Galago é um gênero de pequenos primatas estrepsirrinos africanos da família Galagonidae, chamados jagra em português.[1][2] Em geral, são encontrados na maior parte da África subsaariana, variando do leste do Senegal à Somália e até a África do Sul (exceto seu extremo sul),[3] incluindo as ilhas de Bioko e Zanzibar. Eles são provavelmente um dos primatas mais numerosos da África e podem ser encontrados em uma grande variedade de habitats e zonas ecológicas, habitando áreas densamente florestadas, savanas e bosques abertos.[4]

Como ler uma infocaixa de taxonomiaJagra
Galago senegalensis
Galago senegalensis
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Primates
Família: Galagonidae
Género: Galago
É. Geoffroy, 1796
Espécies
Ver texto
Sinónimos

Chirosciurus Gervais, 1836
Macropus Fischer, 1811
Otolicnus Illiger, 1811
Sciurocheirus Gray, 1872
Galagoides Smith, 1833
Hemigalago Dahlbom, 1857

Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Galago

DescriçãoEditar

São pequenos primatas peludos com caudas longas e olhos grandes. As orelhas são, em proporção ao tamanho do corpo, as maiores entre os primatas.[5] Diferentes espécies às vezes são indistinguíveis, mesmo quando comparadas lado a lado, e sua diversidade não é inteiramente explicável anatomicamente.[6] Geralmente há uma variação notável na coloração e no tamanho do corpo, mesmo dentro de uma mesma espécie e entre populações.[7] A cor da pelagem varia entre as regiões do corpo, bem como entre as espécies, tipicamente variando de preto, marrom e cinza ao branco, com muitos mostrando uma tonalidade esverdeada, avermelhada ou alaranjada nas laterais e nos membros. Algumas espécies possuem uma faixa nasal, enquanto outras apresentam anéis escuros distintos ao redor dos olhos.[6]

Possuem um pescoço muito flexível, de modo que a cabeça pode girar em até 180 graus,[8] permitindo que tenham um amplo campo de visão durante a caça. Eles também têm orelhas altamente móveis que lhes permitem rastrear suas presas.[9] Discos achatados nas mãos permitem que segurem os galhos com firmeza. Eles também têm unhas pontiagudas que lhes dão estabilidade, pois se agarram a superfícies lisas de árvores e buscam insetos nas fendas, usando sua língua estreita e áspera.[4]

DietaEditar

Galagos geralmente consomem três tipos de alimentos em várias proporções e combinações: animais pequenos (principalmente insetos), frutas e gomas.

ComportamentoEditar

Os jagras vivem em árvores e são capazes de saltar distâncias significativas, até 2,5 metros ou mais, usando os discos achatados em seus pés e mãos para agarrar galhos.[10]

São animais noturnos e solitários, forrageando à noite e dormindo em árvores durante o dia. Geralmente, os adultos são solitários, mas algumas espécies, como G. moholi, podem ser encontradas dormindo em grupos de 2 a 7 durante o dia. À noite, os grupos se separam para se alimentar de forma independente. Os machos são principalmente agressivos uns com os outros; machos dominantes são os únicos a defender territórios e muitas vezes são os maiores e mais agressivos.[11] Eles mantêm contato social principalmente por meio da comunicação vocal, são até 18 chamadas diferentes, principalmente para anúncio territorial, espaçamento de longa distância e reagrupamento.[12]

DistribuiçãoEditar

São encontrados na maior parte da África Subsaariana, indo do leste do Senegal à Somália e descendo até a África do Sul (exceto seu extremo sul) e estão presentes em quase todos os países intermediários. No entanto, existem grandes diferenças em sua extensão e distribuição por espécies. G. senegalensis é a espécie mais difundida, estendendo-se do Senegal, no oeste da África central, até o leste da África. G. moholi tem uma ampla distribuição em grande parte da África Austral. G. gallarum tem distribuições mais restritas na África oriental e G. matschiei está restrito a Uganda.[13]

São encontrados em uma variedade de habitats, como bosques, savanas, florestas montanhosas, habitats ribeirinhos; favorecendo árvores com pouca grama ao redor.[14]

EspéciesEditar

Outras espécies que foram atribuídas a este gênero no passado são:

Referências

  1. «Nomes comuns de animais em português». DicionarioeGramatica.com. 2 de novembro de 2016 
  2. «mamiferosm». www.macua.org. Consultado em 6 de novembro de 2016 
  3. Nekaris, K. A. I.; Bearder, S. (2007). Primates in perspective. New York: Oxford. pp. 24–45 
  4. a b Sylvie Abrams (Novembro 2016). «LESSER GALAGO». neprimateconservancy.org. Consultado em 23 de outubro de 2020 
  5. Ankel-Simons F. (2007). Primate Anatomy: an introduction, 3rd Edition. San Diego: Elsevier Acad Pr. p. 724 
  6. a b Gron, KJ (8 de dezembro de 2008). «Primate Factsheets: Lesser bushbaby (Galago) Taxonomy, Morphology, & Ecology». Wisconsin National Primate Research Center. Consultado em 24 de outubro de 2020 
  7. Ambrose, Lesley. «Three acoustic forms of Allen's galagos (Primates; Galagonidae) in the Central African region"». Primates. 44 (1): 25–39. ISSN 0032-8332. doi:10.1007/s10329-002-0004-x 
  8. Grzimek's encyclopedia of mammals. New York: McGraw-Hill Publishing Company. 1990. ISBN 9780079095084 
  9. Sleeper, Barbara (1997). Primates: the amazing world of lemurs, monkeys, and apes. San Francisco: Chronicle Books. ISBN 9780811814348 
  10. Butynski, Thomas M.; de Jong, Yvonne A. (janeiro 2004). «Natural History Of The Somali Lesser Galago (Galago gallarum)». Journal of East African Natural History. 93 (1): 23–38. doi:10.2982/0012-8317(2004)93[23:NHOTSL]2.0.CO;2 
  11. Poynter, Therien. «Galago moholi (South African galago)». Animal Diversity Web 
  12. Schneiderová, Irena; Singh, Navinder J.; Baklová, Aneta; Smetanová, Milena; Gomis, Nicolas Benty; Lhota, Stanislav (2020). «Northern lesser galagos (Galago senegalensis) increase the production of loud calls before and at dawn». Primates. 61 (2): 331–338. doi:10.1007/s10329-019-00784-3 
  13. Fleagle, John G. (2013). «4. The Prosimians: Lemurs, Lorises, Galagos and Tarsiers». Primate Adaptation and Evolution 3 ed. San Diego: Academic Press. pp. 57–88. ISBN 978-0-12-378632-6 
  14. Schütze, Heike (2013). Field guide to the mammals of the Kruger National Park. Cape Town: Penguin Random House South Africa. ISBN 9781431701902 
  Este artigo sobre Primatas, integrado ao WikiProjeto Primatas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.