Abrir menu principal

Hasbará (em hebraico: הַסְבָּרָה hasbará, "explicação") designa o esforço israelense de relações públicas para difundir, no exterior, informações positivas ou propaganda do Estado de Israel e suas ações.[1][2]O termo é usado pelo governo israelense e seus apoiadores para descrever iniciativas que consistem em explicar as políticas governamentais e promover Israel, contrapondo-se à mídia desfavorável e ao que consideram como uma campanha de deslegitimização de Israel no mundo. Hasbara significa "explicação" e é também um eufemismo para simples propaganda.[3][4][5][6]

A hasbará dispõe de infraestrutura própria no governo de Israel, com sede no gabinete do Primeiro-Ministro e unidades nos ministérios da Defesa de Israel, das Relações Exteriores, do Turismo e na Agência Judaica para Israel.[7] A Hasbará nacional mantém contato permanente com indivíduos e organizações pró-israelenses de todo o mundo, coordenando-os para promover os objetivos e as atitudes do Estado de Israel.[7]

A hasbará é também apoiada por organizações sionistas e outras instituições israelenses. Existe um número significativo de websites de hasbará na Internet. Em 2009, durante o bombardeio da faixa de Gaza, o Ministério das Relações Exteriores israelense organizou voluntários para que escrevessem comentários favoráveis a Israel nos sites de notícias.[8][9][10] Em julho de 2009, foi anunciado que o Ministério das Relações Exteriores teria recrutado pessoas para uma "guerra pela internet", com o objetivo de espalhar uma mensagem favorável a Israel em vários websites, ao custo de 600.000 shekels (cerca de 150.000 dólares).[11][12]

Referências

  1. Shabi, Rachel (2 de janeiro de 2009). «Special spin body gets media on message, says Israel». The Guardian  The word 'hasbara' means, literally, 'explanation.'" Fein, Leonard. Spinning Out Of Control Arquivado em 22 de janeiro de 2005, no Wayback Machine., The Forward, 19 de julho de 2002.
  2. Bradley Shabi Burston (25 de maio de 2004). «The media war Israel cannot win». Haaretz 
  3. Propaganda and mass persuasion: a historical encyclopedia, 1500 to the present. Por Nicholas John Cull, David Holbrook Culbert, David Welch, ABC-Clio (2003), ISBN 1-57607-820-5, p. 191
  4. Fisher, Dan (28 de janeiro de 1988). «Israeli Army Belatedly Courting Media: Sets Up Tours, Issues Unrest Status Reports to Foreign Press». Los Angeles Times. It is all part of what Israelis call hasbara, a Hebrew word translated variously as "explanation," "interpretation" and "propaganda." 
  5. Krauss, Clifford (10 de maio de 1991). «Israel's Man, Scorched Once, Adjusts To Life in the Diplomatic Minefield». The New York Times. Mr. Shoval's talent for "hasbara"—the Hebrew euphemism for propaganda—is appreciated at American Jewish gatherings. 
  6. "Israel admits it has an image problem", The National, 16 de março de 2010
  7. a b Molad, the center for the renewal of Israeli democracy. «The Hasbara Apparatus: Units, Tasks and Areas of Responsibilit» (PDF) (em inglês) 
  8. Silverstein, Richard (9 de janeiro de 2009). «Hasbara spam alert». The Guardian 
  9. Jonathan Beck (18 de janeiro de 2009). «Latest hasbara weapon: 'Army of bloggers'». Jerusalem Post 
  10. Cnaan Liphshiz (19 de janeiro de 2009). «Israel recruits 'army of bloggers' to combat anti-Zionist Web sites». Haaretz 
  11. Ynet news, 10 de julho de 2009, «"Thought-police is here"». www.ynetnews.com 
  12. CounterPunch, 21 de julho de 2009, «"Team Twitter: Israel's Internet War"». www.counterpunch.org