Abrir menu principal
Representação artística do incêndio, por Peter Suhr.

O Grande Incêndio de Hamburgo começou no início de 5 de maio de 1842 em Deichstraße e queimou até a manhã de 8 de maio, destruindo cerca de um terço dos prédios da Altstadt. O incêndio exigiu uma grande reconstrução da cidade e levou a melhorias na sua infraestrutura. A forte demanda de companhias de seguros também levou ao estabelecimento de resseguro.

Depois de três dias e noites, graças a uma nova mudança no vento e ao que restava das antigas muralhas da cidade, o fogo finalmente foi apagado às 7 horas do dia 8 de maio; a localização é marcada pelo nome da rua Brandsende, "fim do fogo", perto da estação principal. 51 pessoas morreram, incluindo 22 dos bombeiros, e cerca de um terço da cidade foi destruída, incluindo 1.700 edifícios residenciais que continham mais de 4.000 residências, mais de 100 armazéns, sete igrejas, duas sinagogas, 60 escolas e edifícios públicos, incluindo o Banco de Hamburgo, além do Rathaus.[1][2][3] Aproximadamente 20 mil pessoas ficaram desabrigadas, incluindo quatro senadores.[2][3][4]

Referências

  1. Matthew Jefferies, Hamburg: A Cultural History, Northampton, Massachusetts: Interlink, 2011, ISBN 978-1-56656-846-3, pp. 97–100.
  2. a b Schubert, p. 218.
  3. a b Wolfgang Poppelbaum, "Zur Geschichte der Hamburger Feuerkasse", in Claudia Schnurmann and Iris Wigger, eds., Tales of two cities: Hamburg & Chicago = Stadtgeschichten, Atlantic Cultural Studies 2, Berlin: Lit, 2006, ISBN 9783825892548, pp. 15–22, p. 18. (em alemão).
  4. Peter Borscheid, David Gugerli, and Tobias Straumann, ed. Harold James, The Value of Risk: Swiss Re and the History of Reinsurance, Oxford: Oxford University, 2013, ISBN 9780199689804, p. 44.

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre a Alemanha é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.