Ipixuna (escola de samba)

(Redirecionado de GRES Ipixuna)

O Grêmio Recreativo Escola de Samba Ipixuna é uma escola de samba de Manaus, no Amazonas. Anteriormente chamava-se G.R.E.S. Mocidade de Ipixuna, mas o termo "Mocidade" foi suprimido pela Diretoria em 2000.

Ipixuna
Fundação 7 de setembro de 1979 (42 anos)
Cores
Verde
Branco
Símbolo Tigre Asiático
Bairro Santa Etelvina[1][2]
Presidente Elizangela Almeida
Presidente de honra Ipujucan Gomes
Desfile de 2019
Enredo Do real ao imaginário: Mestre Zazá e a sua fábrica de sonhos

HistóriaEditar

A agremiação foi criada como "Mocidade Dependente do Bêco Ipixuna", então um bloco carnavalesco, no quadrilátero compreendido entre as ruas Ipixuna, Ramos Ferreira, Major Gabriel e Joaquim Nabuco, na região do Centro Histórico de Manaus, que englobava mais de uma dezena de becos[2], dentre os quais se destacavam: Betel e Ipixuna, além dos adjacentes Bêco da Marreca e Buraco do Pinto. Posteriormente a região se tornou um dos conjuntos habitacionais do projeto PROSAMIM I.[2]

Seus fundadores a princípio só queriam brincar descompromissadamente o Carnaval, mas devido ao sucesso obtido em seu primeiro ano, transformou-se em 1984 em escola de samba do 2º Grupo, sendo bi-campeã em 1984 e 1985.[2] Em 1986 a entidade tornou-se escola de samba do grupo principal, alterando sua denominação para a atual para Mocidade Independente do Beco Ipixuna, e desfilando com o tema: "O Filho da Terra", uma homenagem ao político amazonense Amazonino Mendes.

Em 1989 a Ipixuna chegou ao terceiro lugar geral do grupo principal das escolas de samba de Manaus. A verde e branco do Beco Ipixuna fez seu último desfile na Avenida Djalma Batista em 1990 com o enredo: "Verde que te quero ver-te". Afastou-se do carnaval entre 1991 e 1994, retornando em 1995. Desde então, nunca mais retornou à primeira divisão. Em 1995 seu enredo era uma homenagem ao povo Ianomami. Terminou o desfile na 7.ª colocação e, junto com a Primos da Ilha, desceram para o recém-criado Grupo de Acesso, denominado Grupo 1.

Em 1999 não houve desfile "oficial" do Acesso. Em 2000, apresentando o enredo "500 anos de Brasil, a história da Imigração", seu samba, de Daniel Sales, Aor Amorim e Bosco das Letras, foi divulgado em São Paulo pelo Carnavalesco Luizinho Vanucci, sendo considerado um dos melhores daquele ano. Já em 2001, abordou em seu desfile o bairro de São Raimundo, dos mesmos compositores, aproveitando também para homenagear o santo e do clube de mesmo nome. Em 2002 fez uma reedição de 1991, quando não houve desfile em Manaus, e apresentou o samba "Marabaixo", considerado um dos melhores do samba de Manaus.

Em 2004 desfilou com o enredo sobre o Império de Tahuantynsuyo, dos Incas, com um samba contendo 16 palavras em Quíchua, língua materna dos Incas e falada até hoje no Peru. Em 2005, com um belo samba, falava sobre a cidade de Maués. Em 2006 homenageou a Rua Marechal Deodoro.

A partir de 2007, a escola passou a seguir uma linha de enredos sobre a esquerda política[3], começando por uma homenagem à Juventude Socialista. A partir de 2008 migrou para o bairro de Santa Etelvina, na Zona Norte da cidade.[4] Em 2010 homenageou os professores e em 2011, o município de Anamã.[1]

No ano de 2012 abordou a história do Partido Comunista do Brasil em seus 90 anos de história. Em 2013 a Escola voltou a fazer seus ensaios em sua área histórica de fundação, onde hoje é o PROSAMIM, próximo à ponte da Avenida Leonardo Malcher. O enredo, em 2013, foi "Veja o mundo com bons olhos". Não desfilou em 2014 por causa da morte de seu baluarte, Ipujucan Gomes, ocorrida uma semana antes do desfile (21/02/2014). Em 2015 trouxe o enredo "Tributo ao Bom Malandro", homenageando seu fundador e ícone maior - Ipujucan Ferreira Gomes. Em 2016 a juventude foi o enredo, "A Força da Juventude". Em 2017, assim como outras 4 escolas da cidade, não desfilou. Em 2018 seu enredo homenageou o sambista, pesquisador e multimídia, professor Daniel Sales, que há mais de três décadas também integra a escola de samba.

