Fundação EDP

A Fundação EDP é uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, criada pela EDP – Energias de Portugal, S.A. em dezembro de 2004. Tem sede na antiga Central Tejo (Av. de Brasília, Lisboa) e é uma das mais importantes instituições no domínio cultural do país, na dupla vertente de produção própria e de mecenato.

Fundação EDP
Central Tejo / Fundação EDP / Museu da Eletricidade
Fundação 2004 (18 anos)
Sede Fundação EDP

Av. de Brasília, Central Tejo 1300-598 Lisboa

Sítio oficial Fundação EDP

AtividadeEditar

A atividade da Fundação EDP assenta em valores estratégicos como inovação social, excelência nas artes, fusão da energia com ciência e educação, promoção de cidades contemporâneas e sustentáveis e construção de uma cultura corporativa que abra o grupo empresarial EDP ao país e ao mundo. Estes valores indiciam caminhos como o envolvimento com as comunidades e construção de redes de parcerias, o estímulo à criatividade e à revelação de talentos emergentes.[1]

CulturaEditar

O apoio ativo à Cultura constitui uma das missões fundamentais da Fundação EDP (FEDP). "Da criação contemporânea ao património e à memória histórica, das artes visuais às performativas, da literatura ao pensamento crítico, da interdisciplinaridade das artes à sua relação com a ciência, tecnologia e ambiente", a FEDP tem desenvolvido uma vasta e diversificada atividade de produção própria e de cooperação mecenática.[2]

Destaquem-se as inúmeras exposições de relevo, individuais e coletivas, nos espaços da Fundação (Central Tejo, Lisboa; Galeria Fundação EDP Porto), as publicações, os prémios (Grande Prémio Fundação EDP/Arte; Prémio EDP Novos Artistas) e tantas outras iniciativas e apoios mecenáticos, ou a própria coleção da FEDP. Iniciada em 2000, esta coleção, da responsabilidade de João Pinharanda[3], conta com mais de 700 obras de 173 artistas portugueses de várias gerações[4].

Foi construído o Centro de Arte e Tecnologia da FEDP, atualmente conhecido por MAAT - Museum of Art, Architecture and Technology, um novo espaço cultural com uma programação contemporânea e internacional. Com projeto da arquiteta britânica Amanda Levete, este novo Centro de Artes conta com salas para exposições, serviço educativo, reservas de arte, auditório, restaurante e espaços para residências artísticas.[5]

Ciência e EnergiaEditar

 
Central Tejo / Museu da Eletricidade

A Fundação EDP está empenhada na dinamização da cultura científica, valorização da história e sensibilização para o desafio energético. Tendo o Museu da Eletricidade como centro desta estratégia, a Fundação contribui para animar centros de ciência e levar os estudantes a participar em atividades científicas.[2]

Inovação SocialEditar

Na área da inovação social a missão da Fundação EDP passa por "levar para a «Economia Solidária» a noção e a prática do empreendedorismo social e da sustentabilidade, fundamentais para o desenvolvimento e para a sobrevivência das organizações sociais".[2]

Envolvimento de ComunidadesEditar

Consciente dos impactos provocados pela construção de barragens, a EDP dá prioridade a uma postura de transparência, respeito, responsabilidade e cooperação com as comunidades locais onde estas se localizam.[2]

Acesso à EnergiaEditar

O Grupo EDP está empenhado em promover o Acesso à Energia. O papel da Fundação EDP passa por desenvolver uma perspetiva integrada, desde o financiamento inicial à preocupação com a autossustentação futura das soluções implementadas.[2]

ProgramasEditar

  • Grande Prémio Fundação EDP/Arte – este prémio foi criado em 2000 e é uma iniciativa trienal da Fundação EDP; tem como objetivo consagrar um artista plástico com carreira consolidada e historicamente relevante, cujo trabalho tem contribuído para afirmar e fundamentar as tendências estéticas contemporâneas portuguesas. O prémio já distinguiu: Lourdes Castro (2000); Mário Cesariny (2002); Álvaro Lapa (2004); Eduardo Batarda (2007); Jorge Molder (2010); Ana Jotta (2013).[6]
  • Prémio EDP Novos Artistas – com uma periodicidade bienal, este prémio foi instituído em 2000 e destina-se à revelação de novos valores da criação nacional.[7]
  • Programa Ilumina o Património – este programa dá apoio a projetos que têm como objetivo a preservação, valorização e divulgação do património industrial elétrico nacional, destinando-se a entidades com património à sua guarda como autarquias, empresas, associações, museus e centros de ciência e cultura.[7]
  • Programa Livros com Energia – este programa dá apoio à edição de livros relacionados com as temáticas da energia e do ambiente.[7]
  • Fundo EDP Biodiversidade – este fundo financia projetos associados à promoção e recuperação da biodiversidade, prestando um contributo para o aprofundamento do conhecimento científico e para a otimização da conservação e melhoria dos ecossistemas.[7]
  • Programa EDP Solidária – este programa dá apoio a projetos meritórios nas áreas da solidariedade social e da saúde.[7]
  • Programa EDP Solidária Barragens – este programa tem a mesma filosofia do Programa base (EDP Solidária), aplicando-se às regiões e concelhos onde a EDP se encontra a desenvolver projetos hidroelétricos.[7]

Referências

  1. «Fundação EDP». EDP Energias de Portugal. Consultado em 2 de julho de 2014. Arquivado do original em 17 de outubro de 2012 
  2. a b c d e «Fundação EDP». Fundação EDP. Consultado em 2 de julho de 2014 
  3. Alexandra Carita (3 de agosto de 2013). «EDP: colecionar em português» (PDF). Expresso. Consultado em 2 de julho de 2014. Arquivado do original (PDF) em 14 de julho de 2014 
  4. «Mais de 700 obras de 173 artistas». Fundação EDP. Consultado em 2 de julho de 2014. Arquivado do original em 22 de setembro de 2013 
  5. «Centro de Arte e Tecnologia da FEDP». Fundação EDP. Consultado em 2 de julho de 2014. Arquivado do original em 22 de outubro de 2013 
  6. «Grande Prémio Fundação EDP/Arte». Fundação EDP. Consultado em 2 de julho de 2014. Arquivado do original em 14 de julho de 2014 
  7. a b c d e f «Fundação EDP – Programas». Fundação EDP. Consultado em 2 de julho de 2014. Arquivado do original em 25 de janeiro de 2013