Georges Urbain

Georges Urbain (Paris, 12 de abril de 1872 — Paris, 5 de novembro de 1938) foi um químico francês.

Georges Urbain
Conhecido(a) por Descoberta do Lutécio
Nascimento 12 de abril de 1872
Paris
Morte 5 de novembro de 1938 (66 anos)
Paris
Nacionalidade Francês
Prêmios Prix La Caze (1912)
Campo(s) Química

Professor na Sorbonne, estudou na École supérieure de physique et de chimie industrielles de la ville de Paris (ESPCI ParisTech).[1] Descobriu o elemento Lutécio (número 71) em 1907.

ElementosEditar

 
O elemento lutécio, que Urbain chamou de "lutecia"
 
O elemento itérbio, que Urbain chamou de "neoytterbia"

Urbain desenvolveu técnicas novas e mais eficientes para a separação de terras raras. Tirando vantagem dos pesos das terras raras, ele foi capaz de projetar procedimentos para separar as frações leves das pesadas, usando nitratos de magnésio e bismuto. Isso o permitiu testar e refutar uma série de "descobertas" inexatas de terras raras reivindicadas por outros cientistas.[2]

Urbain descoberto o elemento de lutécio (número atómico 71), independentemente, em 1907 quando ele demonstrou que a itérbia de Jean Charles Galissard de Marignac continha duas substâncias. Por meio da análise espectral de ambos, ele foi capaz de caracterizá-los e provar que eram elementos distintos..[3]:701[4] Urbain chamou seus dois componentes de "neoytterbia" e "lutecia".[5]

 
O elemento háfnio, detectado por Urbain como "celtium"

Esses componentes da itérbia foram isolados de forma independente na mesma época pelo químico austríaco Carl Auer von Welsbach[6] e pelo químico americano Charles James.[3][7] Urbain e Welsbach acusaram um ao outro de publicar resultados baseados na outra parte.[5][8][9] A disputa foi oficialmente resolvida em 1909 pela Comissão de Massa Atômica, que concedeu prioridade a Urbain como o primeiro a descrever a separação do lutécio do itérbio. O "lutecia" de Urbain foi adaptado ao "lutécio". O nome de Urbain "neoytterbium" foi temporariamente adotado, mas mais tarde o nome de Marignac foi restaurado para o elemento itterbium.[5][10][11]

Em 1911, Urbain isolou outro novo elemento que chamou de "celtium", mas seus estudos foram interrompidos pela Primeira Guerra Mundial. Em 1922, ele anunciou seu novo elemento, caracterizando totalmente seu espectro de emissão, mas erroneamente identificando-o como uma terra rara. George de Hevesy e Dirk Coster também o caracterizaram, colocando-o com mais precisão, e o chamaram de "háfnium". Uma controvérsia de décadas sobre crédito e nomenclatura acabou sendo decidida em favor do háfnium. Embora Urbain estivesse certo em detectar a presença de um novo elemento, os espectros e o comportamento químico que ele descreveu não eram uma boa combinação para o elemento isolado mais tarde. Em parte, a controvérsia resultou das diferentes técnicas usadas por químicos como Urbain, que favorecia as técnicas de redução química, e físicos que cada vez mais dependiam de novos métodos de espectroscopia de raios-X.[12]

Em 1919, Urbain completou um extenso estudo de espectros de fosforescência e demonstrou que traços de impurezas podem alterar drasticamente os resultados. Ao introduzir impurezas em misturas preparadas artificialmente, ele foi capaz de duplicar os resultados relatados por outros pesquisadores, testando novamente alegações sobre possíveis novos elementos.[2]

Urbain também foi compositor e escultor.[13]

Referências

  1. ESPCI ParisTech Alumni 1893
  2. a b Marshall, James L. Marshall; Marshall, Virginia R. Marshall (2015). «Rediscovery of the elements: The Rare Earths–The Confusing Years» (PDF). The Hexagon: 72–77. Consultado em 30 de dezembro de 2019 
  3. a b Weeks, Mary Elvira (1956). The discovery of the elements 6th ed. Easton, PA: Journal of Chemical Education 
  4. Weeks, Mary Elvira (1932). «The discovery of the elements: XVI. The rare earth elements». Journal of Chemical Education. 9 (10): 1751–1773. Bibcode:1932JChEd...9.1751W. doi:10.1021/ed009p1751 
  5. a b c Urbain, M.G. (1908). «Un nouvel élément, le lutécium, résultant du dédoublement de l'ytterbium de Marignac». Comptes Rendus. 145: 759–762 
  6. Nature's building blocks: an A-Z guide to the elements. [S.l.]: Oxford University Press. 2003. pp. 492–494. ISBN 978-0-19-850340-8 
  7. «Separaton [sic] of Rare Earth Elements by Charles James». National Historic Chemical Landmarks. American Chemical Society. Consultado em 21 de fevereiro de 2014 
  8. Urbain, G. (1909). «Lutetium und Neoytterbium oder Cassiopeium und Aldebaranium – Erwiderung auf den Artikel des Herrn Auer v. Welsbach». Monatshefte für Chemie. 31 (10): 1. doi:10.1007/BF01530262 
  9. von Welsbach, Carl A. (1908). «Die Zerlegung des Ytterbiums in seine Elemente». Monatshefte für Chemie. 29 (2): 181–225. doi:10.1007/BF01558944 
  10. Evans, C. H., ed. (6 de dezembro de 2012). «Elements No. 70, 71 and 72: Discoveries and Controversies». Episodes from the History of the Rare Earth Elements. [S.l.]: Springer Science & Business Media. pp. 67–89. ISBN 9789400902879 
  11. Russell, A. S. (18 de maio de 1940). «Georges Urbain (1872–1938)». Journal of the Society of Chemical Industry. 59 (20): 343–350. doi:10.1002/jctb.5000592003. Consultado em 14 de dezembro de 2019 
  12. Mel'nikov, V. P. (1982). «Some Details in the Prehistory of the Discovery of Element 72». Centaurus. 26 (3): 317–322. Bibcode:1982Cent...26..317M. doi:10.1111/j.1600-0498.1982.tb00667.x 
  13. «Prof. Georges Urbain». Nature (em inglês) (3582): 1130–1130. 1 de junho de 1938. ISSN 1476-4687. doi:10.1038/1411130a0. Consultado em 12 de abril de 2021 

BibliografiaEditar

  • Russell, A. S. (1940). «Georges urbain (1872–1938)». Journal of the Society of Chemical Industry. 59. 343 páginas. doi:10.1002/jctb.5000592003 
  • Bram, G; Jacques, J (1997). «Geoges Urbain(1872–1938) et l'unification des théories chimiques». Comptes Rendus de l Académie des Sciences - Series IIB - Mechanics-Physics-Chemistry-Astronomy. 325. 27 páginas. doi:10.1016/S1251-8069(97)83260-5 
  • Davis, Tenney L. (1940). «Georges Urbain (1872-1938)». Proceedings of the American Academy of Arts and Sciences. 74 (6): 160. ISSN 0199-9818 
  • Weeks, Mary Elvira (1932). «The discovery of the elements: XVI. The rare earth elements». Journal of Chemical Education. 9 (10): 1751–1773. doi:10.1021/ed009p1751 
  Este artigo sobre um(a) químico(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.