Ivy King

Ivy King (Rei da Hera em português) foi a maior bomba nuclear de fissão pura já testada pelos Estados Unidos.[1] A bomba foi testada durante o governo Truman como parte da Operação Ivy. Esta série de testes envolveu o desenvolvimento de armas nucleares muito poderosas em resposta ao programa de armas nucleares da União Soviética.

Ivy King
Ivy King - mushroom cloud.jpg
A nuvem de cogumelo de Ivy King
País Estados Unidos
Série Operação Ivy
Local do teste Enewetak
Data 16 de novembro de 1952
Tipo de teste Atmosférico
Colheita 540 quilotons (2260 TJ)
Cronologia da série de testes
Ivy Mike
Upshot-Knothole Annie

Era para ter inicialmente seu fosso de urânio e plutônio, mas foi substituído por um fosso de 60 kg de puro urânio altamente enriquecido, o designer da bomba foi o físico Ted Taylor. Seu nome é king (Rei) por que kiloton (em português quiloton) também começa com K, sendo quilotons referência de bombas atômicas, forma um trocadilho de rei do quiloton (rei das bombas atômicas). A produção de Ivy King foi apressada para ficar pronta caso seu projeto irmão, Ivy Mike, falhasse em sua tentativa de conseguir uma reação termonuclear. O teste de Ivy King realmente ocorreu duas semanas após o teste de Mike. Ao contrário da bomba de Mike, o dispositivo Ivy King poderia teoricamente ter sido adicionado ao arsenal nuclear dos Estados Unidos, porque foi projetado para ser entregue no ar.

Video do teste do Ivy King

DetonaçãoEditar

Em 16 de novembro de 1952, às 11h30, horário local (23h30 GMT), um bombardeiro B-36H lançou a bomba sobre um ponto a 2,000 ft (610 m) ao norte da Ilha Runit no atol Enewetak, resultando em uma explosão de cerca de 540 quilotons[2] a 1,480 ft (450 m). A altura da tropopausa no momento da detonação era de cerca de 58,000 ft (18 km). O topo da nuvem King atingiu cerca de 74,000 ft (23 km) com a base do cogumelo a cerca de 40,000 ft (12 km).[3]

A bomba Ivy King, designada como bomba Mk-18 e denominada "Super Oralloy Bomb", era uma versão modificada da bomba Mk-6D. Em vez de usar um sistema de implosão semelhante ao Mk-6D, utilizou-se um sistema de implosão de 92 pontos desenvolvido inicialmente para o Mk-13. Seu núcleo de urânio - plutônio foi substituído por 60 kg de urânio altamente enriquecido (HEU) moldado em uma esfera de paredes finas equivalente a aproximadamente quatro massas críticas. A esfera de paredes finas era um projeto comumente usado, o que garantia que o material físsil permanecesse subcrítico até implodir. A esfera HEU foi então encerrada em um tamper de urânio natural. Para evitar fisicamente que a esfera HEU entrasse em colapso em uma condição crítica se os explosivos ao redor fossem detonados acidentalmente, ou se a esfera fosse esmagada após um acidente de avião, o centro oco foi preenchido com uma corrente feita de alumínio e boro, que foi puxada para armar a bomba. A cadeia revestida de boro também absorveu os nêutrons necessários para conduzir a reação nuclear. 

Referências

  1. «Complete List of All U.S. Nuclear Weapons». The Nuclear Weapon Archive, A Guide to Nuclear Weapons. 14 de outubro de 2006. Consultado em 10 de setembro de 2017 
  2. LA 7833-MS https://fas.org/sgp/othergov/doe/lanl/lib-www/la-pubs/00193930.pdf
  3. Operation Ivy. Project 7.5. Dispersion of Gaseous Debris from Nuclear Explosions; Philip W. Allen, Department of the Air Force, Washington, DC. Defense Technical Information Center, 1985.
  • Chuck Hansen (1995) Espadas do Armagedom. Publicado em CD-Rom apenas por Chukelea, Sunnyvale, CA.