Igreja do Sinai

A Igreja do Sinai ou Igreja Ortodoxa do Monte Sinai (grego: Ορθόδοξη Εκκλησία του Όρους Σινά) é uma jurisdição ortodoxa autônoma, sob o omofório do Patriarcado de Jerusalém,[1] cujo território canônico consiste na península do Sinai, no Egito, e que está centrado no Mosteiro de Santa Catarina, no sopé do Monte Sinai. Seu Primaz é o Arcebispo do Monte Sinai e Raithu e Abade do Mosteiro de Santa Catarina, Damião Samardzis.[2] É a mais antiga e menor Igreja Ortodoxa autônoma.[3][4][5]

Igreja do Sinai
(Arquidiocese do Monte Sinai, Pharan e Raithu)
Katharinenkloster Sinai BW 4.jpg
Mosteiro de Santa Catarina
Fundador Justiniano (527)
Independência 553 d.C. (Segundo Concílio de Constantinopla)
Reconhecimento Patriarcado de Jerusalém, como Igreja autônoma (1575).
Primaz Arcebispo Damião
Sede Primaz Mosteiro de Santa Catarina; Cairo,  Egito (Residência do Primaz)
Território Sinai,  Egito
Posses  Egito,  Grécia,  Chipre, Líbano e  Turquia
Língua Grego
Adeptos 900
Site Mosteiro do Monte Sinai

HistóriaEditar

O Cristianismo na Península do Sinai apareceu o mais tardar no século III. Os primeiros monges eremitas apareceram bem cedo nestas áreas. Em 14 de janeiro de 305, durante a perseguição de Diocleciano, os primeiros cinco mártires foram presos na região do Monte Sinai e Raifa. No início, os monges e cristãos do Sinai estavam sob a omofório dos bispos de Faran e dos bispos de Ayla, o primeiro dos quais é Pedro, um dos pais do Primeiro Concílio Ecumênico.

A antiguidade da Arquidiocese do Sinai é evidenciada pelos materiais do Concílio de Calcedônia, onde na "Ordem dos Metropolitas e Arquidioceses da Sé Apostólica da Cidade Santa" a Arquidiocese do "Monte Sinai " é mencionada em 24º lugar.[6] O Quinto Concílio Ecumênico lista a Arquidiocese do Sinai na categoria de Igrejas autocéfalas em virtude dos privilégios concedidos pelo Imperador Justiniano ao Mosteiro de Santa Catarina. Em 681, quando o Bispo de Faran foi destituído de sua cátedra por Monotelismo, a sé episcopal foi transferida para o Mosteiro de Santa Catarina e o seu abade tornou-se bispo de Faran, e pouco depois a diocese de Raito (Raifa) passou para a sua jurisdição.[7] No início do século VIII, todos os cristãos da Península do Sinai estavam sob a jurisdição do arcebispo do Sinai.

Desde o século VII, a ordenação do arcebispo do Sinai é realizada pelo Patriarca de Jerusalém (seu nome é sempre comemorado durante o serviço divino no mosteiro), a cuja jurisdição o mosteiro passou em 640 após a conquista do Egito pelos muçulmanos e a resultante dificuldade de comunicação com o Patriarcado de Constantinopla.

No século XIV, além do mosteiro principal, a arquidiocese do Sinai incluía mais de uma dúzia de grandes mosteiros, que foram destruídos em 1400 durante a invasão das tropas do Governante do Egito, Malik-Takhar, então apenas o principal mosteiro de Santa Catarina e o mosteiro em Raif puderam sobreviver.

Oficialmente, a autonomia do Patriarcado de Constantinopla foi recebida apenas em 1575 (confirmada em 1782).[7]

Nos séculos XIX e XX, a Igreja possuía dependências no Império Russo - Bessarábia, Kiev e Tiflis.

Em 1986, a Igreja Ortodoxa do Sinai contava com cerca de 900 pessoas.[7]

EstruturaEditar

A Igreja do Sinai consiste no Mosteiro de Santa Catarina na Península do Sinai e várias Dependências: 3 no Egito e 14 fora do Egito: 9 na Grécia, 3 em Chipre, 1 no Líbano e 1 na Turquia (Istambul).[8] A maior dependência da arquidiocese é a Dependência de "Juvani" no Cairo (muitos dos arcebispos do Sinai viviam oficialmente na dependência).

O Primaz desde 1973 é Sua Eminência Damião Samartzis.[9]

Ver tambémEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Igreja do Sinai

Referências

  1. «CNEWA Canada – The Orthodox Church of Mount Sinai». web.archive.org. 30 de maio de 2010. Consultado em 20 de maio de 2022 
  2. OCA.
  3. Livingstone 2013.
  4. «Excerpts from the Orthodox Church by Bishop Kallistos Ware». www.fatheralexander.org. Consultado em 20 de maio de 2022 
  5. Galey, John (1980). Sinai and the Monastery of St. Catherine. Kurt Weitzmann, George H. Forsyth. Garden City, N.Y.: [s.n.] OCLC 6854460 
  6. «Синай, Византия, Русь. Юрий Пятницкий - Духовные нити. Мировоззрение и философия - Святая Земля и Святая Русь - Православный Поклонник на Святой Земле». palomnic.org. Consultado em 20 de maio de 2022 
  7. a b c «РОНАЛЬД РОБЕРТСОН». krotov.info. Consultado em 20 de maio de 2022 
  8. «The Holy Monastery of Sinai's Dependencies Out of Egypt». web.archive.org. 23 de setembro de 2012. Consultado em 20 de maio de 2022 
  9. «Православный календарь 2010». web.archive.org. 23 de junho de 2010. Consultado em 20 de maio de 2022 

BibliografiaEditar

  • Livingstone, E. A. (2013). «Sinai». The Concise Oxford Dictionary of the Christian Church. Oxônia: Imprensa da Universidade de Oxônia 

Ligações externasEditar