Abrir menu principal
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes está sujeito a remoção.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Jean Renoir
Nascimento 15 de setembro de 1894
Paris, Île-de-France
Morte 12 de fevereiro de 1979 (84 anos)
Beverly Hills, Califórnia, Estados Unidos
Nacionalidade França francesa
Parentesco Pierre-Auguste Renoir (pai)
Ocupação cineasta, escritor, argumentista, encenador e ator
Prêmios Ganhou um Óscar honorário em 1975, em homenagem à sua carreira.

Ganhou o Prémio Bodil de melhor filme europeu, por La règle du jeu (1939).
Ganhou o prémio de melhor contribuição artística, no Festival de Veneza, por La grande illusion (1937).
Ganhou o Prémio Internacional, no Festival de Veneza, por Le Fleuve (1951).

Magnum opus A Regra do Jogo
A Grande Ilusão
A Besta Humana
Escola/tradição Realismo poético francês

Jean Renoir (Paris, 15 de setembro de 1894Beverly Hills, 12 de fevereiro de 1979) foi um cineasta, escritor, argumentista, encenador e ator francês.

Foi o segundo filho do pintor impressionista Pierre-Auguste Renoir e de Aline Victorine Charigot. Criado entre as artes, Renoir cresceu envolvido pela sensibilidade artística em um apartamento cujas paredes eram abarrotadas de quadros do seu pai

Incompreendidos e subestimados no seu tempo, os seus filmes são hoje considerados entre as obra máximas da arte cinematográfica (cf. a opinião de Orson Welles, entre outros). Realizou nove filmes mudos e 27 falados. Suas maiores obras foram A grande ilusão de 1937, um sensível relato sobre as condições de vida dos prisioneiros franceses e seus captores alemães durante a I Guerra Mundial, e A regra do jogo de 1939.

Seus filmes, a maioria pertencente à escola do realismo poético francês, marcaram profundamente o cinema francês entre 1930 e 1950, tendo aberto a porta à nouvelle vague. O diretor François Truffaut é aquele que mais explicitamente reconhece a dívida para com Renoir.

Em 1975, Jean Renoir recebeu da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, um Óscar especial que lhe foi entregue em reconhecimento ao conjunto de sua obra. Em 1976 foi condecorado pelo Ministério da Cultura da França.

Índice

FilmografiaEditar

Prémios e nomeaçõesEditar

  • Ganhou um Óscar honorário em 1975, em homenagem à sua carreira.
  • Recebeu uma nomeação ao Óscar de melhor realizador, por L'homme du sud (1945).
  • Ganhou o Prémio Bodil de melhor filme europeu, por La règle du jeu (1939).
  • Ganhou o prémio de melhor contribuição artística, no Festival de Veneza, por La grande illusion (1937).
  • Ganhou o Prémio Internacional, no Festival de Veneza, por Le Fleuve (1951).

Obras escritasEditar

  • Orvet. – Paris: Gallimard, 1955.
  • Renoir. Paris: Hachette, 1962. (réédition, sous le titre Pierre-Auguste Renoir, mon père: Paris: Gallimard, coll. « Folio », 1981)
  • Les cahiers du capitaine Georges. – Paris: Gallimard, 1966.
  • Ma vie et mes films. – Paris: Flammarion, 1974. – Réédition corrigée: Ma vie et mes films. – Paris: Flammarion, coll. « Champs » n° 501, 2005. – 265 p. 18 cm. – ISBN 2-08-081501-6.
  • Écrits 1926-1971. – Paris: Pierre Belfond, 1974.
  • Carola, in L'Avant-Scène Cinéma, 1 de novembro 1976.
  • Le cœur à l'aise. – Paris: Flammarion, 1978.
  • Julienne et son amour suivi de En avant Rosalie. – Éditions Henri Veyrier, 1978.
  • Le crime de l'anglais. – Paris: Flammarion, 1979.
  • Geneviève. – Paris: Flammarion, 1979.
  • Lettres d'Amérique. – Paris: Presses de la Renaissance, 1984.

Ligações externasEditar