SegmentosEditar

PresidentesEditar

Nome Mandato Ref.
Rui Moça 1981 - 1983
Ipujucan Gomes 1984 - 2013 [2]
Bosco das Letras 2015 - 2018
Elizangela Almeida 2019 -

Presidentes de honraEditar

Nome Mandato Ref.
Ipujucan Gomes 1984 - 2013

DiretoresEditar

Ano Diretor de Carnaval Diretor de harmonia Mestre de bateria Ref.
1995 Marins Danilo Gomes e Rigoney Mestre China
1996 a 1998 Comissão de Carnaval Rigoney Mestre Iron Maciel
2000 a 2011 Bosco das Letras Rigoney e Danilo Gomes Iron Maciel, Biju
2012 a 2015 Bosco das Letras e Alessandro Dion Suellen da 14 (2015) Iron Maciel
2016 Alessandro Dion Comissão Mestre Zizo
2017 a 2018 Comissão de Carnaval Comissão Iron Maciel
2019 Bosco das Letras Sandréia Iron Maciel

Carnavalescos

Ano Carnavalesco
2010 Chermo Fernandes
2011 Chermo Fernandes
2020 Chermo Fernandes


CoreógrafoEditar

Ano Nome Ref.
1995 a 2015 Aleixo
2016 Comissão de Carnaval

Casal de Mestre-sala e Porta-bandeiraEditar

Ano Nome Ref.
1995 a 2002 Bób e Dilza Veiga
2003 Bób e Andréa Lagoa
2004 Bob e Cleide Margarida
2006 a 2008 Bób e Geanne Uchoa
2009 Emanoel Fernandes e Cleide Margarida
2010 a 2013
2015 Da Silva e Iderlane Lago
2016 Vitor Calheiros e Helena Vieira
2017

Corte de bateriaEditar

Ano Rainha Madrinha Ref.
1997 a 1998 Yara Oliveira
2000 a 2003 Milla Oliveira
2004 Nayanne Europa Elza Oliveira e Taíza
2005 Danielle Vesta Gilmara
2006 Danielle Vesta
2007 Danielle Vesta Maria das Neves e Daniele Silva
2008 Danielle Vesta
2009 Thayanna
2010 a 2012 Ellen Juliana
2015 Lícia-Fla Kellen Araújo
2016 Vitória Aleixo e Kelly Tamara Oliveira
2017

