Furto de metal

O furto de metal é "o furto de itens pelo valor de seus metais constituintes".[1] Geralmente aumenta quando os preços mundiais da sucata de metal aumentam, como aconteceu devido à rápida industrialização na Índia e na China. Além de metais preciosos, como ouro e prata, os metais mais comumente furtados são metais não ferrosos, como cobre, alumínio, latão e bronze. No entanto, mesmo ferro fundido e aço estão tendo taxas mais altas de roubo devido ao aumento dos preços da sucata.[2][3]

Policiais britânicos verificando se há metal roubado em um comerciante de sucata

Uma característica definidora do furto de metal é a motivação. Enquanto outros itens geralmente são furtados por seu valor extrínseco, os itens envolvidos no roubo de metal são roubados por seu valor intrínseco como matéria-prima ou commodities. Os furtos geralmente têm consequências negativas muito maiores do que o valor do metal furtado, como a destruição de estátuas valiosas, interrupções de energia e a interrupção do tráfego ferroviário.

Itens frequentemente furtadosEditar

Qualquer coisa feita de metal tem valor como sucata e pode ser roubada:

Motivações para o furtoEditar

 
Preços globais do cobre de 1986 a 2011
 
Polícia verifica uma van de sucata em busca de itens questionáveis (Reino Unido)

A sucata de metal aumentou drasticamente de preço nos últimos anos. Em 2001, a sucata ferrosa foi vendida por US$ 77 a tonelada, aumentando para US$ 300/t em 2004. Em 2008, atingiu quase US$ 500/t.[6]

Alguns políticos e policiais concluíram que muitos roubos de metal são feitos por viciados em drogas que roubam metal para financiar seus vícios.[7] Alguns funcionários acreditam que muitos desses roubos de metal relacionados a drogas são causados por usuários de metanfetamina;[8] no entanto, isso varia de acordo com a localização do metal que está sendo roubado.[9] Outra explicação para o fenômeno é o preço extraordinariamente alto dos metais não ferrosos, juntamente com níveis elevados de desemprego. Independentemente do motivo, a industrialização das nações em desenvolvimento ajuda a aumentar a demanda por sucata.[6]

Impacto econômicoEditar

Em 2014, somente nos Estados Unidos, o furto de metais custou à economia norte-americana US$ 1 bilhão anualmente, de acordo com estimativas do Departamento de Energia. Em 2008, foi estimado que a África do Sul perdeu aproximadamente 5 bilhões de Rand anualmente devido ao roubo de metais. Em 2008, o roubo de metais foi o crime de crescimento mais rápido no Reino Unido, com os danos anuais à indústria estimados em £360 milhões. Os ladrões frequentemente causam danos muito superiores ao valor que recuperam ao vender metal roubado como sucata. Por exemplo, os ladrões que tiram canalizações de cobre e fios elétricos das casas tornam as residências inabitáveis sem reparos caros e demorados.

PrevençãoEditar

Exigir que os compradores de sucata registrem as identidades com foto dos vendedores de sucata e registrem as transações pode reduzir a taxa de furto de metal. Pagar os vendedores de sucata com formas que não sejam dinheiro vivo pode reduzir a taxa de roubo de metal e deixa registros que podem ser investigados pela polícia. Os comerciantes de sucata podem se recusar a aceitar certos itens comumente roubados, como tampas de bueiros, placas de rua, unidades de ar condicionado e componentes de trilhos de trem, a menos que o vendedor possa provar a propriedade legítima. Restrições sobre alguns itens também foram tornadas lei.

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Indianapolis Metal Theft Project». Community Research Center, University of Indianapolis. Arquivado do original em 3 de fevereiro de 2010 
  2. «2008 Metal Theft Investigations Seminar». International Association of Property Crime Investigators. Cópia arquivada em 4 de outubro de 2011 
  3. Schwartz, Emma (27 de março de 2008). «Price Hikes Lead to Rash of Metal Thefts». U.S. News & World Report. Consultado em 6 de agosto de 2008 
  4. «10,000 manhole covers vanish – Fingers pointed at Growing craze for Drugs, SNAP lottery». The Telegraph (Kolkata). 7 de setembro de 2004. Consultado em 3 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 11 de julho de 2016 
  5. Kooi, Brandon R. (Abril 2010). Theft of Scrap Metal (PDF). [S.l.]: U.S. Department of Justice Office of Community Oriented Policing Services. ISBN 978-1-935676-12-6. Consultado em 29 de setembro de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 2 de outubro de 2016 
  6. a b Newsweek Staff (10 de julho de 2010). «Manhole Covers Stolen for Scrap Metal». Newsweek Business. Arquivado do original em 2 de setembro de 2013 Newsweek Staff (2010-07-10). "Manhole Covers Stolen for Scrap Metal". Newsweek Business. Archived from the original on September 2, 2013.
  7. «Berryhill And Galgiani Metal Theft Legislation Clears First Hurdle». SACRAMENTO. 29 de março de 2007 
  8. «An Updated Assessment of Copper Wire Thefts from Electric Utilities» (PDF). US Department of energy. Consultado em 3 de outubro de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 23 de novembro de 2016 
  9. Steinhauer, Jennifer (31 de julho de 2007). «Unusual Culprits Cripple Farms in California». The New York Times. BUTTONWILLOW, Calif. p. 10. Consultado em 22 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2017