Guerra da Escânia

parte das Guerras do Norte, envolvendo a união Dinamarca-Noruega, Brandenburgo e Suécia

A Guerra da Escânia (em dinamarquês: Skånske Krig, em norueguês: Den skånske krig, em sueco: Skånska kriget, em alemão: Schonischer Krieg) foi uma parte das Guerras do Norte envolvendo por um lado a união da Dinamarca-Noruega e Brandemburgo, e por outro lado a Suécia. Essa guerra transcorreu de 1675 a 1679 principalmente em solo da Escânia, nas antigas províncias dinamarquesas e norueguesas ao longo da fronteira com a Suécia e no norte da Alemanha. [1]

Guerra da Escânia
Scanian war.jpg
No sentido horário a partir do topo: Batalha de Fehrbellin, Batalha de Öland, frota de invasão dinamarquesa, Cerco de Landskrona, Batalha de Lund
Data 1675 - 1679
Local Escandinávia, Europa
Desfecho Tratado de Fontainebleau (1679);
Tratado de Lund (1679);
Tratado de Saint-Germain-en-Laye (1679)
Mudanças territoriais A Suécia cede a maior parte de suas áreas da Pomerânia a leste do Oder para Brandemburgo-Prússia
Beligerantes
Dinamarca Dinamarca-Noruega
República das Sete Províncias Unidas dos Países Baixos República Holandesa
Wappen Mark Brandenburg.png Brandemburgo-Prússia
 Sacro Império Romano-Germânico
Suécia Império Sueco
Reino da França Reino da França
Comandantes
Dinamarca Cristiano V
Wappen Mark Brandenburg.png Frederico Guilherme
Dinamarca Ulrik Gyldenløve
Dinamarca Niels Juel
Suécia Carlos XI
Suécia Magnus De la Gardie
Suécia Rutger von Ascheberg
Suécia Simon Grundel-Helmfelt 

Enquanto as últimas batalhas são consideradas como um teatro da Guerra da Escânia na historiografia inglesa, dinamarquesa, norueguesa e sueca, elas são vistas como uma guerra separada na historiografia alemã, chamada de Guerra Sueco-Brandemburgo (em alemão: Schwedisch-Brandenburgischer Krieg).

A guerra foi motivada pelo envolvimento sueco na Guerra Franco-Holandesa. A Suécia se aliou à França contra vários países europeus. As Províncias Unidas, sob ataque da França, buscaram o apoio da Dinamarca-Noruega. Depois de alguma hesitação, o rei Christian V iniciou a invasão de Skåneland (Scania, Halland, Blekinge e às vezes também Bornholm) em 1675, enquanto os suecos estavam ocupados com uma guerra contra Brandenburg. A invasão da Escânia foi combinada com uma frente norueguesa simultânea chamada Guerra Gyldenløve, forçando os suecos defensores a lutar em uma guerra de duas frentes, além de suas complicações no Sacro Império Romano.

O objetivo dinamarquês era recuperar as terras da Escânia que haviam sido cedidas à Suécia no Tratado de Roskilde, após as Guerras do Norte. Embora a ofensiva dinamarquesa tenha sido inicialmente um grande sucesso, as contra-ofensivas suecas lideradas por Charles XI, de 19 anos, da Suécia, anularam grande parte do ganho.

No final da guerra, a marinha sueca perdeu no mar, o exército dinamarquês foi derrotado na Escânia pelos suecos, que por sua vez foram derrotados no norte da Alemanha pelos brandenburgers. A guerra e as hostilidades terminaram quando o aliado da Dinamarca, as Províncias Unidas, estabeleceram-se com a aliada da Suécia, França, e o rei sueco Carlos XI se casou com a princesa dinamarquesa Ulrike Eleonora, irmã de Christian V. e Dinamarca-Noruega) e Saint-Germain-en-Laye (Suécia e Brandemburgo), restaurando a maioria dos territórios perdidos para a Suécia.[2]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Carl-Henrik Larsson e Stig Hadenius. «Skånska kriget» (em sueco). SO-rummet. Consultado em 23 de abril de 2021 
  2. «The Scanian War 1675-79». oresundstid.dk. 6 de junho de 2004. Consultado em 29 de março de 2021 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Guerra da Escânia
  Este artigo sobre história ou um(a) historiador(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.