Abrir menu principal

Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad

(Redirecionado de Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia)
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa ou a usada não é a mais adequada. Foi sugerido que adicionasse esta.
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:
  • Não tem imagens.

O Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad (INTO) é um hospital público situado na cidade do Rio de Janeiro , vinculado ao Ministério da Saúde do Brasil, através da Secretaria de Atenção à Saúde. É uma instituição especializada em atendimento cirúrgico na área de ortopedia e traumatologia. Diretor-geral Naasson Trindade Cavanellas

Índice

HistóriaEditar

Desativado, o Hospital Central de Acidentados foi adquirido pelo INPS em 1973 para prestar atendimento em Traumatologia e Ortopedia e passou a se chamar Hospital de Tráumato Ortopedia - HTO, com a coordenação de uma equipe do Hospital de Bonsucesso.

Naquele momento, o Into começava a desenhar sua trajetória, através da implantação de técnicas inovadoras, próprias de países do primeiro mundo. Em setembro de 1984, foi acrescentado à sua denominação o nome Dr. Mário Jorge, uma homenagem ao primeiro chefe do serviço de ortopedia. Em 1986, sob nova direção, o Hospital passou a dar ênfase ao aperfeiçoamento dos profissionais e a ações comunitárias. A demanda de pacientes cresceu e o resultado do trabalho desenvolvido fez com que assumisse uma posição de destaque no Brasil.

O Hospital foi estadualizado em 1991 e passou por uma fase difícil, devido à escassez de recursos, mas nem por isso deixou de continuar prestando atendimento de qualidade. Uma nova direção assumiu o Hospital em 1992. O objetivo maior dessa diretoria era retornar o Hospital para a esfera federal, o que aconteceu em 1993, quando o HTO voltou a ser subordinado diretamente ao Ministério da Saúde.

No final de 1994, foi criado o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia, sob coordenação da Secretaria de Assistência à Saúde do Ministério da Saúde.

Em julho de 2011, o Into, como membro integrante da estrutura organizacional do Ministério da Saúde, passou a se chamar Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad de acordo com publicação do Diário Oficial. O novo nome é uma homenagem ao político e médico ortopedista. Em agosto do mesmo ano, foram iniciadas suas atividades na sede da Avenida Brasil, onde funcionava o antigo e tradicional prédio do Jornal do Brasil.

CaracterísticasEditar

O INTO é uma instituição especializada em atendimento cirúrgico e não presta serviços de emergência. Os pacientes encaminhados ao Into por outras unidades de saúde passam por um processo de triagem e são avaliados pelos especialistas que definem a indicação cirúrgica. Já em casos de indicação de tratamento conservador, o paciente é orientado a procurar outra unidade de saúde. Os pacientes que necessitam de uma cirurgia eletiva aguardam o procedimento em uma fila de espera, organizada segundo a doença ou procedimento necessário. A fila de espera está disponível na Internet. Cerca de dez mil pessoas aguardam por uma cirurgia no Into. O tempo médio de espera é de 36 meses para as quatro especialidades mais requisitadas, que são joelho, medicina desportiva, quadril e coluna. Nos serviços em que a demanda é menor, como, por exemplo, crâniomaxilofacial, mão, microcirurgia ortopédica, a fila formada refere-se somente ao tempo da realização do pré-operatório ambulatorial.

Centros de Atendimento
  • Tratamento da Dismetria e Deformidade do Aparelho Locomotor
  • Ortopedia da Criança e Adolescente
  • Cirurgia do Joelho
  • Cirurgia do Pé e Tornozelo
  • Cirurgia do Quadril
  • Microcirurgia Reconstrutiva
  • Oncologia Ortopédica
  • Cirurgia Crânio-Maxilo-Facial
  • Cirurgia da Mão
  • Trauma Ortopédico do Idoso
  • Trauma Ortopédico do Adulto
  • Centro de Amputados
  • Centro de Doenças da Coluna Vertebral
  • Cirurgia do Ombro e Cotovelo

O Instituto atende, exclusivamente, pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) e se destaca como um centro de excelência no tratamento de doenças e traumas ortopédicos, de média e alta complexidade.

