Igreja autocéfala

Igreja Ortodoxa Autocéfala, ou Igreja Autocefalia,[1] é uma instituição com uma autonomia considerável em relação ao Papa, responsável por um território como a nível nacional, tendo o direito de resolver todos os problemas internos sem solicitar autorização externa, como por exemplo remover seu clero: bispos, arcebispo, patriarca ou metropolita.[2]

Igreja autocéfala
{{{imagem}}}
{{{legenda}}}
Fundador Miguel Cerulário
Independência autonomia Papal
Reconhecimento {{{reconhecimento}}}
Primaz {{{primaz}}}
Sede Primaz {{{sede}}}
Território oriental
Posses {{{posses}}}
Língua {{{língua}}}
Adeptos {{{população}}}
Site {{{site}}}

Apesar da certa independência, deve manter a comunhão canônica e sacramental com as outras igrejas.[2]

HistóricoEditar

Em 1054, surgiu a Igreja Ortodoxa ou Igreja Católica do Oriente, quando ocorreu o Cisma do Oriente, dividindo a Igreja Católica em: Romana e Ortodoxa, devido a uma disputa de interesses político e religioso na região do Mediterrâneo.[2]

Antes da divisão a Igreja Católica tinha duas lideranças, uma em Roma submetida ao Papa, e outra em Constantinopla submetida ao patriarca (liderança simbólica primus inter pares, do latim: “primeiro entre os iguais”).[1] A Católica de Constantinopla passou a discordar de alguns fundamentos, como a supremacia papal e o culto a imagens.[2]

Em 1054, o patriarca Miguel Cerulário foi excomungado de Roma, proclamando a separação oficial entre as duas igrejas, originando a Igreja Ortodoxa, ou Igreja Católica do Oriente.[2]

  Este artigo sobre religião é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. a b «O maior cisma desde 1054: entenda a nova ruptura na Igreja Ortodoxa». Gazeta do Povo. Consultado em 15 de março de 2021 
  2. a b c d e Brasil, Educa Mais. «Educa Mais Brasil - Bolsas de Estudo de até 70% para Faculdades – Graduação e Pós-graduação». Educa Mais Brasil. Consultado em 15 de março de 2021