Abrir menu principal

Joaquim António de Morais Carneiro

Joaquim António de Morais Carneiro (Tinhela, Valpaços, 1792Lisboa, 11 de setembro de 1873) foi um juiz e desembargador português. Serviu nas colónias orientais portuguesas, sendo desembargador das relações na Índia Portuguesa e juiz em Macau.

Participou da Junta Provisional que governou a Índia entre 1835 e 1837, após a deposição do marechal Joaquim Manuel Correia da Silva e Gama do cargo de governador da Índia[1]. Entre 1836 e 1837, a junta governou apenas sobre Goa, ficando Damão e Diu sob o governo de Bernardo Peres da Silva.

Já como juiz em Macau, em 1849, com o brutal assassinato de João Maria Ferreira do Amaral, toma assento do Conselho de Governo em Macau, entre 22 de agosto e 30 de maio de 1850[2][3].

Residiu na Rua da Procissão, número 50, 3º andar, da freguesia das Mercês, de Lisboa, onde faleceu aos 81 anos de idade, sem nunca ter casado. Encontra-se sepultado no seu jazigo (número 1164), do Cemitério dos Prazeres.

Referências

  1. José Joaquim Lopes de Lima, Francisco Maria Bordalo (1862). Ensaios sobre a statistica das possessões portuguezas na Africa occidental e oriental; na Asia occidental; na China, e na Oceania. escriptos. [S.l.]: Imprensa Nacional 
  2. 附件一: 澳門大事記(Enciclopédia de Macau Web)
  3. O Boletim do governo de Macau. [S.l.]: Imprensa Nacional. 1866. 200 páginas 
Precedido por
Joaquim Manuel Correia da Silva e Gama
Conselheiro de Governo do Estado da Índia
com João Casimiro Pereira da Rocha de Vasconcelos, Manuel José Ribeiro, Frei Constantino de Santa Rita, João Cabral de Estefique, António Maria de Melo, António Mariano de Azevedo, José António de Lemos

1835 — 1837 (a partir de 1836 apenas em Goa)
Sucedido por
Bernardo Peres da Silva (em Damão e Diu, a partir de 1836)