Abrir menu principal

Futebol soçaite

modalidade esportiva do futebol com sete jogadores
(Redirecionado de Futebol 7)

Futebol soçaite também conhecido como futebol society, futebol 7 ou simplesmente fut 7, é uma modalidade desportiva onde as partidas oficiais são realizadas entre duas equipes de sete jogadores, em um campo retangular de grama sintética ou natural com o comprimento de 45m a 55m e largura de 25m a 35m, uma baliza em cada lado do campo e uma bola. A arbitragem é responsável pela correta aplicação das regras. A equipe que marca mais gols ao término da partida é a vencedora.

Futebol soçaite
Federação desportiva mais altaFIF7, FIFO7S, IFA7
Outros nomes• Futebol society
• Futebol 7
• Fut 7
Características
Membros de equipa7 por equipe
Presença
País ou regiãoTodos os continentes

Tem sido praticado desde a década de 60, principalmente na América Latina, sendo considerado um dos esportes mais populares do século XXI.

Existem muitas competições internacionais de futebol 7, disputadas em diversas categorias e organizadas e promovidas por promotores de eventos em todos os continentes.

A principal competição internacional de futebol 7 é o Mundialito de Seleções, realizado anualmente.

Organizações internacionais reguladorasEditar

Fédération Internationale de Football 7(FIF7)

Federação Internacional de Football 7 Society(FIFO7S)

Football 7 Worldwide

International Football Association 7(IFA7)

Campeonatos internacionaisEditar

Mundialito de Seleções(Campeonato mundial)

Copa América de Seleções

Mundialito de Clubes(Campeonato mundial)

Liga das Américas

No BrasilEditar

A CBF7, confederação criada a partir da unificação da CBF7S e CF7, é a unica entidade responsável autorizada pelo Ministério do Esporte para representação oficial do Brasil na modalidade Futebol Society(F7).[1]

Existem certos acordos, os títulos da seleção brasileira só terão o reconhecimento em território nacional com o aval da CBF7.

Histórico no BrasilEditar

O futebol 7 é atualmente jogado em todo o território brasileiro. A Federação Gaúcha de Futebol Sete foi a primeira do esporte fundada no Brasil. Deu-se o nome de "Sete" porque a Receita Federal do Brasil não permitia o registro de entidade desportiva com nome em outro idioma. A federação foi oficializada como Futebol Sete, seguindo normas oficiais, porém solicitou ao mesmo órgão, na época, a utilização do nome "society" como fantasia e assim foi oficializada e registrada.

O esporte foi gerido inicialmente de forma oficial pela Confederação Brasileira de Futebol Sete Society (CBF7S),[2] fundada em 30 de outubro de 1996, pelo Professor Milton Mattani, ex-árbitro de futebol de salão. Posteriormente também foi criada a Confederação de Futebol 7 do Brasil (CF7), que paralelamente à CBF7S buscava gerir o esporte oficialmente no país.

A unificação das confederaçõesEditar

As duas confederações trabalharam paralelamente por alguns anos e tinham diversas federações estaduais filiadas. Num esforço conjunto, em julho de 2011 ambas as diretorias se reuniram com o objetivo de unificar as entidades e criar um planejamento conjunto para a modalidade. Chegaram a anunciar a unificação,[3] mas somente no dia 18 de fevereiro de 2013 foi realizado, em São Paulo-SP, o Simpósio Nacional da modalidade, que marcou oficialmente a unificação das Confederações, que juntas deram origem à Confederação Brasileira de Futebol 7 (CBF7).

O mesmo processo de unificação ocorreu com as Federações estaduais, que por determinação da unificada Confederação, tiveram também que unificar, mesmo que a contra-gosto de muito dirigentes, que eram concorrentes faziam alguns anos. O processo de unificação foi controverso, pois os tópicos não foram discutidos abertamente com os dirigentes das Federações filiadas, tratando-se de uma unificação de cúpula, com regras sendo impostas posteriormente. A unificação continuou sendo questionada por correntes internas e divergentes do futebol 7, o que reforçou a dificuldade histórica em manter uma linha de trabalho na modalidade.

A nova separaçãoEditar

Em 10 de fevereiro de 2015, os diretores da CBF7, Sr. Milton Mattani, Marcello Sangiovanni e José Maria Lopes Martins desligaram-se da entidade e anunciaram a fundação da Confederação Brasileira de Soccer Society (CBSS),[4] que agora juntamente com a CBF7 busca coordenar o esporte no país. Posteriormente novas entidades surgiram fazendo com a modalidade não tenha uma unidade confederativa.

