Grindhouse

Disambig grey.svg Nota: Para o filme de 2007, veja Grindhouse (filme). Para a arena de basquete, veja FedExForum.

Grindhouse ou action house[1] é um termo americano para um cinema que exibe principalmente filmes de terror, splatter e exploitation de baixo orçamento para adultos. De acordo com o historiador David Church, esse tipo de cinema recebeu o nome de "grind policy", uma estratégia de programação de filmes que remonta ao início dos anos 1920, que exibia continuamente filmes com preços reduzidos que normalmente subiam ao longo de cada dia.[2] Essa prática de exibição era marcadamente diferente da prática mais comum da época de menos shows por dia e preços graduais para diferentes seções de assentos em grandes cinemas urbanos, que eram tipicamente propriedade de estúdios.

Rua 42 em 1985 na Times Square, mostrando o Lyric, um dos vários cinemas grindhouse na época

HistóriaEditar

Devido à proximidade desses cinemas com formas controversas de entretenimento sexualizado como o burlesco, o termo "grindhouse" tem sido frequentemente associado erroneamente a teatros burlescos em áreas urbanas de entretenimento, como a Rua 42 na cidade de Nova York,[3][4] onde a dança bump and grind e o striptease eram apresentados.[5] No filme Lady of Burlesque (1943), um dos personagens se refere a um desses teatros burlescos na Rua 42 como "grindhouse", mas Church aponta que a definição principal no Oxford English Dictionary é para um cinema diferenciado por três critérios:[3]

  • Mostra uma variedade de filmes, em sucessão contínua
  • Baixas taxas de admissão
  • Os filmes exibidos são frequentemente de má qualidade ou de baixo mérito (artístico)

Church afirma que o primeiro uso do termo "grind house" foi em um artigo da Variety de 1923,[6] que pode ter adotado o uso da gíria contemporânea de "grind" para se referir às ações de ladradores exortando clientes em potencial a entrar no local.[3]

Contas duplas, triplas e "toda a noite" em uma única taxa de entrada muitas vezes encorajavam os clientes a passar longos períodos de tempo nos cinemas.[7] O meio foi amplamente e fielmente capturado na época pela revista Sleazoid Express.

Como os cinemas grindhouse eram associados a um público de classe baixa, os cinemas grindhouse gradualmente se tornaram vistos como lugares de má reputação que exibiam filmes de má reputação, independentemente da variedade de filmes — incluindo filmes de Hollywood subsequentes — que foram realmente exibidos.[8] Exibições semelhantes de segunda exibição são realizadas em cinemas de desconto e cinemas de bairro; as características distintivas do "grindhouse" são seu cenário urbano típico e a programação de filmes de estreia de baixo mérito, não predominantemente de filmes de segunda exibição que receberam grandes lançamentos.

Pressão da televisãoEditar

A introdução da televisão erodiu enormemente o público dos cinemas locais e de tela única, muitos dos quais foram construídos durante o boom do cinema na década de 1930. Em combinação com a decadência urbana após a fuga dos brancos das áreas urbanas mais antigas em meados da década de 1960, a mudança na economia forçou esses cinemas a fechar ou oferecer algo que a televisão não podia. Na década de 1970, muitos desses cinemas se tornaram locais para filmes exploitation,[5] como pornografia adulta e vulgar, ou terror slasher, e filmes dublados de artes marciais de Hong Kong.[9]

ConteúdoEditar

 Ver artigo principal: Filmes exploitation

Filmes rodados e exibidos em grindhouses caracteristicamente contêm grandes quantidades de sexo, violência ou assuntos bizarros. Um gênero de destaque foram os "roughies" ou filmes de sexploitation, uma mistura de sexo, violência e sadismo. A qualidade variava, mas valores de produção de baixo orçamento e baixa qualidade de impressão eram comuns. As opiniões críticas variaram em relação à tarifa típica do grindhouse, mas muitos filmes adquiriram seguidores cult e elogios da crítica.

DeclínioEditar

Em meados da década de 1980, os canais de filmes a cabo e o home video ameaçavam tornar o grindhouse obsoleto. No final da década, esses cinemas haviam desaparecido da Broadway e do Hollywood Boulevard de Los Angeles, da Times Square de Nova York e da Market Street de São Francisco. Outro exemplo foi o Jolar Theatre em Nashville, Tennessee, na parte baixa da Broadway, que funcionou até ser incendiado em 14 de abril de 1978.[10]

Em meados da década de 1990, esses cinemas em particular haviam praticamente desaparecido dos Estados Unidos; muito poucos existem hoje.

HomenagemEditar

O filme de Robert Rodriguez, Planet Terror, e o filme de Quentin Tarantino, Death Proof, que foram lançados juntos como Grindhouse em 2007, foram criados como uma homenagem ao gênero cinematográfico. Um filme com um mock-trailer em Grindhouse, Machete (também de Rodriguez), foi posteriormente transformado em seu próprio longa-metragem, com o cuidado de incluir a cena do trailer de Grindhouse (originalmente filmado como um trailer de um filme que não/nunca existiria). O lançamento canadense de Grindhouse incluiu um trailer falso adicional, Hobo With a Shotgun, que também foi posteriormente transformado em um longa-metragem. Filmes semelhantes, como Chillerama, Drive Angry e Sign Gene têm aparecido desde então. O filme Brawl in Cell Block 99, de S. Craig Zahler, é um exemplo moderno do gênero, junto com seu filme noir de 2018, Dragged Across Concrete.

