Abrir menu principal

Grupo de Operações Especiais (São Paulo)

Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2013). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O Grupo de Operações Especiais (GOE), foi uma unidade de recursos especiais do Departamento de Polícia Judiciária da Capital da Polícia Civil do Estado de São Paulo.[1] (DECAP) com unidades no interior subordinados aos Departamentos de policia judiciaria do interior (DEINTERS) como por exemplo o GOE de Santos e também na capital o GOE do DENARC , o GOE do DPPC e o GOE do DECADE.

GOE
Grupo de Operações Especiais
GOE (Color).JPG
Estado  São Paulo  Brasil
Instituição Polícia Civil do Estado de São Paulo
Subordinação Departamento de Polícia Judiciária da Capital - DECAP , DENARC , DPPC , DECAD e DEINTERS
Sede São Paulo (Capital) e unidades no interior e litoral de São Paulo.
Efetivo Policiais civis especializados
Missão Operações policiais especiais
Direção
Direção Superior Delegado-Geral de Polícia
Chefe Delegado Supervisor do GOE
Outras informações
Criação 1991 ((Dissolução: 2019))

OrigemEditar

Grupo de Operações Especiais (G.O.E.) do Departamento de Polícia Judiciária da Capital (DECAP) foi criado em meados de 1991, tendo em vista o cenário policial que se desenhava na época.

Naquele contexto histórico e social, os indicadores de violência apontavam uma elevação de crimes contra a vida, (em especial homicídios) e contra o patrimônio (especialmente roubos a bancos, latrocínio e extorsões mediante sequestro).

Além disso, os Distritos Policiais da capital de São Paulo abrigavam presos de alta periculosidade e constantemente essas instalações públicas sofriam ataques de quadrilhas de marginais que tentavam resgatar os custodiados, além das inúmeras rebeliões de presos que ocorriam nas carceragens desses Distritos Policiais.

Diante desse cenário, o delegado de polícia diretor do DECAP à época, entendeu que na estrutura daquele órgão era necessário existir um grupo de policiais civis preparados para intervir nesses momentos de crise, apoiando as unidades de polícia judiciária, autoridades policiais e seus agentes. À época de sua criação o Diretor do DECAP era o Delegado de Polícia Dr. Cláudio Gobetti, que tinha um perfil operacional e desejou implantar esse GRUPO justamente para apoiar as equipes dos Distritos Policiais do DECAP nas ocorrências em que fossem acionados. Com o passar do tempo, as circunstâncias históricas que deram origem ao grupo mudaram e atualmente o G.O.E. é uma unidade de recursos especiais do DECAP que está permanentemente pronta para auxiliar qualquer órgão da polícia civil do estado de São Paulo a realizar as missões de polícia judiciária que a constituição federal e a legislação penal e processual penal lhe atribuem.

AtribuiçõesEditar

O G.O.E. é uma unidade de recursos especiais e tem por atribuição básica prestar auxílio às autoridades policiais e seus agentes no desempenho das missões de polícia judiciária afetas à Polícia Civil.

Esse auxílio normalmente se dá quando essas autoridades e agentes tenham que desenvolver atividades que, por sua complexidade, não possam ou não tenham recursos materiais adequados para realizar. Cabe ao G.O.E., na circunscrição do DECAP, as atividades de policiamento preventivo especializado.

Algumas atribuições básicas do G.O.E. são:

  • Cumprimentos de Mandados de Prisão e/ou de Busca e Apreensão;
  • Escolta e/ou remoção de presos de alta periculosidade custodiados nas carceragens da Polícia Civil, enquanto a custódia dos mesmos não for transferida à administração penitenciária;
  • Guarda de instalações públicas e/ou privadas de interesse da polícia civil;
  • Gerenciamento de crises, (tais como: motim de presos, resgate de reféns, controle de distúrbios civis, etc;) quando essas ocorrerem em unidades da polícia civil, ou ainda, no desenrolar de investigações policiais conduzidas pela mesma;
  • Incursões em áreas de risco, em apoio a outras unidades da polícia civil ou no desempenho de atividades de policiamento preventivo especializado;

Estrutura e composição do G.O.E. da capital de São Paulo (DECAP)Editar

O G.O.E. é composto, basicamente, da seguinte maneira:

  • Supervisão;
  • Setor de Inteligência;
  • Unidade de Treinamentos;
  • 3 (três) grupos táticos;

O grupo possui uma base operacional localizada no bairro do Campo Belo, zona sul, onde há toda a infraestrutura necessária para os policiais civis poderem realizar suas missões e treinamentos.

A base possui uma academia de ginástica e artes marciais, parede para escalada e uso de rapel, local para treinamento de CQC (close quarters combat ou combate em ambientes confinados), salas de instruções, de reuniões, alojamento, vestiários, oficina para manutenção de armamento e estacionamento.

Nesse local, os policiais realizam treinamento de condicionamento físico e de defesa pessoal, com ênfase em artes marciais como o Aikido e o Jiu jitsu. Também realizam treinamento de combate com facas e bastão retrátil, abordagem a veículos, uso de armamentos menos letais e outras que visem aprimorar a capacitação dos policiais integrantes do grupo.

Contudo, os treinamentos de tiro são realizados normalmente no campus de Mogi das Cruzes da Academia de Polícia.

Frequentemente são realizados intercâmbios e cursos em diversas e renomadas instituições nacionais, como: TEES, CTT/CBC[desambiguação necessária], CORE/PCERJ, Brigada Pára-quedista do Exército, Centro Tecnológico do Exército, e ainda estrangeiras, como o GEO da Espanha, SWAT of Miami/FL/USA, Orange County Bomb Squad FL/USA, Surefire Institute, International Tactical Police Association - ITPA, SWAT of Beaumunt Police Departament/Texas/USA.

Os policiais do G.O.E. estão habilitados em defesa pessoal, combate em ambientes confinados, patrulhamento e deslocamento em áreas de alto risco, gerenciamento de crises, especialização em explosivos, rapel tático, tiro de comprometimento, atuação e combate em emergências QBRN e outras atividades de operações especiais.

Muitos já trabalharam em outras unidades táticas e alguns inclusive já serviram por anos às Forças Armadas brasileiras.

Atualmente possui nos seus quadros policiais integrantes da Força Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, agregando essas experiências ao Grupo.

O brasão do G.O.E.Editar

O brasão do G.O.E. é formado por um escudo com fundo branco e características dos países do leste europeu, onde descansa um tigre, suportado por dois fuzis de assalto, sendo um AK-47 no lado direito e um AR-15 no lado esquerdo do escudo, que representam o conhecimento em armas e táticas especiais de combate.

Sobre o tigre estão gravadas em branco sobre um fundo azul as iniciais "GOE" e abaixo, acompanhando o formato do escudo, também em branco sobre o fundo azul, o lema: "OPERAÇÕES ESPECIAIS" As cores azul e branco têm quase o mesmo significado: paz e ordem, sendo que a primeira incentiva a criatividade e a segunda também significa limpeza.

ArmamentoEditar

Por ser uma unidade de recursos e operações especiais, os policiais civis do G.O.E. têm a sua disposição armamento diferenciado de outras unidades da Polícia Civil, como por exemplo:

Ver tambémEditar

Referências

Ligações externasEditar