Possui, atualmente, 15 consultórios, 144 leitos de internação, sendo 15 de terapia intensiva, e 8 salas cirúrgicas. Oferece serviços médicos nas 13 especialidades ortopédicas, contando com uma equipe de 2.093 funcionários.

Centro de referência no tratamento de doenças e traumas ortopédicos de média e alta complexidades, o Into recebeu, em março de 2006, a certificação máxima de qualidade para hospitais e clínicas médicas no mundo, concedida pela Joint Commission International . A certificação foi renovada em 2009 e 2012. Essa conquista é resultado de diversas ações voltadas para melhoria permanente da qualidade, como as semanas de imersão em cirurgias e o Projeto Suporte, criado em 2005, que inclui o trabalho de médicos do Into, fora de sua sede, levando atendimento a regiões onde os tratamentos ortopédicos são deficitários ou inexistentes.[1][2] O Projeto também promove a capacitação e reciclagem em traumatologia e ortopedia de especialistas nessas regiões, através das jornadas científicas, tendo sido firmados convênios pelo Instituto com todos os estados brasileiros. Desde a sua criação até o final de 2010, o projeto realizou 87 ações, 4.164 atendimentos, 2.133 cirurgias e 41 jornadas científicas[3]

Para melhor atender o público, o Instituto, constantemente, procura formas de ampliar sua capacidade cirúrgica, pois, para cada paciente operado em sua sede, outros oito entram na fila de espera.[4][5] Em 2005, foram realizadas 5,2 mil cirurgias, além de outras 91 pelo Projeto Suporte. Em 2006, a produção cirúrgica do Into foi de quase seis mil procedimentos, além das 360 cirurgias feitas pelo Programa Suporte em todo país. Para 2007, a estimativa era de sete mil cirurgias.

O Instituto possui um banco de tecidos que captura, processa, armazena e distribui livremente ossos e tecidos músculo-esqueléticos coletadas de cadáveres para o Sistema Nacional de Transplantes.[6][7]

Ensino e pesquisaEditar

O INTO é certificado como hospital de ensino, oferece programas de residência médica em ortopedia e traumatologia, enfermagem e farmácia. A instituição também apoia a promoção da qualificação técnica em procedimentos cirúrgicos ortopédicos de alta complexidade para os profissionais de todo o país. Além de oferecer regularmente treinamento intensivo ("imersão") em cirurgia ortopédica, hospeda conferências científicas. [6]

Através de uma rede integrada de telemedicina possinilita a discussão de casos de alta complexidade e promove o ensino de técnicas cirúrgicas em tempo real. Para os Jogos Olímpicos de 2016, o Instituto foi designado pelo Comitê Olímpico como o hospital de referência para atendimento ortopédico de atletas.

Dentro de sua estratégia para se tornar uma instituição de referência, não só na área da saúde e assistência médica, mas também no ensino e na pesquisa, o INTO promove o Curso de Mestrado Profissional em Ciências Aplicadas ao Sistema Musculoesquelético, aprovado pela Capes - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior do Ministério da Educação. O mestrado visa capacitar profissionais das áreas biológicas e da saúde, envolvidos com o diagnóstico, tratamento e reabilitação de pacientes portadores de doenças do sistema locomotor.

Referências

  1. Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad faz cirurgias na Região Norte. Por Nielmar de Oliveira. Agência Brasil, 9 de julho de 2012.
  2. Projeto leva médicos ortopedistas do Rio para cirurgias em Tocantins. Agência Brasil, 24 de junho de 2006.
  3. Apresentação. Trajetória, serviços e reconhecimento
  4. Instituto de traumatologia faz mutirão para atender crianças e adolescentes. Por Flávia Villela. Agência Brasil, 26 de novembro de 2013
  5. No Rio, instituto faz mutirão cirúrgico de quadril. Agência Brasil, 18 de novembro de 2013.
  6. a b International Society of Orthopaedic Centers. Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia
  7. Instituto de traumatologia informa que transplantes ósseos aumentaram 53%. Por Akemi Nitahara. Agência Brasil, 27 de setembro de 2014.

Ligação externaEditar