Giovanni Antonio Guadagni

Giovanni Antonio Guadagni (Florença, 14 de setembro de 1674 - Roma, 15 de janeiro de 1759) foi um cardeal do século XVIII

Giovanni Antonio Guadagni
Cardeal da Santa Igreja Romana
Vigário-Geral de Sua Santidade para a Diocese de Roma
Info/Prelado da Igreja Católica
Atividade eclesiástica
Ordem Ordem dos Carmelitas Descalços
Diocese Diocese de Roma
Nomeação 1 de março de 1732
Predecessor Próspero Marefoschi
Sucessor Antonio Maria Erba Odescalchi
Mandato 1731-1759
Ordenação e nomeação
Profissão Solene 1 de novembro de 1700
Ordenação presbiteral 11 de março de 1702
Nomeação episcopal 20 de dezembro de 1724
Ordenação episcopal 31 de dezembro de 1724
por Lorenzo Corsini
Cardinalato
Criação 24 de setembro de 1731
por Papa Clemente XII
Ordem Cardeal-presbítero (1731-1750)
Cardeal-bispo (1750-1759)
Título Santos Silvestre e Martinho nos Montes (1731-1750)
Frascati (1750-1756)
Porto-Santa Rufina (1756-1759)
Dados pessoais
Nascimento Florença
14 de setembro de 1674
Morte Roma
15 de janeiro de 1759 (84 anos)
Nome religioso Frei Giovanni Antonio di San Bernardo
Nacionalidade italiano
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Nascimento editar

Nasceu em Florença em 14 de setembro de 1674. De família nobre. Filho único do marquês Donato Guadagni, de família senatorial, e de Maddalena Corsini. Sobrinho do Papa Clemente XII, por parte de mãe.[1]

Educação editar

Estudou na Universidade de Pisa, onde obteve o doutorado in utroque iure , direito canônico e civil, em 3 de maio de 1696.[1]

Início da vida editar

Obteve um canonicato no capítulo da catedral de Florença. Estudou na Universidade de Pisa. Foi para Roma exercer a advocacia. Regressou a Florença e decidiu abraçar a vida religiosa. Entrou na Ordem dos Carmelitas Descalços em Arezzo, contra a vontade de sua família; tomou o nome de Giovanni Antonio di San Bernardo; fez sua profissão solene em 1º de novembro de 1700; estudou filosofia e teologia nos conventos carmelitas de Florença.[1]

Sacerdócio editar

Ordenado em 11 de março de 1702. Em sua ordem, foi mestre de noviços; prior do mosteiro de S. Paolo em Florença; provincial da Etrúria; e fundador de um convento em Pisa. A pedido do grão-duque da Toscana, foi promovido ao episcopado.[1]

Episcopado editar

Eleito bispo de Arezzo, em 20 de dezembro de 1724, com dispensa do voto de não aceitar dignidades eclesiásticas. Consagrada, 31 de dezembro de 1724, igreja de S. Maria della Scala, Roma, pelo Cardeal Lorenzo Corsini, futuro Papa Clemente XII, auxiliado por Pietro Luigi Carafa, arcebispo titular de Larissa, e por Filippo Spada, bispo de Pesaro. Como bispo de Arezzo foi príncipe do Sacro Império Romano e conde de Cesa. Assistente do Trono Pontifício, 1º de janeiro de 1725 (1) . Por especial graça papal, foi-lhe concedido o pálio , próprio apenas dos arcebispos metropolitanos; ele o recebeu do Papa Clemente XII na capela privada do Palácio do Quirinale em 22 de novembro de 1730. Ele celebrou um sínodo diocesano em 1730.[1]

Cardinalado editar

Criado cardeal sacerdote no consistório de 24 de setembro de 1731; aceitou a promoção para a santa obediência; por um breve apostólico de 26 de setembro de 1731, o papa enviou-lhe o barrete vermelho; chegou a Roma de Arezzo no dia 7 de novembro seguinte; em 11 de novembro fez sua entrada solene pela Porta Pia ; recebeu o chapéu vermelho em 22 de novembro de 1731; e o título de S. Martino ai Monti, 17 de dezembro de 1731; tomou posse do título em 30 de dezembro. Atribuído à SS. CC. dos Bispos e Regulares, Imunidade Eclesiástica, Disciplina Religiosa, Ritos, Santo Ofício e Conselho Tridentino. Vigário geral de Roma e seu distrito, 1º de março de 1732. Renunciou ao governo da diocese de Arezzo, 4 de novembro de 1732. Protetor da Congregação Beneditina de Vallombrosa, 21 de agosto de 1734. Prefeito da SS.CC. da Disciplina dos Regulares e da Residência dos Bispos, janeiro de 1737 até sua morte. Abade commendatario de Grottaferrata, setembro de 1738. Participou do conclave de 1740, que elegeu o Papa Bento XIV. Camerlengo do Sacro Colégio dos Cardeais, de 28 de janeiro de 1743 a 3 de fevereiro de 1744. Optou pela ordem dos cardeais bispos e pela sé suburbicária de Frascati, em 23 de fevereiro de 1750. Subdecano do Sagrado Colégio dos Cardeais. Optou pela sede suburbicária de Porto e Santa Rufina, em 12 de janeiro de 1756. Participou do conclave de 1758, que elegeu o Papa Clemente XIII. Protetor da Congregação Beneditina dos Guglielmitimonges; dos Padres Escolápios; dos Padres da Doutrina Cristã; dos Padres Fateben Fratelli ; da Congregação dos Sacerdotes; da Academia Teológica; do Colégio Apostólico de' Sacerdoti ; do Seminário Romano ; e do Collegio Nazareno , Roma.[1]

Morte editar

Morreu em Roma em 15 de janeiro de 1759, in odore di santità . Sepultado no coro situado no lado esquerdo do altar-mor da igreja carmelita de S. Maria della Scala, no túmulo que ele mesmo construiu; ele também compôs a inscrição em seu túmulo (2) .[1]

Beatificação editar

O processo para iniciar a causa de sua beatificação foi aberto em 1763.[1]

Referências

  1. a b c d e f g h «Giovanni Antonio Guadagni» (em inglês). cardinals. Consultado em 30 de novembro de 2022