Abrir menu principal
Knock Nevis
Comparativo com outros navios de grande porte.
Carreira   Bandeira da marinha que serviu
Construção Sumitomo Heavy Industries, Japão
Período de serviço 1996 a 2004
Características gerais
Comprimento 458,46 m
Boca 68,8 m
Calado 29,8 m

Knock Nevis foi um petroleiro de enormes dimensões. Ao longo de sua carreira recebeu também os nomes Seawise Giant (1979–1989), Happy Giant (1989–1991), Jahre Viking (1991–2004) e Mont (2009–2010). Foi o maior navio do mundo e também o mais pesado objeto móvel já construído pelo homem até ao seu desmantelamento em 2010. O navio era classificado como ULCC (Ultra Large Crude Carrier).[1][2].

Índice

HistóriaEditar

O seu primeiro dono recusou receber a encomenda, pelo que o estaleiro que o construiu, da empresa japonesa Sumitomo, vendeu-o em 1979 a um armador chinês, que o batizou Seawise Giant.

Começou a navegar em 1981, batizado de Seawise Giant. Em 1988, foi bombardeado por caças iraquianos durante a guerra Irã-Iraque, sendo depois reformado, voltando a navegar em 1989, renomeado Happy Giant.

Em 1991 foi renomeado Jahre Viking, nome pelo qual se tornou mundialmente famoso. Em 2004 o Jahre Viking deixou de navegar e transportar petróleo, foi novamente renomeado Knock Nevis e passou a funcionar como um navio FSO Floating Storage and Offloading (Unidade flutuante de armazenamento e transferência) no Qatar para a Maersk Oil. Poucos portos no mundo podiam recebê-lo e normalmente ele não atracava em porto, descarregava o petróleo em navios menores. Devido ao seu grande calado não podia navegar pelo canal da Mancha, Canal de Suez e Canal do Panamá [3].

O Knock Nevis transportava petróleo do Golfo Pérsico para os Estados Unidos.

Enquanto um carro faz curva em um raio de 10 metros, o Jahre Viking só conseguia fazer curvas em um raio de 3,7 km. Na velocidade máxima, para parar totalmente o Jahre Viking são necessários 10 km.

Para não perder tempo e se cansar, a tripulação andava de bicicleta no seu convés.

Destino FinalEditar

Em 2009, uma empresa de desmantelamento de navios indiana comprou o petroleiro, que foi renomeado com a denominação Mont para sua última viagem, em dezembro daquele ano. Após os procedimentos de alfândega e de registro de entrada do navio na Índia, ele foi levado para Alang, o maior local de desmonte de navios do mundo, e encalhado em uma de suas praias para a demolição e aproveitamento do aço como sucata [2]. No começo de Janeiro de 2010, o maior navio do mundo começou a ser desmontado, em uma operação que durou cerca de 1 ano, em função de seu porte gigantesco e das técnicas rudimentares utilizadas pelos sucateiros indianos. A sua âncora foi preservada e mantida no Museu Marítimo de Hong Kong (Hong Kong Maritime Museum) [4].

 
O navio Seawise Giant recebe reparos no canteiro naval da Hitachi, após ter sido atingido por um MBDA Exocet iraquiano.

CaracterísticasEditar

  • Comprimento: 458,46 metros
  • Largura: 68,8 metros
  • Área do deck: 31 541 m²
  • Calado: 29,8 metros
  • Peso Carregado: 564.763 toneladas
  • Capacidade de Carga: 674 297 metros cúbicos ou 4 240 865 barris de petróleo, distribuídos em 46 tanques.
  • Espessura do Casco: 3,5 cm
  • Propulsão: Turbinas a vapor (50 mil HP), 1 hélice de 9 metros de diâmetro, girando a 85 RPM
  • Velocidade Máxima: 16 nós
  • Tripulação: 40

Referências

  1. «Maior Navio do Mundo – Knock Nevis». Jornal Pelicano. 24 de março de 2009. Consultado em 15 de abril de 2012. Arquivado do original em 9 de setembro de 2010 
  2. a b «Crude oil carrier Mont awaits clearance to dock at Alang» (em inglês). The Indian Express. 19 de dezembro de 2009. Consultado em 15 de abril de 2012 
  3. Baljit Singh (11 de julho de 1999). «The world's biggest ship» (em inglês). The Tribune (Índia). Consultado em 15 de abril de 2012 
  4. «Recycled ULCC's anchor arrives in Hong Kong» (em inglês). Magazine Tanker Operations. 2 de julho de 2010. Consultado em 15 de abril de 2012. Arquivado do original em 8 de março de 2012 

Ligações externasEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Knock Nevis