João Vaz de Almada

militar português
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de João de Almada, veja João de Almada (desambiguação).

João Vaz de Almada, senhor de juro e herdade de Pereira, foi Rico-Homem, Fidalgo do Conselho, vedor da Fazenda de D. Duarte (era-o em 1440) e de D. Afonso V.

Quando o seu irmão, o conde de Avranches, morreu na batalha de Alfarrobeira, foi ele que providenciou a sua sepultura[1] e recebendo como "herança" o Casal de Alcolema, em Algés. oferecida pelo rei a este seu secretário dos bens por ele expropriados[2].

Foi o preceptor de D. Jorge de Lancastre, filho de D. João II de Portugal[3].

BiografiaEditar

A 16 de Janeiro de 1449 o rei D. Afonso V privilegia Rodrigo Anes, morador na cidade de Lisboa, sobrinho de João Vasques de Almada, isentando-o de qualquer encargo concelhio, de ser posto por besteiro do conto, bem como do direito de pousada.

O mesmo rei, a 5 de Outubro de 1450, oferece a João de Almada, morador na vila de Almada, criado de João Vasques de Almada, vedor da casa régia e e a seu pedido, a possibilidade que a sua barca possa andar livremente de Almada para a cidade de Lisboa e seja isenta de cargas, encargos e servidões de pessoas[4].

A 14 de Março de 1463 D. Afonso V doou vitaliciamente a João Vasques de Almada, rico-homem, do seu Conselho, todos os direitos do pão, vinho, linho, legumes e outros, de Pereira e da Noura.

A 18 de Março de 1463 o mesmo rei doou a João Vasques de Almada, rico-Homem, do seu Conselho e vedor da fazenda, uma tença anual de 37.337 reais de prata, transmissíveis à sua mulher em caso de sua morte, e assentes na renda régia das sisas das herdades e panos de linho de Lisboa.

A 24 de Março de 1463 teve pelo seu casamento uma tença real de 37.337 reais de prata, dos quais 13.715 eram de sua mulher D. Violante de Castro.

A 14 de Outubro do mesmo ano, é nomeado de escrivão da Adiça[5][6].

Dados genealógicosEditar

Filho de: João Vaz de Almada

Casou com: D. Violante de Castro.

Tiveram
Teve ilegítimo

Referências

  1. A sociologia da representação político-diplomática no Portugal de D. João I, por Maria Alice Pereira dos Santos, Doutoramento em História Medieval, Universidade Aberta, Lisboa – Janeiro de 2015, nota 1439 pág. 363
  2. Historia da sociedade em Portugal no seculo XV, por António de Sousa Silva Costa Lobo, Imprenta nacional, 1904, pág. 484
  3. História Libidinosa de Portugalm por Joaquim Vieira, Leya, 7/11/2019
  4. João de Almada, morador na vila de Almada, criado de João Vasques de Almada, vedor da casa régia e e a seu pedido, permitindo que a sua barca possa andar livremente de Almada para a cidade de Lisboa e seja isenta de cargas, encargos e servidões de pessoas, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Código de ref.:PT/TT/CHR/I/0011/001207
  5. Provisão régia nomeando João Vaz Almada como escrivão, Registrado no livro 9 da chancelaria do rei d. Afonso V, volume 5º, página 151 in médio, Biblioteca digital Luso-Brasileira
  6. Provisão régia nomeando João Vaz Almada como escrivão, Registrado no livro 9 da chancelaria do rei d. Afonso V, cópia manuscrita registada no livro nº 9 da Chancelaria da D. Afonso 5º, documento em pdf, Biblioteca digital Luso-Brasileira
  7. «Genealogias das Famílias de Portugal», por Afonso Torres e continuada por Luís Vieira da Silva, capitulo dos Almadas, ano de 1694
  8. Nobreza e Ordens Militares, Relações Sociais e de Poder, séc. XIV a XVI, pág. 194
  9. «Direcção-geral de arquivos». Arquivo Nacional da Torre do Tombo 
  10. «Aguilar de Campóo, Grandes de España». Grandesp.org.uk 
  11. «Genealogias das Famílias de Portugal», por Afonso Torres e continuada por Luís Vieira da Silva, capitulo dos Almadas, ano de 1694

BibliografiaEditar

  • Soveral, Manuel Abranches de - «Ascendências Visienses. Ensaio genealógico sobre a nobreza de Viseu. Séculos XIV a XVII», Porto 2004, ISBN 972-97430-6-1. 2 volumes.
  • Baquero Moreno, Humberto - «A Batalha de Alfarrobeira: antecedentes e significado histórico », edição da Biblioteca da Universidade de Coimbra, 1979.
  • Gomes Eanes de Azurara, «Chronica del Rei D. Joam I de boa memória. Terceira parte em que se contam a Tomada de Ceuta», Lisboa, 1644

Ligações externasEditar