Lagoa 66

Lagoa 66, mais tarde rebatizada para Lagoa, foi uma banda de Rock onanista criada em 1986 por Rogério Naccache e Tadeu Patolla[1].

Lagoa 66
Informação geral
Origem Santos,  São Paulo
País  Brasil
Gênero(s) Rock onanista
Período em atividade 19861997
Gravadora(s) EMI
Integrantes Rogério Naccache (vocais)
Tadeu Patolla (guitarra)
Marcelo Munari (guitarra)
Nicco Caccicacarro (baixo elétrico)
Leonardo Giordano (bateria)

HistóriaEditar

O nome da banda é a abreviatura do endereço de um pequeno estúdio de gravação do Tadeu: Rua Borges Lagoa 66, na Vila Mariana em São Paulo. Amigo de longa data do Tadeu, o baterista Leonardo Giordano foi o primeiro a se juntar à banda, seguido do baixista Nicco Caccicacarro. Com essa formação, a banda estreou se apresentando no Woodstock, tradicional casa de rock paulistana, abrindo para o Rock Memory. Depois, o baixista Sergio Bartolo e o guitarrista Marcelo Munari foram incorporados ao Lagoa. Uma fita k7 “demo” com o repertório da banda passou a circular na cena “surf/skate” de São Paulo.

De 1988 a 1991, o Lagoa 66 tocou em todos os lugares possíveis em São Paulo, mas não chegou a ser contratado por uma grande gravadora.[1]

Em 1997, dois anos depois de lançarem seu único álbum e já sem o 66 em seu nome, fizeram uma participação no álbum Transpiração Contínua Prolongada, do Charlie Brown Jr., na música "Escalas Tropicais".

IntegrantesEditar

  • Rogério Naccache (vocais)
  • Tadeu Patolla (guitarra)
  • Marcelo Munari (guitarra)
  • Helio Cosmo(baixo elétrico)
  • Nicco Caccicacarro (baixo elétrico)
  • Leonardo Giordano (bateria)

DiscografiaEditar

  • 1995 - Agora Sai!
Participação em outros projetos

Álbum "Agora Sai!"Editar

Agora Sai!
Álbum de estúdio de Lagoa
Lançamento 1995
Gênero(s) Rock onanista
Formato(s) CD

Em 1995, já com o nome Lagoa, a banda lançou seu único CD, “Agora Sai”, com o baixista Helio Cosmo, e sob o selo EMI.

O single "Revista de Mulher... Pelada" chegou a emplacar em várias rádios paulistanas[1], e seu videoclipe figurou na 6a posição do Disk MTV[2]. Por conta disso, eles receberam uma indicação ao MTV Video Music Brasil 1997 na categoria "Escolha da Audiência"[3].

Outra curiosidade é que a capa deste álbum foi considerada uma das "10 mais horrendas já criadas para discos da música brasileira" pelo site crushemhifi.com.br, que disse: "uma montagem horrenda com a cara dos integrantes em um fundo “animado”. E ainda inspiraram o patinho da FIESP".[4]

FaixasEditar

1. Revista de Mulher… Pelada!
2. A Mulher do Canadá
3. PelamordeDeus
4. Bem Feito
5. São Vicente
6. Gisleide Neide
7. Processo
8. Dinheiro Pouco Eu Tenho Muito
9. Tudo Bem
10. Inamps
11. Xilép Com A Língua
12. Agora Sai!

Prêmios e IndicaçõesEditar

Ano Prêmio Categoria Indicação Resultado REf.
1997 3o MTV Video Music Brasil Escolha da Audiência Revista de Mulher… Pelada! Indicado [3]

Referências

  1. a b c folha.uol.com.br/ Ex-Lagoa 66 em versão 96
  2. teleguiado.com/ Há 20 anos, Carlinhos Brown dominava parada da MTV
  3. a b mundomtv.wordpress.com/ VMB 1997
  4. crushemhifi.com.br/ Conheça 10 das capas mais horrendas já criadas para discos da música brasileira