João Cabeleira

guitarrista português


João Cabeleira
João Cabeleira, 2016.
Cidadania Portugal
Ocupação guitarrista
Prêmios Comendador da Ordem do Mérito

João Manuel Pereira Figueiredo Cabeleira conhecido como João Cabeleira[1] ComM, nascido a 14 de agosto de 1962, é um guitarrista português, membro da banda Xutos & Pontapés desde 1983, quando veio substituir Francis (até então, guitarrista de solo da banda).[2]

CarreiraEditar

Antes de ser guitarrista dos Xutos, era guitarrista dos Vodka Laranja, banda da qual foi fundador em 1979.

É considerado dos melhores guitarristas portugueses. Pode ser interpretado por muitos como sendo mal-humorado ou pouco sociável, mas na verdade a sua alegria e boa disposição estão sempre presentes, apesar de em palco isso não ser notório, pois prefere dedicar mais da sua atenção à música em si, do que à actuação, sendo uma presença essencial no som dos Xutos & Pontapés.

Existem filmagens de concertos no famoso clube Rock Rendez-Vous, recentemente editadas em DVD, em que assistia a um concerto da sua futura banda (Xutos) ainda antes de surgir a oportunidade de tocar com eles.

É o único elemento da banda que não participa vocalmente nos espectáculos (nem mesmo em segundas vozes), e apenas por uma vez ocupou o lugar central do palco para interpretar a música "Dantes", no concerto dos 15 anos dos Xutos no Coliseu de Lisboa, ao lado de 2 músicos que na altura faziam parte do line-up dos Delfins (Rui Fadigas, no baixo, e Jorge Quadros, na bateria, fazendo um excepcional uso de pedal duplo, que não existia nem nos Delfins, nem nos Xutos; Rui Fadigas também se rendeu a um baixo mais técnico e sentido do que aquele que nos habituámos a ouvir em ambas as bandas). Esta foi uma das actuações mais memoráveis dos Xutos & Pontapés (mesmo que não estivessem presentes na íntegra).

Em 2004, foi agraciado, juntamente com os restantes membros dos Xutos & Pontapés, pelo Presidente da República Jorge Sampaio, com a Ordem do Mérito.

Utiliza uma técnica solista bastante singular em que os seus fraseamentos e acordes são bastante diferentes daquilo a que nos habituámos a ouvir na guitarra solista de rock, ou de outro estilo qualquer.

Algumas das suas influências que se manifestam na sua técnica exímia de tocar guitarra são David Gilmour dos Pink Floyd e Jimi Hendrix.

Em 2019, contribuiu para a canção "Rapazes da Praia", hino do centenário do Clube de Futebol "Os Belenenses", clube do qual é adepto, onde mais uma vez ficaram patentes as suas qualidades na guitarra.

EquipamentoEditar

GuitarrasEditar

  • Hondo 'Les Paul'
  • Fender Contemporary Stratocaster
  • Washburn EC-29 ''Spitfire''
  • Gretsch G6122
AmplificadoresEditar
  • Peavey Mace
  • Peavey 5150
  • EVH 5150
EfeitosEditar
  • Electro Harmonix Microsynth

No livro «Aqui Xutos & Pontapés», Rolando Rebelo revela que a primeira guitarra elétrica de João Cabeleira foi uma Hondo adquirida em 1979 por 4.500$00, como resultado das poupanças feitas pelo músico, sobretudo provenientes de lembranças de aniversário e de Natal.

Mais tarde, na foto de capa do disco «Circo de Feras» - datado de 1987 -, o guitarrista enverga já uma Fender Stratocaster de cor preta, pickguard branca e braço em maple. É com este instrumento que faz pelo menos alguns dos concertos da tourné de promoção do álbum.

Por altura do lançamento do trabalho de seguinte, o álbum «88», João Cabeleira passou a usar como instrumento principal uma guitarra Fender, modelo Contemporary Stratocaster, de fabrico japonês, equipada com 1 humbucker, 2 pickups single coil e um sistema de tremolo Fender Schaller. O corpo dessa icónica guitarra é pintado a cinzento escuro metalizado, sendo a pickguard e a headstock pretas, enquanto a escala é em pau rosa. Este instrumento ainda hoje pode ser pontualmente visto em registos ao vivo dos Xutos & Pontapés, nalguns dos temas tocados em modo ‘acústico’.

Porém, a partir do álbum seguinte - «Gritos Mudos» -, e até ao momento presente, a principal guitarra do João passou a ser uma George Washburn EC-29 Spitfire de cor vermelha, com pintura emulando fissuras [crackle finish]. Trata-se de um instrumento equipado com 2 pickups ativos – um single coil, um humbucker e um tremolo Floyd Rose. Como backup, João Cabeleira utiliza duas outras Washburns similares, nas cores preta e branca.

Para lá das referidas Fender Contemporary Stratocaster e Washburn EC-29, João Cabeleira costuma tocar em concertos ‘acústicos’ com uma guitarra semi-acústica Gretsch G6122 cor de laranja. No primeiro registo que os Xutos fizeram dentro deste género, editado em 1995 com o nome «Ao Vivo na Antena 3», é visível a parte de trás deste instrumento na fotografia que ilustra o álbum.

Curiosamente, no espetáculo «Febre de Sábado à Noite», apresentado por Júlio Izidro em Matosinhos, em 2006, o guitarrista fez-se acompanhar de uma guitarra Gibson SG sunburst.

Mais tarde, em 2010 foi roubada uma carrinha dos Xutos & Pontapés contendo material de back line da banda no seu interior, nomeadamente, guitarras, baterias e amplificadores. Entre os instrumentos furtados encontravam-se guitarras do João Cabeleira. De acordo com uma notícia então publicada pelo Blitz, a mulher do músico, Ana Figueiredo Cabeleira [Bastet], dispôs-se a dar uma recompensa monetária a quem devolvesse o material dos Xutos & Pontapés.

No teledisco do tema «Tu Também (Há 10.000 Anos Atrás)», apresentado no final de 2013 para promoção do disco «Puro» - que sairia no dia do 35º aniversário da banda [a 13 de janeiro de 2014] -, João Cabeleira aparece a tocar com uma guitarra Ibanez.

Vida PessoalEditar

Em 1993, João Cabeleira vivia com Iolanda Batista e nesse mesmo ano teve a sua primeira filha.

Esteve casado com Ana Figueiredo Cabeleira, com quem teve uma filha em 2013.

Referências

  1. «Lista de associados da Audiogest» (PDF). Actividades Culturais / Ministério da Cultura. 25 de Julho de 2007. Consultado em 2 de Janeiro de 2014. Arquivado do original (PDF) em 24 de dezembro de 2013 
  2. «João Cabeleira». Discogs. Consultado em 7 de novembro de 2013 
  Este artigo sobre um(a) cantor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.