Gastão d'Escragnolle

político brasileiro

Gastão Luís Henrique de Robert d'Escragnolle (Gaston Louis Henri de Robert d'Escragnolle), primeiro e único barão d'Escragnolle no Brasil, e conde e marquês d'Escragnolle na França,[1] (Rio de Janeiro, 16 de abril de 1821 — Rio de Janeiro, 16 de junho de 1886) foi um nobre, militar e político franco-brasileiro.

Gastão d'Escragnolle
Nascimento 1821
Rio de Janeiro
Morte 1888 (66–67 anos)
Cidadania Brasil
Ocupação político

Era filho dos nobres franceses, Alexandre-Louis-Marie de Robert, conde d'Escragnolle, e Adelaide Francisca Madalena de Beaurepaire-Rohan, esta filha de Jacques Antoine Marc, conde de Beaurepaire, e irmã do visconde de Beaurepaire-Rohan. Seu pai, o conde d'Escragnolle, foi coronel comandante e governador das armas do Maranhão.[1]

Armas do barão d'Escragnolle.

Foi ajudante de ordens do Duque de Caxias. Abandonou a carreira militar como tenente-coronel e se dedicou à administração pública. Foi o autor de novos traçados na Floresta da Tijuca, que lhe deve seu embelezamento e sua projeção na cidade.

Há um monumento em sua honra levantado no Caminho da Floresta, perto do restaurante Os Esquilos, a quatro quilômetros da Cascatinha.

Sua irmã, Gabrielle Herminie de Robert d'Escragnolle, casou-se com o pintor francês Félix Émile Taunay, 2º barão de Taunay, sendo pais do visconde de Taunay. Félix Émile Taunay era filho do também conceituado pintor Nicolas-Antoine Taunay, 1º barão de Taunay.

Casou-se com Ana Leopoldina da Silva Porto, descendente de antiga família de Minas Gerais.[1]

BibliografiaEditar

  • CAMPOS, A., Dicionário de curiosidades do Rio de Janeiro, Da Costa e Silva, São Paulo, s/d.
  1. a b c «BookReader - Biblioteca Nacional». objdigital.bn.br. Consultado em 7 de maio de 2021