Galramento

O galramento ou lainte são denominações de diferentes gírias socioprofissional existentes em Portugal. Geralmente nas gírias socioprofissionais de pedreiros, oleiros, cardadores, vendedores, os processos preferidos na formação de novo vocabulário são a figura de estilo, a sufixação e adaptação de outras palavras de outras línguas e gírias. Alguns estudos apontam a origem em Molelos,[1] concelho de Tondela, pelos "artistas" da construção civil e vendedores, com o objectivo de função social a desempenha e enquanto o grupo existe um grupo altamente solidário que dela se serve como meio de defesa comum e de identificação de pertença. É um léxico já com alguma tradição entre os nativos daquele belo recanto. Em seguida é apresentado alguns exemplos da formação de novas palavras no lainte.[2]

Exemplos de galramentoEditar

abaixóles - abaixo

abispantes - olhos

afienhas - calças

algião - dinheiro

algines - dinheiro

alporrar - roubar

alporrote - ladrão

ámatilde - amanhã

andarilho - automóvel

areosa - areia

arguino - pedreiro

artife - pão

atiscar - ver

asa dura - avião

augaciar - cuidado, atenção

bah - surpresa

bascunço - saibro

bagual - agitada

barbeiro - mau motorista

beltro - bolso

bem capaz - dizer que a pessoa está errada

bérrea - ovelha

bombásia - panela

bombásio - púcaro

brancosa - cal

branquinho - beijinho

brocado - fome

bufa - carne

calcúrreos - sapatos

camoesa ou cascosa - laranja

campânulas - orelhas

canavarra - cântara

canavarro - copo

caneiro(a) - patrão/patroa

caô - mentira

capar o gado - ir embora

carapanã - mosquito

cardenho - casa

cardina - bebedeira

caroço - espanto

caruncho - carpinteiro

casqueiro - chapéu

cemitendes - cemitério

chafarrica - taverna

chibata - coisa muito boa

chiça - porco

chimas - chimarrão

chinoca - mulher mais velha, sem ser idosa

chispe - pé

chôna - noite

chosque ou chusqueiro - vinho

chosquins - testículos

chusmar - beber vinho

cimbres - cimento

cinape - vinagre

cocharra - colher

cocharra - pá

colono - pessoa do interior

comanência(o) - irmã(o)

cunhã - menina

corujo - azeite

cuiudo - sortudo

cúrria - aguardente

curumim - garoto

doçoso - açúcar

dónia - fome

esticante(S) - Braço(s)

escamuncho - bacalhau

esgueirar - fugir

espichar - morrer

esquivar - defecar

estronca - porta

fagonhir - cozinhar

ferralhas - dentes

fienha - camisa

fifas - caiador

finosa - tinta

finoso - vidro

firmeza - com certeza

focar - dar/estar

fungante - nariz

fusarca - brincadeira

fusquete - ânus

gadocha - mão

gadocho - pincel

galfarra ou gavia - rapariga

galfarro ou gavio - rapaz

galramento - conversa

galrar - falar

gâmbia - perna

gazula - cadela

gazulo - cão

gebro(a) - velho(a)

geriga - lenha

gindoque - rato

girado - bonito

giriga - lenha

gista - mestre

granízio - arroz

granjoeiro - grande

grépio - uvas

grízio ou grizalho - frio

gródio - sopa

gumarro - ovo

jângolas - horas

lanfeio - comida

lanfiar - comer

lapim - coelho

laúdo - pêssego

leote - peido

lhega - mulher

lhego - marido/homem

lhifo(a) - filho(a)

litrísio - litro

lomba - ladeira

longante - relógio

loros - socos

luneta - garrafa

luneto - garrafão

lúzio - dia

madranha - mãe

malheiro - sol

maróbia - massa

massa burra - barro

meduncho - medo

mesalfe - mês

meu bruxo - amigo

mínfio - cabelo

mitrola - cabeça

mocas - padre

monilha - fezes

monos - figos

moscô - caiu no flagrante da pulícia

moquideira - boca

morear - trabalhar

moreio - trabalho

mortambúzios - feijões

muntinásio - muito

nadante - peixe

negrinho - brigadeiro

nentes ou nanjo - nada

orelhas de mula - couves

padranho - pai

paivante ou fumego - cigarro

peleia - briga

papelosa - carta

pecado negro - azeitona

penosa - galinha

penoso - galo

pia - menino novo

picão - cinzel

pica - picadeira

pildro - cama

pingaruda - pêra

pisante - pé ou sapato

práusia ou prausieira - água

primêncio(a) - primo(a)

puxante - boi

rançosos - alhos

relfo - lume

rifote - gato

riscantes - fósforos

rolê - um passeio

roupízia - roupa

sanofo(a) - novo(a)

santosa - igreja

sapiêncio - sal

sarilha - bicicleta

sestear - dormir depois de comer

saquei - entendi

Siles/silotes - pénis

sígula - sardinha

súrvia - cerveja

sussa - tranquilo

terrancosa - terra

tibórneas - seios

tinêncio(a) - tio(a)

torrépias - batatas

trago - beber

trem - coisa

treta - confusão

troar - fugir

trovador - rapaz que dá em cima das outras meninas

tubão - soco na cara

tudeiro - tudo

turíbio(a) - tolo(a)

urnear - dormir

vaqueiro - queijo

ventanoso - vento

ventosa - janela

veranear - passar férias de verão

verbo - fala

verdiosa - maçã

vou pra casão - ir pro presídio

zaburro - milho

zipar - urinar

zoeira - bebedeira

zoeiro ou cardino - bêbedo

zular - beber água

Referências

  1. «Galramento, a linguagem de Molelos». Consultado em 20 de agosto de 2014. Arquivado do original em 26 de junho de 2015 
  2. Manuel Barros Ferreira (1985). «O Lainte breve apresentação de uma gíria». Revista Lusitana. Consultado em 24 de março de 2019 


  Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.