CarnavaisEditar

Ipixuna
Ano Colocação Grupo Enredo Carnavalesco Intérprete Ref
1980 Hours Concours Blocos - 2º Grupo Balbina: sonho ou realidade?
1981 Vice-Campeão Blocos - 2º Grupo Raízes
1982 Vice-Campeão Blocos - 2º Grupo Minha Querida Manaus
1983 Campeão Blocos A Carnaval no Polo Norte
1984 Campeã 2º Grupo Ouro e Matas
1985 Campeã 2º Grupo Madrugada: 30 anos
1986 5º lugar 1º Grupo O Filho da Terra Ronaldo Borges Marinho
1987 6º lugar 1º Grupo Deusa da Luz
1988 6º lugar 1º Grupo Ouro Negro Paulo Santos
1989 3º Lugar 1º Grupo Um sonho quase Realidade Paulo Santos
1990 5º Lugar 1º Grupo Verde que te quero ver-te Logo Nazário
1991 Não houve desfile oficial em Manaus 1º Grupo Marabaixo Logo Nazário
De 1992 a 1994 a escola não desfilou
1995 7º lugar Especial Ianomami: a milenar convivência do homem com a natureza Ronaldo Marins Logo Nazário
1996 Vice-Campeã 1 Amazônia: Esperança do Terceiro Milênio Logo Nazário
1997 Vice-Campeã 1 A Ipixuna revive seus carnavais Logo Nazário
1998 4º lugar 1 Venho de Branco e Peço Paz Logo Nazário
1999 Não houve desfile oficial 1 Os barcos da Esperança
2000 Campeã (empate com outras três agremiações) 1 500 Anos de Brasil, De Lá para Cá, Ziriguidum Obá Obá! Where Samba Yayá - A História da Imigração Bosco das Letras Daniel Sales
2001 Campeã Hours Concours 1 São Raymundo - Povo de Fé, Raça e Tradição, e no Campo dá Olé! Comissão Logo Nazário
2002 3º Lugar 1 Marabaixo Comissão Logo Nazário
2003 3º Lugar 1 Mãos: Pra que ti Quero? Na Manha, no Toque... Na busca do aplauso Comissão Logo Nazário
2004 4º Lugar 1 Chicha: Uma Viagem pelo Império Inca Comissão Logo Nazário
2005 Vice-Campeã 1 Maués: Terra do Guaraná, do Progresso e da Folia Elza Oliveira Daniel Sales
2006 Vice-Campeã 1 Marechal Deodoro: Já Fui a Rua das Flores, Hoje sou o Coração que Bate mais Forte em Manaus Bosco das Letras Daniel Sales
2007 4º Lugar Acesso A Juventude Socialista Comissão Daniel Sales
2008 7º Lugar 2 Sou Negro, Sou Cidadão, Sou Quilombo do Tambor em Novo Airão Comissão Paulo Santos
2009 5º Lugar Acesso Mamãe me Embala Toda Prosa na Rede de Proteção à Pessoa Idosa Comissão Paulo Santos
2010 5º Lugar A O SINTEAM faz 30 Anos na Educação Chermo Fernandes Agnaldo do Samba [1]
2011 10º lugar Acesso Anamã, Terra Linda, Terra Amada. Onde Encontro meu Maior Tesouro: Minha Felicidade Chermo Fernandes Agnaldo do Samba
2012 5º Lugar Acesso B A Ipixuna vem a mais de mil com o Partido Comunista do Brasil em seus noventa anos! - 1 , 2 , 3, 4, 5, 1000, e viva o Partido Comunista do Brasil

Compositores: Bosco das Letras, Aor Amorim, Daniel Sales, Iomar Japonês e Brenner do Cavaco.

Comissão Agnaldo do Samba [3]
2013 5º Lugar Acesso B Veja a Vida com bons olhos Alessandro Dion Agnaldo do Samba
2014 Não desfilou Acesso B Tem Fogueira e balão e a Ipixuna na Avenida faz adivinhação Bosco das Letras
2015 6º Lugar Acesso B Tributo ao Bom Malandro: o Tigre do Samba Alessandro Dion Sandro Roberto
2016 6º Lugar Acesso C UNE/UBES, a luta pela Juventude Alessandro Dion Fábio Jackson Martins
2017 Não desfilou Acesso C Tem fogueira e tem balão e a Ipixuna na Avenida faz adivinhação Alessandro Dion Daniel Sales
2018 5º lugar Acesso C Daniel Sales: a Enciclopédia Alessandro Dion Fernando da Ipixuna
2019 2º lugar Acesso C Do real ao imaginário: Mestre Zazá e a sua fábrica de sonhos

Alessandro Dion Renildo Julião
2020 4º lugar Acesso B Muito prazer, meu nome é Santa Isabel do Rio Negro, princesa do reino encantado Tapuruquaras, estrela maior do teto do Brasil. Chermo Fernandes

Referências

  1. a b c Lidora. «Histórico». Consultado em 6 de novembro de 2010 [ligação inativa]
  2. a b c d e Daniel Sales / SG Produções (2008). É tempo de sambar. [S.l.]: Norte Mania. p. 191 
  3. a b Rota do Samba (14 de fevereiro de 2012). «Manaus: Ordem dos desfiles de todos Grupos e o raio-x do Acessos.». Consultado em 9 de setembro de 2014. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2014 
  4. «Enredos 2009». Consultado em 6 de novembro de 2010 [ligação inativa]