Organizações reguladoras brasileirasEditar

Atualmente existem diversas entidades nacionais de futebol 7, entre confederações e entidades, que promovem eventos no país. São elas:

  • Confederação Brasileira de Futebol 7 (CBF7): Criada em 18 de fevereiro de 2013, a CBF7 foi resultado da unificação da Confederação Brasileira de Futebol Sete Society (CBF7S) e a Confederação de Futebol 7 do Brasil (CF7).[5]É a federação responsável pela representação do país na modalidade, autorizada pelo Ministério do Esporte.
  • CNF7 - Confederação Nacional de Futebol 7. Fundada no dia quinze do mês de Novembro do ano de 2016. Já foi presidida pelo Sr. Ronan Vieira. Congrega várias Federações Independentes de Futebol 7 de 25 estados brasileiros e do distrito federal, entre elas a FIF7 de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Realiza os campeonatos Estaduais, Regionais e o Campeonato Brasileiro de Futebol 7.[6]
  • Confederação Brasileira de Soccer Society (CBSS): Presidida por Sr. Marcello Sangiovanni a CBSS é resultado de uma dissidência da então unificada CBF7. Também fazem parte da diretoria o Sr. Milton Mattani e José Maria Lopes. Atualmente possui 5 federações estaduais filiadas: GO, SP, RS, AM e RO. Em 2015 realizou a sua 1ª edição do Campeonato Brasileiro, cujo campeão foi a equipe Maracanã, de Anápolis-GO.[7]
  • Liga Nacional de Futebol 7 (LNF7S): Com a unificação da CBF7S e CF7, alguns dirigentes foram excluídos do processo, fazendo que os mesmos criassem uma alternativa em relação à então unificada CBF7. Assim surgiu a Liga Nacional de Futebol 7 (F7BR), entidade que possui como filiados: Federação de Futebol Sete Society do Rio de Janeiro, Federação Baiana de Futebol 7 Society, Federação Paulista de Clubes de Futebol 7 Society, entre outras. Entre os torneios promovidos pela entidade estão a Taça Brasil de Futebol 7 Society e o Torneio Rio-São Paulo.[8] A F7BR é caracterizada pelo sistema confederativo, a exemplo da CBF7 e da CBSS. Sendo assim, temos atualmente no país três entidades que funcionam como Confederações de Futebol 7 Society. A entidade é presidida por Lenílson Albuquerque.
  • Liga F7 Brasil: Criada em 2016, a Liga F7 Brasil é uma entidade independente com o objetivo de promover campeonatos a nível nacional. Tem como base a Arena Nacional F7, uma estrutura esportiva que promove eventos como a Copa Nacional Fut7 e Circuito Paulista e Brasileiro de Fut7.[9][10]
  • Futebol 7 Brasil (F7B): Entidade independente criada pelo empresário Hugo Loureiro e que organiza eventos como: Copa Sul,[11] Copa Verde,[12] Copa da Liga e Circuito Paranaense de Futebol 7.[13]
  • Liga Brasileira de Futebol 7 (LBF7): Tem como filiada a LF7SRJ, uma das pioneiras na realização de campeonatos no Rio de Janeiro, tendo participado de seus eventos quase todos os quatro grandes do Rio de Janeiro[14], com exceção do Fluminense. A liga se encontra praticamente extinta.
  • Confederação de Futebol 7 do Brasil (CF7B): Entidade criada por ex-membros da CF7 e que realiza campeonatos como a Copa do Brasil e a Supercopa.[15]
  • Associação Brasileira de Clubes de Futebol 7: É a entidade brasileira reconhecida pela Federação Internacional de Futebol 7 (FIF7) para administrar a modalidade no Brasil em território nacional. Nasceu da necessidade de uma organização de caráter nacional que tenha como objetivo desenvolver e administrar o futebol 7 diante da perspectiva de que atender os interesses dos clubes e atletas deve ser a principal prioridade da entidade. A entidade abre afiliação diretamente aos clubes, dando aos próprios clubes direito a voto na Assembléia da entidade. A Associação não tem qualquer restrição para clubes que joguem em outras entidades esportivas regionais ou nacionais.[16]

