Abrir menu principal

GNU Lesser General Public License

Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde dezembro de 2013). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Logotipo de GNU LGPL
Logotipo GNU

A GNU Lesser General Public License, escrita em 1991 (e atualizada em 1999), é uma licença de software livre aprovada pela FSF e escrita como um meio-termo entre a GPL e licenças mais permissivas, tais como a licença BSD e a licença MIT.

A principal diferença entre a GPL e a LGPL é que esta permite também a associação com programas que não estejam sob as licenças GPL ou LGPL, incluindo Software proprietário.

Outra diferença significativa é que os trabalhos derivados, que não estão sob a LGPL, devem estar disponíveis em bibliotecas.

A LGPL acrescenta restrições ao código fonte desenvolvido, mas não exige que seja aplicada a outros softwares que empreguem seu código, desde que este esteja disponível na forma de uma biblioteca. Logo, inclusão do código desenvolvido sob a LGPL como parte integrante de um software só é permitida se o código fonte for liberado.

A LGPL visa à regulamentação do uso de bibliotecas de código, mas pode ser empregada na regulamentação de aplicações, como OpenOffice.org e Mozilla.

Outra característica importante é a possibilidade de conversão de apenas uma parte de um código sob a LGPL em outro, sob a GPL (ver seção 3 da licença).

Confusões comunsEditar

O artigo denominado "GNU Library General Public License" contribuiu para que algumas pessoas tivessem a impressão de que a FSF queria que toda as bibliotecas usassem LGPL e todos os programas usassem a GPL. Em 1999, Richard Stallman escreveu um ensaio explicando que não era o caso, e que ninguém deveria necessariamente usar a LGPL para bibliotecas.

Qual a melhor licença para determinada biblioteca é uma questão de estratégia, e isso depende da situação. No momento, a maioria das bibliotecas GNU são cobertas pela Library GPL, e isso significa empregar apenas uma das duas estratégias, em detrimento da outra. Pretendemos apenas que mais e mais bibliotecas estejam sob a licença GPL.

Isso não significa, contudo, que a FSF desaprove a LGPL, mas meramente não aconselha seu uso para todas as bibliotecas.

Usar a GPL comum não é vantajoso para toda biblioteca. Há razões que podem fazer com que seja melhor usar a Lesser GPL em certos casos.

R. Stallman e a FSF por vezes defendem licenças até menos restritivas que a LGPL como questão de estratégia (para maximizar a liberdade de usuários). Um exemplo proeminente foi o endosso de Stallman para o uso de uma licença BSD pelo projeto Vorbis para suas bibliotecas [1]. A licença usa terminologia que geralmente é para softwares escritos na Linguagem de programação C ou sua família. A Franz Inc. publicou seu próprio preâmbulo à licença para esclarecer a terminologia no contexto do Lisp. A LGPL, acrescentada a esse preâmbulo, é conhecida informalmente como LLGPL. [2]

Veja TambémEditar

Referências externasEditar