Abrir menu principal
Insurgência em Aceh (1976–2005)
IndonesiaAceh.png
Localização de Aceh na Indonésia
Data 4 dezembro de 1976 - 15 de agosto de 2005
Local Aceh, Indonésia
Desfecho vitória da Indonésia, acordo de paz de Helsínquia
  • Autonomia Especial para Aceh
  • O desarmamento do Movimento Aceh Livre
  • Saída de tropas indonésias não-orgânicas, deixando apenas 2.500 soldados na província
  • Missão de Observação de Aceh
  • Eleições regionais de Aceh em 2006
Combatentes
Indonésia
Indonésia
Flag of Free Aceh Movement.svg
Movimento Aceh Livre
Líderes e comandantes
Suharto Hasan di Tiro

A insurgência em Aceh foi travada pelo Movimento Aceh Livre (MAL) entre 1976 a 2005 a fim de obter a independência da Indonésia. A destruição causada pelo terremoto de 2004 no Oceano Índico trouxe um acordo de paz e um fim à insurgência.

AntecedentesEditar

Há uma divisão cultural e religiosa entre Aceh e o resto da Indonésia também. Uma forma mais conservadora do Islã que é dominante na maior parte da Indonésia é amplamente praticada em Aceh. As políticas amplamente seculares do regime de Suharto da Nova Ordem (1965-1998) foram especialmente impopulares em Aceh, onde muitos se ressentiam da política do governo central de promover um sistema unificado da "cultura indonésia".

Movimento Aceh LivreEditar

 Ver artigo principal: Movimento Aceh Livre

Durante a década de 1970, ao abrigo de acordos com o governo central da Indonésia, o petrolíferas americanas e as companhias de gás começaram a exploração dos recursos naturais de Aceh. A alegada distribuição desigual dos lucros entre o governo central e as populações nativas de Aceh induziram Hasan di Tiro, ex-embaixador de Darul Islam, a clamar pela independência de Aceh. Ele proclamou a independência de Aceh em 1976.

O movimento teve um pequeno número de seguidores, inicialmente, e o próprio Hasan di Tiro teve que viver no exílio na Suécia. Enquanto isso, a província seguiu a política de Suharto de desenvolvimento econômico e industrialização. Durante o final dos anos 1980, diversos incidentes de segurança levaram o governo central indonésio a tomar medidas repressivas e enviar tropas para Aceh. A violação dos direitos humanos foi excessiva na próxima década, resultando em muitas queixas por parte de Aceh em relação ao governo central da Indonésia.

Durante a década de 1990, o caos em Java e um governo ineficaz central deram vantagem ao Movimento Aceh Livre, que resultou na segunda fase da revolta, desta vez com grande apoio do povo de Aceh. Esse apoio foi demonstrado durante o plebiscito de 2000, em Banda Aceh, em que participaram cerca de meio milhão de pessoas (de quatro milhões de habitantes da província). O governo central indonésio respondeu em 2001, ampliando a autonomia Aceh, dando ao seu Governo o direito de aplicar a lei islâmica de forma mais ampla e o direito de receber investimentos estrangeiros diretos. Esta foi mais uma vez acompanhada por medidas repressivas, no entanto, e em 2003 iniciou-se uma ofensiva e um estado de emergência que foi proclamado na Província. A guerra ainda estava em curso quando o desastre do tsunami de 2004 atingiu a província.

Ver TambémEditar