Competições no BrasilEditar

Campeonatos nacionais:

  • Campeonatos Estaduais, Campeonatos Regionais e Campeonato Brasileiro de Futebol 7[17] (CBF7)
  • Campeonato Brasileiro de Seleções Estaduais (CBF7)
  • Grand Prix [18] (CBF7)
  • Liga Fut7 (CBF7)[19]
  • Liga Fut7: Evento realizado pela empresa Futebol 7 Brasil, com apoio da Associação Brasileira de Clubes de Futebol 7 e chancela da Federação Internacional de Futebol 7.[20]
  • Copa do Brasil (CBF7) e (CF7B)
  • Copa do Brasil de Futebol 7 Society (LNF7S)
  • Taça Brasil de Futebol 7 Society (LNF7S)
  • Copa dos Campeões (CBF7)
  • Circuito Brasileiro de F7 ( Liga F7 Brasil)
  • Ligas Locais (Variadas)*

Campeonatos interestaduais:

  • Copa Sul (F7B)
  • Copa Sul de Seleções Estaduais (CBF7)
  • Taça Sul Brasileira de Futebol 7 Society (LNF7S)
  • Copa Rio-São Paulo (CBF7)
  • Circuito Rio-São Paulo (Liga F7 Brasil)
  • Copa Sudeste (CBF7)
  • Taça Sudeste de Futebol 7 Society (LNF7S)
  • Taça Nordeste de Futebol 7 Society (LNF7S)
  • Copa Verde (F7B)

Campeonatos estaduais:

  • Campeonato Catarinense de Futebol 7 (Fut7-SC)
  • Campeonato Gaúcho de Futebol 7
  • Campeonato Paulista de Futebol 7 (FPFS)
  • Campeonato Carioca de Futebol 7
  • Circuito Paulista de Futebol 7 (LF7 Paulista)

Ligas e campeonatos locais brasileirosEditar

A Confederação Brasileira de Futebol 7 (CBF7) tem seu próprio livro de regras, porém não há diferenças em relação às das principais entidades internacionais reguladoras. Desde 2005 encontra-se à disposição o livro de regras internacionais, editado pela FIFO7S em quatro idiomas: português, inglês, espanhol e francês. Já a CBF7 também disponibiliza em seu site o livro de regras, porém este está somente em português.

No Rio de Janeiro, a Liga Society de Niterói e São Gonçalo (RJ) foi fundada em 2004 e conta com a participação de mais de 5.000 atletas de todo estado, divididos em equipes da Série Ouro, Prata e Bronze, que equivalem a 1°,2° e 3° divisão respectivamente. Outra Liga que se destaca é a Liga Carioca de Futebol 7 que conta com algumas das melhores equipes da capital carioca.

O Estado de Santa Catarina, mais precisamente, Florianópolis, possuiu entre 2007 e 2013, o segundo maior campeonato do Brasil, a CBN Diário Floripa Cup,[21] com mais de 1.500 atletas e 72 equipes amadoras divididas em 4 séries: A, B, C e D, além das categorias feminino, sub-17 e sub-15. O Campeão da CBN Diário Floripa Cup garantia vaga no Campeonato Catarinense de Futebol Sete. A Federação de Futebol Sete Society de Santa Catarina ainda credenciava: Joinville Cup, Chapecó Cup, São Miguel Cup, Maravilha Cup, BC Cup, Balneário Cup, Concórdia Cup e Blumenau Cup. Na Grande Florianópolis também eram disputados: Copa dos Campeões da Floripa Cup e Superliga Hora SC. Nos meses de novembro a entidade organiza o Campeonato Catarinense de Futebol Sete, com a participação de 16 equipes. Com a posse do novo presidente, Maurícios dos Santos, em 1º de janeiro de 2014, todos os torneios da Grande Florianópolis foram extintos e criadas novas taças, que são organizadas por sua empresa privada.

