Abrir menu principal
Hildeberto de Lavardin
Nascimento 1056
Lavardin
Morte 18 de dezembro de 1133 (77 anos)
Tours
Cidadania França
Ocupação poeta, escritor, padre católico
Religião Igreja Católica

Hildeberto de Lavardin ou Hildeberto de Tours (em latim: Hildebertus Turonensis; c. 105518 de dezembro de 1133) foi um escritor e clérigo francês. Seu nome aparece também como Hidalberto (Hydalbert), Gildeberto (Gildebert) e Aldeberto (Aldebert).

Índice

VidaEditar

Hildeberto nasceu de pais pobres em Lavardin, perto de Vendôme, e foi desde cedo destinado à igreja. Provavelmente um pupilo de Berengário de Tours, tornou-se mestre da escola de Le Mans. Em 1091, foi feito arcediago e, em 1096, bispo de Le Mans. Teve que enfrentar a hostilidade de parte de seu clero e também do rei Guilherme II da Inglaterra, que capturou sua cidade o levou cativo para a Inglaterra por um ano.

Viajou para Roma e tentou obter permissão para renunciar ao seu bispado, que o papa Pascoal II recusou-se a conceder. Em 1116, sua diocese foi atirada em grande confusão por causa da pregação de Henrique de Lausanne, que estava denunciando o alto clero, especialmente o bispo. Apesar de ter conseguido convencê-lo a deixar a região de Le Mans, os efeitos de seus discursos foram duradouros.

Em 1125, Hildeberto foi transladado contra sua vontade para a arquidiocese de Tours, onde entrou em conflito com Luís VI da França sobre os direitos do patronato eclesiástico e, com o bispo de Dol sobre a autoridade de sua sé na Bretanha. Presidiu o Sínodo de Nantes e morreu em Tours, provavelmente em 18 de dezembro de 1133. Hildeberto construiu parte da catedral de Le Mans. Alguns autores se referem a ele como santo, mas aparentemente não há autoridade para isto. Ele não era um homem de vida estrita, mas seus contemporâneos o tinham em grande estima, chamando-o de "egregius versificator".

ObrasEditar

As obras sobreviventes de Hilberto consistem principalmente de cartas, poemas, uns poucos sermões, duas "Vitae" (biografias) e um ou dois tratados. Uma edição de suas obras, preparada pelo maurista Antoine Beaugendre e intitulada "Venerabilis Hildeberti, prima Cenomanensis episcopi, deinde Turonensis archiepiscopi, opera tam edita quam inedita", foi publicada em Paris em 1708 e foi republicada com algumas adições por J-J Bourassé em 1854. Estas edições, porém, tem diversos defeitos. Elas creditam Hildeberto com numerosos escritos de outros e omitem alguns que são dele, fatos que afetaram a posição de Hildeberto na história do pensamento medieval.

Antes ele era visto como um filósofo, uma opinião que se baseava em sua autoria do importante "Tractatus theologicus" — que agora é atribuído a Hugo de São Vítor. Suas cartas foram muito populares nos séculos XII e XIII e eram frequentemente utilizadas como clássicos nas escolas da França e da Itália. Elas, que tratam da disputa entre o imperador Henrique V e o papa Pascoal II, foram editadas por Ernst Sackur e impressas na "Monumenta Germaniae historica. Libelli de lite ii" (1893).

Seus poemas, sobre vários temas, são desfigurados por defeitos de estilo e métrica, mas eram também muito populares. Hildeberto conseguiu alguma celebridade ainda como pregador, tanto em francês quanto em latim, mas apenas uns poucos de seus sermões sobreviveram, sendo que a maioria dos 44 que seus editores atribuem a ele sendo, na verdade, de Pedro Lombardo e outros.

As "Vitae" que Hildeberto escreveu são sobre Hugo de Cluny e Santa Radegunda. O "liber de Querimonia et Conflictu carnis et Spiritus seu animae" é, sem dúvida, obra sua. Hildeberto esa um excelente estudioso do latim, com bons conhecimentos de Cícero, Ovídio e outros autores, e seu espírito é mais o de um escritor pagão que o de um cristão.

Hildeberto enviou cartas e poemas para Adela da Normandia aconselhando-a a ser clemente e elogiando sua regência de Blois.

ReferênciasEditar

  • Barthélemy Hauréau, Les Mélanges poetiques d'Hildebert de Lavardin (Paris, 1882) e Notices et extraits de quelques manuscrits latins de la Bibliothèque nationale (Paris, 1890–1893)
  • P. de Deservillers, Un évêque au douzième siècle Hildebert et son temps (Paris, 1876)
  • Edward Augustus Freeman, The Reign of Rufus, vol. ii (Oxford, 1882)
  • Tomo XI da Histoire litteraire de la France
  • Tomo IV da Histoire littéraire du Maine (B.Hauréau).
  • H. Böhmer in Band viii. of Herzog-Hauck's Realencyklopädie (1900)
  • Adolphe Dieudonné, Hildebert de Lavardin, évéque du Mans, archévéque de Tours. Sa vie, ses lettres (Paris, 1898); Ver também: texto completo em Revue Historique et Archéologique du Maine, coll.DVD-RHAM, Société Historique et Archéologique du Maine, Le Mans, 2006.
  • Wilmart, A., Le florilège de Saint-Gatien. Contribution à l'étude des poèmes d'Hildebert et de Marbode, Revue Bénédictine 48 (1936) 3-40, 147-181, 235-258

Ligações externasEditar