Abrir menu principal

José Alberto dos Reis

(Redirecionado de Jose Alberto dos Reis)
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
José Alberto dos Reis

José Alberto dos Reis, nascido a 1 de Novembro de 1875 em Vale de Azares, concelho de Celorico da Beira, e falecido na sua terra natal em 12 de Setembro de 1955, foi um jurista, professor e político português. Docente da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, ocupou vários cargos académicos e públicos, incluindo o de presidente da Assembleia Nacional (Portugal) em 1934-1945. É considerado o "pai" do Código de Processo Civil Português (1939), que foi revogado pelo D. L. n.º 329-A/95, de 12 de Dezembro.


Índice

Habilitações literáriasEditar

- Licenciatura em Direito pela Universidade de Coimbra (1897);

- Doutoramento em Direito pela Universidade de Coimbra (1899);

Carreira profissionalEditar

- Doutorou-se em 16 de Abril de 1899 e integrou o corpo docente da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra em 1900;

- A partir de 1903 regeu a cadeira de Direito Processual Civil, tendo ascendido a professor catedrático em 21 de Dezembro de 1904;

- Vice-reitor da Universidade de Coimbra (1913-1916) e reitor interino da mesma em 1916;

- Director da Faculdade de Direito de Coimbra (1916-1920 e 1922-1927);

- Membro do júri de concurso para Assistente de Salazar (1917). Propôs a concessão do grau de Doutor a Salazar, de acordo com uma lei de 1917, que conferia à escola a possibilidade de o conceder aos professores ordinários e aos extraordinários com 3 anos de serviço;

- Foi o principal responsável pela reforma do Código de Processo Civil (1926-1939);

- Jubilou-se em 1945, passando a dedicar-se exclusivamente à advocacia.

Perfil Político-IdeológicoEditar

- Foi um dos fundadores, em 1900, da Loja Maçónica Fernandes Tomás, da Figueira da Foz[1]. Mais tarde, depois de ter abandonado a Maçonaria, aderiu ao Centro Católico Português, organização em que militava o seu ex-aluno e amigo Salazar.

- Amigo pessoal Salazar, que era visita habitual da sua casa, em Coimbra. Fez parte do seu círculo mais íntimo e deu parecer sobre o projecto de Constituição de 1933, as revisões constitucionais e os candidatos às eleições legislativas e presidenciais a apresentar pela União Nacional.

Carreira Político-AdministrativaEditar

- Membro do Conselho Político Nacional, por indicação de Salazar (1931-1932);

- Membro vitalício do Conselho de Estado, por indicação de Salazar em 1933;

- Presidente da Comissão de Justiça do I Congresso da União Nacional (1934);

- Membro do Conselho Consultivo da União Nacional (1946);

Carreira parlamentarEditar

- Presidente da Assembleia Nacional (I, II e III legislaturas).

Ligações externasEditar

  • Biografia parlamentar. Assembleia da República - Publicações online [1].


  Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Homenagem a Manuel Fernandes Tomás [2]]