Francis Carsten

professor académico alemão

Francis Ludwig Carsten (25 junho 1911 - 23 junho 1988) foi um historiador britânico da Alemanha. Foi descrito por Peter Wende como "um dos melhores historiadores britânicos que escrevem sobre a Alemanha". [1] A Academia Britânica o descreveu como "o mais importante historiador em estabelecer contatos próximos entre os historiadores britânicos e alemães... depois das agressões militares de Hitler".[2]

VidaEditar

Carsten nasceu em 1911, em Berlin. O pai dele, Paul Carsten, foi um doutor especialista em olhos e professor na Universidade de Humboldt.[3] Sua mãe foi parte de uma família judeo-alemã de origem austríaca de classe média[4], o que fez toda a família virar alvo de perseguição nazista. Ele estudou direito na Universidade de Genebra.[3] Também foi membro da Sozialistischer Schülerbund, um grupo para jovens do Partido Comunista da Alemanha. Depois criticou o partido, dizendo que usava uma estratégia social-facista.[3] Se envolveu com uma organização antifacista chamada Neu Beginnen.[5]

No Reino UnidoEditar

Carsten fugiu da Alemanha pois foi avisado que a Gestapo queria pega-ló.[3] Primeiro morou em Amsterdã por 3 anos, e se mudou para o Reino Unido em 1939, depois de terem oferecido uma vaga no Wadham College em Oxford para ele. Se tornou um cidadão britânico em 1946.[6] Durante a segunda guerra, foi recrutado pelo governo britânico para ajudar nas preparações para a ocupação da Alemanha. Ele trabalhou para o Executivo de Guerra Política Britânica, dando conselhos e ajudando a disseminar propaganda.[7]

Depois da GuerraEditar

Carsten se concentrou em seus interesses acadêmicos. Ele foi muito importante em estabelecer o estudo da história da Alemanha e da Aústria como uma matéria acadêmica no Reino Unido. Se tornou um importante membro dos estudos da Europa Central na Escola de Estudos Eslavônicos e da Europa Oriental em 1961.[6] Ele influenciou vários historiadores britânicos que estavam interessados na história da Europa Central.[6] Carsten morreu em 23 de junho de 1988.[4]

Livros selecionadosEditar

  • The Rise of Fascism
  • The origins of Prussia
  • The Reichswehr and politics: 1918 to 1933
  • Princes and parliaments in Germany, from the fifteenth to the eighteenth century
  • Revolution in central Europe, 1918–1919
  • The New Cambridge modern history. Vol. 5, The Ascendancy of France, 1648–88
  • The German resistance to Hitler
  • The German workers and the Nazis
  • War against war: British and German radical movements in the First World War
  • A history of the Prussian Junkers
  • The first Austrian Republic, 1918–1938: a study based on British and Austrian documents
  • Fascist Movements in Austria: From Schönerer to Hitler
  • Britain and the Weimar Republic: the British documents

Artigos notáveisEditar

  • The nobility of Brandenburg and Prussia from the 16th to the 18th Century
  • Germany and austria, ca. 1820 to 1880
  • The Weimar Republic
  • New 'evidence' against Marshal Tukhachevsky[8]
  • Slavs in North-Eastern Germany
  • The german generals and Hitler, 1933-1938[9]

Referências

  1. "O Instituto Histórico Alemão de Londres e Pesquisa Britânica sobre a História Alemã", Richard Bessel, Boletim do Instituto Histórico Alemão de Londres, Novembro 2016, Vol. XXXVIII, No. 2, pp. 15-18.
  2. «Francis Ludwig Carsten 1911-1998» (PDF) 
  3. a b c d Berghahn, Volker R. (Volker Rolf), 1938-; Kitchen, Martin,. Germany in the age of total war. New York, NY: [s.n.] OCLC 1105987920 
  4. a b Alter, Peter (2002). «Proceedings of the British Academy». 115: 119-129 
  5. Conway, Martin, 1960-; Gotovitch, José. (2001). Europe in exile : European exile communities in Britain, 1940-1945. New York: Berghahn Books. OCLC 606648697 
  6. a b c Manz, Stefan. Refugees and cultural transfer to Britain. London: [s.n.] OCLC 851520782 
  7. Reinisch, Jessica,. The perils of peace : the public health crisis in occupied Germany First edition ed. Oxford: [s.n.] OCLC 851100424 
  8. Carsten, F. L. (1974). «New 'Evidence' against Marshal Tukhachevsky». The Slavonic and East European Review. 52 (127): 272–273. ISSN 0037-6795 
  9. «Archive of Francis L Carsten» (PDF). Consultado em 13 de julho de 2020