Abrir menu principal

In-A-Gadda-Da-Vida (canção)

"In-A-Gadda-Da-Vida"
Single de Iron Butterfly
do álbum In-A-Gadda-Da-Vida
Lançamento 1968
Gênero(s)
Duração 17:05
Gravadora(s) Atco
Composição Doug Ingle

In-A-Gadda-Da-Vida é uma peça de rock psicodélico épico de 17 minutos da banda norte-americana Iron Butterfly, lançado em 1968 e que deu nome ao álbum homônimo do grupo.

Gravada nos estúdios Ultrasonic, em Nova York, em 27 de maio de 1968, a canção, que ocupa todo o lado B do disco com seus mais de dezessete minutos de duração e foi escrita pelo cantor e tecladista Doug Ingle, é considerada pela VH1 como a 24ª melhor música de hard rock de todos os tempos[5] e chegou à 30ª posição do Billboard Hot 100[6] daquele ano, mesmo com a anomalia de ser um single com mais de quatro vezes a duração dos singles normais. Vendeu até hoje mais de três milhões de cópias como single.[7]

A canção figura ainda na 19ª posição da lista "100 Maiores One-Hit Wonders da história da música", elaborado pela VH1 em 2002.[8]

Importância no rockEditar

A música é considerada significante na história porque, junto com a versão de Summertime Blues do Blue Cheer, Voodoo Child de Jimi Hendrix e Born to be Wild do Steppenwolf - que contém a expressão 'heavy-metal thunder' em sua letra, a primeira vez que 'heavy metal' aparecia numa letra do rock 'n' roll - contém a raiz do ritmo pesado que levaria ao estabelecimento do que seria anos depois conhecido como heavy metal.

Outro fato da importância da música na história do rock, foi que In-A-Gadda-Da-Vida quebrou o padrão de músicas executadas por rádios FM nos Estados Unidos, até então com duração padrão de até três ou no máximo quatro minutos, com todos os seus dezessete minutos sendo primeiro tocados por DJs de rádios alternativas e depois pela mídia radiofônica em geral no país, estabelecendo um novo caminho para as composições do rock.[9]

Uma das mais emblemáticas músicas da era do acid rock, quase toda instrumental em sua longa duração, a canção - uma corruptela vocal do título original In the Garden of Eden, que, reza a lenda do rock & roll, eles não conseguiam pronunciar corretamente por estarem drogados ou bêbados durante a gravação [10][11] - foi gravada apenas para encher o tempo de estúdio, enquanto ela esperava pela chegada do produtor do disco e acabou transformando-se em sua música mais emblemática, seu maior sucesso comercial e um ícone dos anos do rock psicodélico.

Referências

  1. Browne, Ray Broadus; Browne, Pat (2001). The Guide to United States Popular Culture (em inglês). [S.l.]: Popular Press. p. 431. ISBN 9780879728212 
  2. Dimery, Robert (5 de dezembro de 2011). 1001 Songs: You Must Hear Before You Die (em inglês). [S.l.]: Octopus. p. 1076. ISBN 9781844037179 
  3. Hartman, Kent (19 de setembro de 2017). Goodnight, L.A.: The Rise and Fall of Classic Rock--The Untold Story from inside the Legendary Recording Studios (em inglês). [S.l.]: Da Capo Press. p. 34. ISBN 9780306824388 
  4. Phillips, William; Cogan, Brian (20 de março de 2009). Encyclopedia of Heavy Metal Music (em inglês). [S.l.]: ABC-CLIO. p. 117. ISBN 9780313348013 
  5. «spreadit.org music». Consultado em 7 de fevereiro de 2009 
  6. Huey, Steve (2008). "Iron Butterfly biography", AllMusic.
  7. ClassicBands.com
  8. cs.ubc.ca/ VH1 - 100 Greatest One Hit Wonders
  9. All Music:Iron Butterfly biography
  10. Stephen Thomas Erlewine, Review:In-A-Gadda-Da-Vida
  11. SignOnSanDiego

Ligações externasEditar