Abrir menu principal

Inácio Caetano Felicíssimo de Carvalho (Camurlim ou Camorlim, Bardez, Goa, 5 de Setembro de 1843 - 15 de Setembro de 1907), 1.º Visconde de Bardez, foi um goês que se distinguiu pela resistência às arbitrariedades da administração colonial portuguesa.

BiografiaEditar

Goês católico, era filho de Joaquim Salvador de Carvalho e Maria Eufregina Carlota de Noronha. Foi advogado[1] e presidente da câmara do município de Bardez, com sede em Mapuçá[2]. Foi-lhe concedido o título de 1.º Visconde de Bardez, em duas vidas, por Decreto de D. Carlos I de Portugal de 26 de Abril de 1894 (não consta ter havido verificação de segunda vida).[3]

Foi acusado de ser o "principal instigador e dirigente dos rebeldes" durante a revolta de Goa de 1895-1896[4], mas defendeu-se num folheto publicado em 1896 em Bombaim, após se refugiar na Índia britânica, alegando ter servido apenas de pacificador. Acusou o então capitão Manuel Gomes da Costa, que se distinguiu na repressão da revolta, de ter atiçado o conflito por mera ambição pessoal[5]. De facto, o Visconde de Bardez patrocinou a revolta dos soldados e manteve contactos com os rebeldes Ranes, que há muito lutavam contra as autoridades portuguesas.

A revolta dos soldados indianos começara com a recusa de duas centenas de cipaios de etnia Marata em integrar um contigente que deveria ser enviado de Goa para Moçambique, por ordem do governo português. O conflito, agravado pela intervenção dos Ranes na revolta, terminou com um perdão e amnistia para os revoltosos em 1897.

Referências

  1. Pratima Kamat, obra citada na Bibliografia, p. 92
  2. Leopoldo Rocha, obra citada na Bibliografia.
  3. Afonso Eduardo Martins Zúquete (dir.), Nobreza de Portugal e do Brasil, Lisboa: Editorial Enciclopédia, 2.ª Edição, 1989, vol. II, p. 401.
  4. Gomes da Costa, A Revolta de Goa e a Campanha de 1895-1896, Lisboa, Livraria Popular de Francisco Franco, 1939, p. 143.
  5. Visconde de Bardez, obra citada na Bibliografia.

BibliografiaEditar

  • Visconde de Bardez (Inácio Caetano de Carvalho), Apontamentos para a História da Revolta em Goa dos Soldados, Ranes e Satarienses em o Anno de 1895, Bombaim: Nicol´s Printing Works, 1896 [1].
  • Visconde de Vila Nova de Ourém (Elesbão José de Bettencourt Lapa), A Revolta dos Marathas em 1895, Lisboa: Tipographia Mattos Moreira e Pinheiro, 1900.
  • [Manuel de Oliveira] Gomes da Costa, A Revolta de Goa e a Campanha de 1895-1896, Lisboa: Livraria Popular de Francisco Franco, 1939 [2].
  • Pratima P. Kamat, "Mutiny in the Portuguese Indian Army", Govapuri - Bulletin of the Institute Menezes Braganza, 1999, pp. 69–102 [3].
  • Leopoldo F. da Rocha, O Visconde de Bardez (1843-1907), Lisboa: Gráfica Imperial, 1983.
  • [José Inácio de Loyola], O Visconde de Contrabando e a Revolta de 1895 em Goa, por um Indo-Portuguez, S.l., s.n., 1896 [4].