Manhunt, Red Dead Revolver, The House of the Dead: Overkill, Wet, Shank, RAGE e Shadows of the Damned são vários exemplos de videogames que servem como homenagens aos filmes grindhouse.

O autor Jacques Boyreau lançou o livro Portable Grindhouse: The Lost Art of the VHS Box em 2009 sobre a história do gênero.[11] O campo também é o foco do documentário de 2010, American Grindhouse. Além disso, os autores Bill Landis e Michelle Clifford lançaram Sleazoid Express, uma homenagem aos vários grindhouses da Times Square, mas também uma história dos vários gêneros que cada cinema apresentava.

O programa de TV do Syfy, Blood Drive se inspira no grindhouse, com cada episódio apresentando um tema diferente.

O romance Our Lady of the Inferno é escrito como uma homenagem aos filmes grindhouse e apresenta vários capítulos que se passam em um cinema grindhouse.[12]

A série animada, Seis Manos, tem uma premissa semelhante aos filmes grindhouse de uma história de kung fu ocorrendo no México dos anos 1970 e é mostrada com um filtro de filme granulado semelhante e erros de projeção simulados.

O filme de terror de Ti West, X (2022), é uma homenagem ao grindhouse.[13]

GaleriaEditar

Referências

  1. Green, Jonathon (2 de outubro de 2013). Dictionary of Jargon (Routledge Revivals). [S.l.]: Routledge. ISBN 9781317908173 – via Google Books 
  2. Jenkins, Henry (31 de outubro de 2018). «Cult Conversations: An Interview with David Church (Part One)». Consultado em 8 de dezembro de 2022 
  3. a b c Church, David (Verão de 2011). «From Exhibition to Genre: The Case of Grind-House Films». Cinema Journal. 50 (4): 1–25. doi:10.1353/cj.2011.0053. Consultado em 24 de março de 2017. Cópia arquivada em 11 de maio de 2018 
  4. Church, David (2015). Grindhouse Nostalgia: Memory, Home Video, and Exploitation Film Fandom. Edinburgh: Edinburgh University Press. Consultado em 24 de março de 2017. Cópia arquivada em 11 de maio de 2018 
  5. a b «Grindhouse». Consultado em 10 de setembro de 2014. Cópia arquivada em 5 de agosto de 2010 
  6. «Two-a-Day Policy Failure in Canadian Grind Houses». Variety. 6 de dezembro de 1923. p. 19 
  7. Sanford, Jay Allen (17 de fevereiro de 2010). «Last of the all-nighters — My life on downtown's Grindhouse Theater Row in the 70s and 80s». San Diego Reader. Consultado em 24 de março de 2017. Cópia arquivada em 25 de março de 2017. I spent my first night in San Diego sleeping in the back row of the Cabrillo Theater.
     In that pre-Gaslamp, pre-multiplex downtown of 1978 or so, half a dozen wonderfully eclectic – if mildly disreputable – late night movie houses operated within a few blocks of each other. Each grindhouses was a colorful oasis, plopped down in the middle of a seedy urban sprawl perfectly suited to the sailors on shore leave and porn aficionados that comprised much of its foot traffic.
     A couple of bucks got you a double or triple bill, screened ‘round the clock in cavernous single-screen movie theaters harkening back to Hollywood's golden age, rich in cinematic history and replete with big wide aisles and accommodating balconies. Horton Plaza had the Carbillo [sic] and the Plaza Theater, both operated by Walnut Properties, whose owner Vince Miranda maintained a suite at the Hotel San Diego (which he also owned).
     
  8. Hendrix, Grady (6 de abril de 2007). «This Old Grindhouse». Slate. Consultado em 24 de março de 2017. Cópia arquivada em 25 de março de 2017. Because grindhouse theaters were nasty places, full of nasty people, and most of us wouldn't be caught dead in one. The few folks who were there for the actual movies were either poverty tourists or cinephiles who didn't notice anything except the flickering screen, and, in many cases, their cinephilia had burned out their sense of discrimination, because a lot of the movies that showed in grindhouses were bad. 
  9. «Cult Couture: THE GRIND-HOUSE». Fangoria. Arquivado do original em 14 de outubro de 2009 
  10. Empson, Frank. «Nashville Then: The Jolar Cinema fire on Lower Broadway in 1978». The Tennessean. Consultado em 23 de maio de 2022 
  11. Heather Buckley. «Attend the Portable Grindhouse: The Lost Art of the VHS Box Launch Party in Seattle». DreadCentral. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2009 
  12. «Fangoria Presents to Reissue 'Our Lady of the Inferno' - Diabolique Magazine» 
  13. «X review – back-to-basics slasher pits porn stars against elderly killers». the Guardian. 16 de março de 2022 

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar