Abrir menu principal
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido (desde junho de 2014). Ajude e colabore com a tradução.
Gustave d'Amécourt
Nascimento 16 de agosto de 1825
Paris
Morte 20 de janeiro de 1888 (62 anos)
Paris
Cidadania França
Ocupação engenheiro, arqueólogo, numismata
Prêmios Legião de Honra
Placa em homenagem a Gustave d'Amécourt na cidade de Trilport onde ele foi prefeito.

O visconde Gustave Ponton d'Amécourt (✰ Paris, 16 de agosto de 1825;  ✝ Seine-et-Marne, 1888) foi um numismata e arqueólogo francês.

Ele foi fundador e presidente da sociedade francesa de numismática e um de seus presidentes. Seus estudos profundos sobre as moedas da dinastia merovíngia, foram entregues à Société Historique et Archéologique du Maine da qual ele era membro.

FormaçãoEditar

Amigo de Félix Nadar e Júlio Verne, Gustave d'Amécourt foi um precursor e incentivador nos estudos de ambos. Erudito, estudou matemática, sânscrito, grego e latim, recebeu a comenda da Legião de Honra.

Contribuição para a aviaçãoEditar

 
A "hélice de Amécourt", fotografada por Nadar.

O termo "helicóptero" foi criado por Gustave d'Amécourt,[1] tendo como base as palavras gregas Helikos (hélice) e pteron (asa).

Esse termo foi usado oficialmente em pedidos de patente, primeiro na França em 3 de abril de 1861, depois na Inglaterra em 3 de agosto de 1861, sendo concedido apenas em 16 de julho de 1862.

Junto com Guillaume de La Landelle, Gustave d'Amécourt construiu um pequeno protótipo de helicóptero movido a vapor, sendo a caldeira desse motor a vapor uma das primeiras utilizações do alumínio.

Júlio Verne leu uma brochura publicada em 1863, onde Gustave descrevia sua invenção. Essa leitura serviu de inspiração na criação do romance de ficção científica Robur le conquérant publicado em 1885.[2]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Thierry Le Roy, « L'hélicoptère : une invention prometteuse au siècle XIX. », dans Pour la Science ISSN 0153-4092, Les génies de la science, No. 31, mai-juillet 2007.
  2. Jules Verne en 80 jours : Michel Meurger, « La Légende de la science », p.22 - Cité des sciences et de l'industrie (CSI), 2005

BibliografiaEditar

  • Gustave de Ponton d'Amécourt, « Les monnaies mérovingiennes du Cénomannicum », dans la Revue Historique et Archéologique du Maine, Le Mans, 1881-1882, tomes X, XI et XII. (voir aussi : coll. CD-RHAM, édition numérique, en mode image et texte, fonds de documentation interactive de la Revue Historique et Archéologique du Maine (1876 - 2000), Le Mans, 17 rue de la Reine Bérengère).

Ligações externasEditar