Em São Paulo, destaque para o Campeonato Paulista Masculino Adulto, que conta com 4 divisões, sendo a 1ª Divisão com 100 jogos e 468 atletas, a 2ª Divisão com 100 e 425 atletas, a 3ª Divisão com 125 jogos e 773 atletas e a 4ª Divisão com 45 jogos e 711 atletas. A Federação Paulista de Futebol Sete também organiza os seguintes campeonatos: Campeonato Interclubes, Taça São Paulo (Categoria Principal), Taça São Paulo de Categorias de Base (Sub-9 a Sub-17) e Campeonato Paulista de Categorias de Base (Sub-9 a Sub-20). Ainda em São Paulo, a LIGA F7 PAULISTA surgiu com a ideia de tornar o esporte mais transparente e profissional, tirando o F7 do ostraciscmo e elevando a um patamar onde pode ser visto de forma profissional. Coisa que não acontecia em anos anteriores. Como unica filiada a LIGA F7 BRASIL, a LF7P veem de encontro com as expectativas de seus associados e clubes. Organizando de forma eficaz seu primeiro ano de competições oficiais e com alto índice de aceitação do publico segmentado.[22]

Principais regrasEditar

REGRA 01

O CAMPO DE JOGO

01 - Dimensões:

O campo de jogo deve ser de grama sintética ou natural, tendo sua forma

retangular, não podendo seu comprimento exceder a 55 m nem ser inferior a 45

m e a sua largura máxima de 35 m e a mínima 25 m. Devendo o comprimento

ser sempre superior à largura.

02 - Marcação do Campo:

O campo de jogo deve ser marcado por linhas de cor branca e bem visíveis, com

10 cm de largura, as quais devem acompanhar o nível do campo.

As linhas que o limitam de maior comprimento são chamadas linhas laterais e as

de menor comprimento linhas de fundo.

Na metade do campo será traçada uma linha transversal, de lado a lado,

chamada linha central.

O centro do campo será marcado por um ponto bem visível, exatamente na

metade da linha central, com 10 cm de raio.

Paralelas e eqüidistantes em 5 m da linha central devem ser traçadas duas linhas

de 5 m, uma em cada metade do campo, de forma que, se for traçada uma linha

perpendicular na metade desta linha, coincidirá com o centro do campo e serão

chamadas Linhas de Saída e Shoot Out.

03 – Rede Superior:

É opcional no campo de jogo a colocação de REDE de PROTEÇÃO SUPERIOR

feita de material apropriado, com pequenas aberturas de modo a não permitir a

passagem da bola, com altura mínima de 10 metros.

04 - Área de Meta e Marca de Pênalti:

De cada extremidade do campo devem ser traçadas duas linhas perpendiculares

à linha de fundo, a uma distância de 5 m de cada poste de meta. Essas linhas

avançarão 8 m pelo campo adentro e serão unidas, em suas extremidades, por

uma linha transversal paralela à linha de fundo e com 15m de comprimento.

A marca de pênalti será definida por um ponto bem visível, com 10 cm de raio, na

metade da linha frontal da área de meta, e a distância de 8m da linha de fundo.

7

05 - Metas:

As METAS devem ser colocadas no centro de cada linha de fundo, sendo

formadas por dois postes verticais distantes 5m entre si medidos por dentro e

ligados por uma barra horizontal cuja face interior ficará a altura de 2,20 cm do

solo. O diâmetro dos postes e da barra transversal deve ser de 10 cm e pintados

na cor branca.

Por trás das metas devem ser colocadas obrigatoriamente redes presas nos

postes, na barra transversal e no solo, devendo estar convenientemente

sustentadas e colocadas de modo a dar bastante espaço ao goleiro.

As redes devem ser confeccionadas com material adequado e que não ofereçam

perigo aos praticantes, tendo pequenas aberturas que não permitam a passagem

da bola.

08 - Área de Atuação do Técnico:

Localizada em frente aos bancos de reservas, deve estar a uma distância mínima

de 01 m da linha lateral, prolongando-se de um lado até a linha de saída, e a 05

m da mesa do representante e do outro lado até o limite possível do campo,

sempre paralela à linha lateral, demarcada por linhas seccionadas.

8

Caso não haja marcação da área de atuação, o Técnico só poderá

transmitir suas orientações em frente ao banco de reservas.

Se o banco de reservas estiver postado na linha de fundo, o técnico só

poderá atuar no espaço compreendido entre a linha de fundo, 5m

distante da trave, e a linha lateral até o limite da marca da área conforme

desenho abaixo.

.

09 - Recomendações:

1- Para a realização de partidas na categoria principal, nacionais, internacionais

e televisadas, recomenda-se utilizar campos com dimensões mínimas de 30m de

largura e 50m de comprimento.

