José Luís Gomes

político brasileiro
José Luís Gomes
Nascimento 1791
Morte 30 de janeiro de 1855 (64 anos)
Cidadania Brasil
Ocupação político

José Luís Gomes, primeiro e único Barão de Mambucaba, (c.1791 - Piraí, 30 de janeiro de 1855) foi um fazendeiro e político brasileiro.

BiografiaEditar

Era filho do português Francisco Luís Gomes (irmão do escritor Pe. Dr. Alexandre Caetano Gomes) e de Ana Margarida de Jesus de Sousa Breves, neto materno de Antônio de Sousa Breves. Era primo da Baronesa de Piraí,cujo pai Capitão Mór Jose de Souza Breves era irmão de sua Mãe Ana Margarida de Jesus Souza Breves, Cecília Pimenta de Almeida Frazão de Sousa Breves, e do Comendador Joaquim José de Souza Breves, fazendeiros de café. Foi casado pela primeira vez com Mariana Rodrigues Dias e a segunda vez com Maria Rosa da Silva. Deixou geração dos seus dois casamentos. Filho do primeiro casamento: Caetano José Gomes. Filhos do segundo casamento: Rosa Luisa Gomes (Luisinha); José Luis Gomes Junior; Francisco Luis Gomes Neto; Camilo Gomes; Ana Gomes; Dr. Antonio Gomes (médico); Emiliana Isabel Gomes (Madrinha); Rita Luisa Gomes; Joaquim Gomes; Sofia Gomes; Brasilina Gomes; Virginia Eufrosina Gomes; Helena Gomes; Maria Gomes (+ menor); José Gomes (+ menor). Foi fazendeiro em Barra do Piraí, onde era proprietário das fazendas de Santa Maria e Ponte Alta; tinha terras também no Distrito de Nossa Senhora do Rosário de Mambucaba, de onde chefe de polícia; foi juiz de paz em Mangaratiba. Foi vereador e presidente da câmara municipal de Piraí, comandante Superior das 9ª e 12ª legiões da Guarda Nacional, sargento-mor de milícias e depois major da extinta 2ª linha do Exército Nacional e alferes do 2º Batalhão de Angra dos Reis.

Era proprietário de várias fazendas e de grande extensão de terras em Piraí, conforme Cartório do 2º ofício de justiça. Possuía propriedades em Mangaratiba (Cartório de Registro Civil do 3º Distrito de Itacuruçá). Era dono de gigantesca fazenda que ia da Serra da Bocaina, ladeando a Região do Brejão, cortando o município de São José do Barreiro, atravessava os contrafortes da Serra do Mar, chegando à vila de Mambucaba e avançando pelo município de Parati. Esta fazenda foi em parte desapropriada pelo Governo Federal pelo Decreto 15.561 de 12 de junho de 1922.

Agraciado barão em 2 de dezembro de 1854, era oficial da Imperial Ordem da Rosa.

ReferênciasEditar

  • CARVALHO NETO, Fernando, 1990, Os Nobres do Brasil.
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.