense.

FotosEditar

Ver tambémEditar

Referências

Ligações externasEditar