ADENDO

Poderão ser utilizados campos com medidas de 60m de comprimento e 40m de

largura no máximo, desde que especificado no Regulamento da Competição.

REGRA 03

NÚMERO DE ATLETAS

01 - Uma partida deve ser disputada por duas equipes compostas de 07 atletas

em cada uma, onde um dos quais, obrigatoriamente, será o goleiro.

02 - Não é permitido o início da partida sem que as equipes tenham, no mínimo,

07 atletas no campo de jogo.

03 - Quando uma equipe, ou ambas, ficarem reduzida a 03 atletas, seja por

qualquer motivo, a partida deverá ser encerrada imediatamente.

04 - Na súmula de jogo deve ser registrado o máximo de 20 atletas por equipe,

podendo ser completada até o final da partida, inclusive na prorrogação.

05 - As substituição são ilimitadas e volantes, não havendo necessidade de

paralisação do jogo, sendo restritas aos atletas registrados em súmula.

06 - O Atleta só poderá executar um arremesso lateral ou de canto após ter

entrado no campo, pela zona de substituição.

07 - Qualquer um dos atletas poderá trocar de posição com o goleiro, desde que

autorizado pela Arbitragem e com a bola fora de jogo. Quando a troca for com

jogador postado no banco de reservas, poderá ser realizada com a bola em jogo

ou fora de jogo.

08 - Quando do atendimento a qualquer atleta lesionado, este obrigatoriamente

deverá deixar o campo de jogo por qualquer lugar do mesmo, desde que

autorizado por um dos Árbitros, podendo ser substituído imediatamente, e o

atleta em questão estará apto a retornar somente quando da próxima posse de

bola de sua equipe e com autorização do Árbitro, exceto o goleiro que poderá

continuar no jogo, sem a obrigatoriedade de ser substituído.

09 - Em caso de sangramento ou lesão grave o atleta deve deixar o campo de

jogo, podendo ser substituído imediatamente.

10 - Os Capitães de ambas as equipes devem obrigatoriamente assinar a sumula

do jogo, o que atesta todos os dados descritos na mesma, tais como atletas e

membros da comissão técnica relacionados, placar final, infrações e cartões

disciplinares estão corretos.

Referências

  1. «Ministério do Esporte». portal.esporte.gov.br. Consultado em 15 de dezembro de 2018 
  2. «Confederação Brasileira de Soccer Society» 
  3. «Confederações de Futebol 7 Society se unem para o bem do esporte mais praticado no Brasil». 21 de julho de 2011 
  4. «Confederação Brasileira de Soccer Society» 
  5. «José Luiz Zouain é eleito presidente da Confederação Brasileira de futebol 7». globoesporte.com. 4 de dezembro de 2016. Consultado em 4 de dezembro de 2016 
  6. «Conheça a nossa história». Consultado em 3 de junho de 2019 
  7. «Confederação Brasileira de Soccer Society». Confederação Brasileira de Soccer Society. Consultado em 24 de abril de 2016 
  8. «liga-nacional». liga-nacional. Consultado em 24 de abril de 2016 
  9. «Nossa história». Liga F7 Brasil. Consultado em 24 de abril de 2016 
  10. «Liga F7 Brasil». facebook.com. Consultado em 24 de abril de 2016 
  11. «Copa Sul de Futebol 7». Copa Sul de Futebol 7. Consultado em 24 de abril de 2016 
  12. «Copa Verde de Futebol 7». Copa Verde de Futebol 7. Consultado em 24 de abril de 2016 
  13. «LIGA FUT 7 BRASIL». LIGA FUT 7 BRASIL. Consultado em 24 de abril de 2016 
  14. «Na estreia do Municipal Society, América-RJ goleia a Juventus». Lance!. Consultado em 5 de agosto de 2019 
  15. «CONFEDERAÇÃO DE FUTEBOL 7 DO BRASIL». www.cf7brasil.com.br. Consultado em 18 de outubro de 2017 
  16. «Associação». Consultado em 3 de junho de 2019 
  17. «Brasileirão Fut7». 25 de julho de 2014 
  18. «Grand Prix». 20 de maio de 2014 
  19. 3 de junho de 2019 https://hmgsports.wixsite.com/ligafut7/lf7b  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  20. 3 de junho de 2019 https://www.ligafut7.com.br/oevento  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  21. «Grupo RBS». 17 de abril de 2013 
  22. [1]

Ligações externasEditar