Línguas lolo-birmanesas

Línguas lolo-birmanesas
Distribuição
geográfica
Sudeste da China e Sudeste Asiático
Classificação linguística Línguas sino-tibetanas
  • Línguas lolo-birmanesas
Subdivisões
SinoTibetanLanguagesInBranches.png
Extensão dos diversos ramos da família sino-tibetana (línguas lolo-birmanesas a cor-de-laranja)

As línguas lolo-birmanesas da Birmânia e do Sul da China formam um ramo coerente da família linguistica sino-tibetana.

DesignaçõesEditar

Até aos anos 50, o endónimo Lolo era escrito em chinês com caracteres pejorativos, e por isso era por vezes evitado. Shafer (1966-1974) usou o termo "búrmicas" para as línguas lolo-birmanesas. O termo chinês é Mian-Yi, derivado do nome chinês para "birmanês" e um dos vários nomes para "tailandês", e determinado, a partir de 1950, pelo governo chinês como substituto de Lolo.[1]

Possíveis línguasEditar

A posição do Naxi (Moso) na família não é clara, e é frequentemente deixado como um terceiro ramo além das línguas lolo e búrmicas. Lama (2012) considera-o um ramo do Lolo, enquanto Guillaume Jacques sugeriu que seria uma ramo das línguas Qiang.

A língua Pyu que precedeu o birmanês na Bírmânia é por vezes ligado à família lolo-birmanesa, bas não há evidências sólidas para nenhuma classificação específica, e é melhor deixada como não classificada dentra da família sino-tibetana.

Löffler (1966) e Bradley (1997) consideram que a língua Mru como muito próxima ou integrante da família lolo-birmanesa,[2][3] enquanto Matisoff incluí o Mru na área linguística do Nordeste da Índia.[4]

A língua Pai-lang, referenciada desde o século III, é lolo-birmanesa, talvez loloíca.

Relações externasEditar

Guillaume Jacques e Alexis Michaud (2011)[5] defendem um ramo burmo-qiangico com dois sub-ramos primários, Na-Qiangico (isto é, Naxi-Qiangico) e and lolo-birmanês. Similarmente, David Bradley (2008)[6] tambêm propôs um ramo Tibeto-Birmanês oriental que incluiria os dois sub-ramos do búrmico (isto é, lolo-birmanês) e qiangico.

Referências

  1. Bradley 2012
  2. Löffler, Lorenz G. (1966). «The contribution of Mru to Sino-Tibetan linguistics». Zeitschrift der deutschen morgenländischen Gesellschaft. 116 (1): 118–159. JSTOR 43369896 
  3. Bradley 1997
  4. Matisoff, James A. (2003). Handbook of Proto-Tibeto-Burman: System and Philosophy of Sino-Tibetan Reconstruction (em inglês). Berkeley: University of California Press. p. 6. ISBN 978-0-520-09843-5 
  5. Jacques, Guillaume; Michaud, Alexis (2011). «Approaching the historical phonology of three highly eroded Sino-Tibetan languages». Diachronica. 28: 468–498. doi:10.1075/dia.28.4.02jac.additional 
  6. Bradley, David (2008). The Position of Namuyi in Tibeto-Burman. Workshop on the Namuyi language. Institute of Linguistics, Academia Sinica, Taipe 

BibliografiaEditar

  • Bradley, David (1997). «Tibeto-Burman languages and classification» (PDF). Tibeto-Burman languages of the Himalayas, Papers in South East Asian linguistics (em inglês). Canberra: Pacific Linguistics. pp. 1–71 
  • Bradley, David (2012). «The Characteristics of the Burmic Family of Tibeto-Burman» (PDF). Institute of Linguistics - Academia Sinica. Language and Linguistics (em inglês). 13 (1): 171-192 
  • Lama, Ziwo Qiu-Fuyuan (2012). Subgrouping of Nisoic (Yi) Languages (Tese de Ph.D.) (em inglês). University of Texas at Arlington. hdl:10106/11161 
  • Satterthwaite-Phillips, Damian (2011). Phylogenetic inference of the Tibeto-Burman languages or On the usefulness of lexicostatistics (and "Megalo"-comparison) for the subgrouping of Tibeto-Burman (Tese de Ph.D.). Stanford University 
  • Thurgood, Graham (1974). «Lolo–Burmese rhymes». Linguistics of the Tibeto-Burman Area (em inglês). 1 (1): 98–107. doi:10.15144/LTBA-1.1.98 
  • Yunnan Province Geography Gazetteer Committee [云南省地方志编纂委员会] (1998). Kunming: Yunnan People's Press [云南人民出版社]Yunnan Province Gazetteer, ethnic minority languages and orthographies gazetteer [云南省志卷59: 少数民族语言文字志]. 59 
  • Zangmian yuyin he cihui (ZMYYC) [藏缅语语音和词汇] (1991). Beijing: Social Sciences Press [中国社会科学出版社].