Kinross Gold

A Kinross Gold é uma mineradora multinacional fundada em 1993 em Toronto, no Canadá, constituindo-se posteriormente numa das 10 maiores mineradoras do mundo, destacada na exploração de ouro em diversas partes do mundo.

Kinross Gold
Gênero Mineradora
Fundação 1993 (26–27 anos)
Fundador(es) Robert Buchan
Sede Toronto, Canadá
Pessoas-chave J. Paul Rollinson (CEO)
Empregados ~ 9.000 (2013)
Produtos Ouro
Faturamento U$3.8 bilhões (2013)
Website oficial www.kinross.com/
www.kinross.com.br/

Atuação no BrasilEditar

 Ver artigo principal: Mina de Paracatu

No Brasil, a Kinross Gold atua desde o ano de 2005 na cidade de Paracatu, no estado de Minas Gerais.[1] Desde a atuação da empresa no referido município, inúmeras denúncias foram realizadas[2] acerca dos altos índices de câncer na região, fruto da contaminação em massa provocada pelo arsênio; substância liberada no processo de retirada do ouro.[1] Em pronunciamento exibido no quadro Proteste Já, do programa televisivo CQC[desambiguação necessária], o diretor do Hospital do Câncer de Barretos afirmou que apenas no ano de 2014 o hospital atendeu mais de 1.000 pacientes vindos da cidade de Paracatu, cuja população é de apenas 90 mil habitantes e está localizada a mais de 500 km de distância da cidade de Barretos; na mesma reportagem seguranças da empresa tentaram atropelar o cinegrafista da emissora.[3] Márcio José dos Santos, geólogo e mestre em Planejamento e Gestão Ambiental, explica que diferentemente do que ocorria na época dos garimpos, a chegada das mineradoras trouxe um processo de extração chamado cianetação, que consiste na destruição da rocha através de explosivos e agentes químicos, que liberam arsênio em diferentes estados de valência. Para se retirar 1g de ouro, por exemplo, seriam liberados até 7 kg de arsênio nessas condições, e o mais letal deles seria o trióxido de arsênio, um dos componentes liberados quando se ataca a arsenopirita.[1]

Referências

  1. a b c Minas, Estado de; Minas, Estado de (14 de março de 2015). «Para especialistas, atividade de mineradora em Paracatu pode causar danos à saúde». Estado de Minas. Consultado em 31 de janeiro de 2020 
  2. Paula Laboissiere (16 de março de 2015). «Expansão de mina assusta moradores». Agência Brasil. Consultado em 5 de julho de 2019 
  3. band.uol.com.br. «Band.com.br». Entretenimento Band.com.br. Consultado em 31 de janeiro de 2020