Uma funda ou fundíbulo é uma arma de arremesso constituída por uma correia ou corda dobrada, em cujo centro é colocado o objeto que se deseja lançar. Também chamada de atiradeira, catapulta ou estilingue, embora alguns desses nomes possam remeter a tipos de armas de arremesso específicos.

Uma funda artesanal

Uma das mais antigas e primitivas armas feitas pelo homem, seu uso é registrado entre os primitivos australianos, e diversos povos da Antiguidade, tais como gregos e hebreus.

Neste último povo é célebre a passagem contida no Antigo Testamento em que David derrota o gigante Golias, utilizando-se de uma funda.

FundibuláriosEditar

 
Fundibulários na Coluna de Trajano - baixo relevo romano

Nos antigos exércitos os fundeiros (nome que também designa o fabricante de fundas) ou fundibulários (também eram ditos fundistas, mas modernamente essa palavra é empregada, no atletismo, para designar os praticantes das categorias de longa distância) formavam uma importante linha de ataque nas batalhas, geralmente por detrás dos lanceiros e antes dos besteiros e seteiros.

Eram soldados que treinavam a pontaria para o arremesso de pedras a longa distância, provocando com elas tantas baixas quanto as flechas. Importante papel desempenharam nas batalhas do cartaginês Aníbal Barca.

Entre os romanosEditar

 
Fundaeiro das ilhas Baleares (famosos pela habilidade com a funda).

O escritor romano Vegécio registrou:

"Os recrutas serão ensinados na arte de lançar pedras com ambas as mãos e com a funda. Dizem que os habitantes das Ilhas Baleares são os inventores da funda, e de as administrar com surpreendente destreza, o que se deve à forma como educam suas crianças. As crianças não eram permitidas ter a comida antes que a tivessem golpeado com a funda. Os soldados, mesmo usando suas armaduras defensivas, são mais duramente afetados com as pedras redondas lançadas pelas fundas que por todas as setas do inimigo. As pedras matam, sem mutilar o corpo, provocando uma mortal contusão em que não sabido que os antigos usavam fundíbulos em todas as suas batalhas. É imprescindível instruir todas as tropas, sem exceção, neste exercício, pois a funda não pode ser tida como algo difícil, e é de grande utilidade, especialmente quando devem ocupar lugares pedregosos, ou defender uma montanha ou elevação, e ainda proceder à defesa de um castelo ou cidade."

Uso da funda pelos nativos do Novo MundoEditar

A funda foi pouco utilizada pelos nativos das Américas. Os Timucua da Geórgia e Flórida a usavam[1]

 
Indígena arremessando projétil com a funda

Há registro do emprego da funda na era pré-colombiana pelos índios Matlaltzinca, do vale de Toluca, no México.[2] Os projéteis usados na funda podiam ser de pedra ou feitos de argila, sendo estes moldados à mão e secos ao sol. Na caça de patos e outras aves aquáticas os de argila eram os preferidos porque eram mais leves e repicavam na superfície da água, aumentando a chance de abater mais de um animal a cada arremesso[3]

Nas batalhas os atiradores de funda ficavam logo atrás da linha de batalha e eram abastecidos com projéteis trazidos em cestas por meninos. Muitos índios consideravam a funda uma arma mais mortal do que o arco e flecha e seu projétil atingia uma distância maior.[3]

Técnica de uso e arremessoEditar

 
reconstituição de uma funda das Ilhas Baleares

Apesar de simples e primitiva, a funda requer certo conhecimento para sua fabricação: compõe-se basicamente de uma corda, dividida em 3 partes: pulseira, onde o fundibulário prende a corda; a baladeira, onde de assenta o projétil; ponta de gatilho, que deverá ser solta no momento oportuno, fazendo com que a pedra seja arremessada.

Para o lançamento das pedras, a funda deve ser feita de modo a possibilitar a firme disposição do projétil durante a fase em que será girada, a fim de dar maior impulso no lançamento. Este é feito soltando-se uma das pontas do armamento - algo que requer destreza por parte do fundeiro.

O momento para o lançamento é importante, a fim de não apenas conferir ao projétil seu direcionamento correto, mas ainda para ter a certeza de que, além da distância, possa também atingir o alvo.

Davi e GoliasEditar

 
Davi com uma funda.

Segundo o relato bíblico, Golias era um homem com estatura de 2,90 metros, e sua armadura pesava cerca de 55 quilos. A ponta de ferro da sua lança pesava outros 7 quilos.

Em I Samuel, capítulo 17, este guerreiro descomunal estava tão confiante da sua força ao enfrentar os exércitos de Israel, chefiados pelo rei Saul, que o desafiou durante quarenta dias: Golias postava-se diante dos soldados inimigos e intimava para que apresentasse um homem que lutasse contra ele - sem que nenhum deles ousasse aceitar o desafio.

Segundo o relato, os três irmãos de David haviam marchado para a guerra ao lado de Saul. Certo dia, Jessé, pai dos jovens, pede ao pequeno David que leve comida ao acampamento e informe-se do andamento da luta. No dia seguinte o jovem pastor dirigiu-se até onde parava o exército.

Ali, assiste ao desafio feito pelo gigante, escutando ainda que àquele que o derrotasse teria por recompensa ouro e a mão da filha do rei. Eliabe, seu irmão, o repreende, mas o jovem diz a Saul que enfrentará o filisteu.

David conta que, cuidando das ovelhas, enfrentara ursos e leões. Saul vestiu-lhe com as roupas de combate mas, não acertou a andar com elas, retirando-as.

Tomou, então cinco pedras no seu alforje de pastor, e carregou sua funda, indo em direção ao gigantesco inimigo. Este, vendo-o, desdenhou o adversário:

"Sou eu algum cão para tu vires a mim com paus? Vem a mim, e darei a tua carne às aves do céu e às bestas do campo".

Ocorre, enfim, o combate entre os tão díspares representantes de Israel e dos filisteus, marco do início da ascensão de um simples pastor que veio a tornar-se rei dos judeus:

E David meteu a mão no alforje e tomou dali uma pedra e com a funda lha atirou, e feriu o filisteu na testa, e a pedra se lhe cravou na testa, e caiu sobre o seu rosto em terra.
E assim David prevaleceu contra o filisteu, com uma funda e com uma pedra...

FustíbaloEditar

Uma arma derivada da funda mais extensa que um braço humano, utilizando um haste de madeira e mantendo uma funda na ponta. Criada por volta de 500 a.C.


ReferênciasEditar

↑ CAVALCANTE, Messias S. Comidas os Nativos do Novo Mundo. Barueri, SP. Sá Editora. 2014, 403p.ISBN 9788582020364

↑ SOUSTELLE, Jacques (1912-1990). La vida cotidiana de los aztecas em vésperas de la conquista. Octava reimpresión. ISBN 968-16-0636-1. Mexico, Fondo de Cultura Económica. 1991, 283 p.

↑ a b CAMPBELL, Paul D. Survival skills of native California. Layton, Utah, Gibbs Smith Publisher. 1999, 448 p.

Ver tambémEditar

  1. CAVALCANTE, Messias S. Comidas dos Nativos do Novo Mundo. Barueri, SP. Sá Editora. 2014, 403p.ISBN 9788582020364
  2. SOUSTELLE, Jacques (1912-1990). La vida cotidiana de los aztecas em vésperas de la conquista. Octava reimpresión. ISBN 968-16-0636-1. Mexico, Fondo de Cultura Económica. 1991, 283 p
  3. a b CAMPBELL, Paul D. Survival skills of native California. Layton, Utah, Gibbs Smith Publisher. 1999, 448 p.