Abrir menu principal

Igreja do Carmo (Viseu)

igreja em Viseu, Portugal
Igreja do Carmo
Fachada principal da Igreja
Tipo Igreja
Estilo dominante Gótica, Manuelino, Barroco
Início da construção século XVIII (estrutura geral do edifício)
século XVIII (fachada, capela-mor)
Função atual Religiosa, Museu
Website Diocese de Viseu
Património Nacional
Classificação  Monumento Nacional
Data 1738
Geografia
País Portugal
Cidade Viseu

A Igreja da Ordem Terceira Carmelita é templo da cidade de Viseu, freguesia de Santa Maria de Viseu, situando-se junto ao Jardim de Santa Cristina /Largo D. António Alves Martins e data de finais do século XVIII.

DescriçãoEditar

A actual igreja data de finais do século XVIII e as obras do conjunto do edifício arrastaram-se por muitos anos, resultando, no entanto, uma obra de grande impacto. A Igreja de Nossa Senhora do Carmo, no Largo de Santa Cristina, teve a sua origem num desentendimento entre frades e irmãos da Ordem Terceira de São Francisco. Os irmão franciscanos descontentes abandonaram os frades Capuchinhos e com o apoio dos Carmelitas Descalços decidiram criar a Ordem Terceira do Carmo. Procederam à eleição da Mesa da Ordem e no dia 29 de Abril de 1734 iniciaram um peditório, na cidade e nos arredores, para a construção da sua igreja. O local escolhido foi um olival perto da desaparecida Capela de Santo Amaro. Em 28 de Janeiro de 1735 os alicerces ficaram concluídos e de imediato o Deão da Sé, Martinho Lucas de Melo, benzeu a primeira pedra. A igreja foi inaugurada a 30 de Junho de 1738. O edifício sofreu algumas alterações e um novo anexo foi acrescentado recentemente. No século XIX foram acrescentadas a sacristia e a sala das sessões. O interior possui retábulos cobertos a folha de ouro, desde a nave à capela-mor de planta oitavada coberta com cúpula semiesférica em tijolo. No interior predomina a talha dourada joanina (de finais da primeira metade do século XVIII) que reveste a capela-mor, os retábulos do corpo principal, os púlpitos e as janelas. Os tectos da capela-mor e do arco do cruzeiro foram decorados pelo artista italiano Pascoal José Parente, em perspectiva e mostrando no centro a Virgem com o Menino ao colo a ser coroada por anjos. A capela-mor e o corpo da igreja são revestidos por um friso de azulejos rococó. O tecto do coro alto foi pintado, em 1862, pelo pintor viseense António José Pereira.

BibliografiaEditar