Abrir menu principal
John Smith Athelstane
O Conde de Carnota.
Nascimento 9 de maio de 1813
Londres
Morte 16 de abril de 1886 (72 anos)
Alenquer
Sepultamento Cemitério do Alto de São João
Ocupação escritor
Prêmios Comendador da Ordem Militar de Cristo

John Smith Athelstane ComC, primeiro e único Conde da Carnota, filho de Michael Athleston-Smith e de Sarah Walton. Foi diplomata inglês erudito e durante muitos anos residiu em Portugal. Irmão da segunda mulher do primeiro duquesa de Saldanha, nasceu em Londres a 9 de maio de 1813 e morreu na sua Quinta da Carnota (Alenquer) a 16 de abril de 1886.[1] Está sepultado no Cemitério do Alto de São João no Jazigo da Carnota.[2]

BiografiaEditar

 
Jazigo da Casa de Carnota, Cemitério do Alto de São João, Lisboa

Os seus estudos, orientados originalmente para o Direito, foram depois abandonados para ingressar na Diplomacia. Nas suas viagens pela Europa como secretário do Duque de Saldanha colheu nos arquivos das chancelarias os elementos para as suas importantes obras. Em 1852 comprou a Quinta da Carnota, antigo convento de Santa Catarina, perto do lugar de Refugidos, Cadafais (Alenquer), e ali se estabeleceu.[3]

Em 1843 publicou em Londres a sua obra em dois volumes intitulada Memoirs of the Marquis of Pombal, a lith extracts from his writings and from despatches in the State-paper office never before published, que foi traduzida em português por J. M. da Fonseca e Castro, e a tradução publicada em Lisboa em 1872. Em 1871 publicou em Londres a segunda edição da obra inglesa, mas bastante alterada, sob o título The Marquis of Pombal by the Conde da Carnota. Em 1880 publicou, também em inglês, Memoirs of the Duke of Saldanha, 1880, em dois volumes.[3]

Foi Comendador da Ordem Militar de Cristo e, por decreto de 9 de agosto de 1870, D. Luís I agraciou-o com o título de Conde da Carnota. Casou, a 30 de abril de 1850, em Inglaterra, com Miss Anne Tilby que veio a falecer na Quinta da Carnota a 7 de novembro de 1856 tendo sido sepultada na igreja da mesma quinta, deste casamento não houve filhos. Deixou a sua fortuna a Guilherme João Carlos Henriques que seguiu e honrou a sua obra. Foi também distinto pintor, havendo algumas telas valiosas do seu pincel.[3]

Obras do AutorEditar

  • Memoirs of Field-Marshal the Duke de Saldanha, with selections from his correspondence (Volume 1)
  • Memoirs of Field-Marshal the Duke de Saldanha, with selections from his correspondence (Volume 2)
  • Memoirs of the Marquis of Pombal; with extracts from his writings, and from despatches in the state paper office, never before published (Volume 1)
  • Memoirs of the Marquis of Pombal; with extracts from his writings, and from despatches in the state paper office, never before published (Volume 2)
  • The Marquis of Pombal by the Conde da Carnota

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

Referências

  1. MATTOS E SILVA, António de "ANUÀRIO DE NOBREZA DE PORTUGAL", Dislivro, (2006), Lisboa ISBN 9789728876661
  2. HENRIQUES, Guilherme João Carlos "ALENQUER E SEU CONCELHO Parte XI - A Freguesia de Santo Estêvão Fasciculo II - O Ex-Convento da Carnota", Ediç. A Liberal, 1901 Lisboa,155x230 mm, 38pp, Capa mole
  3. a b c vários autores "GRANDE ENCICLOPEDIA LUSO-BRASILEIRA", VOL V pág. 980 CARNOTA (Conde de) Editorial Enciclopédia Limitada, (S/data), Lisboa/Rio de Janeiro