O Le Fresnoy Studio National des Arts Contemporains, inaugurado em 1997, é hoje um dos mais importantes centros de formação artística e audiovisual na França. A instituição funciona como um laboratório de pesquisa e produção no campo das artes da imagem e do som. Está situado na cidade de Tourcoing, norte da França, num edifício criado pelo arquiteto Bernard Tschumi.

O Le Fresnoy acolhe jovens artistas de todo o mundo e a residência tem duração de 2 anos. O objetivo da instituição é permitir que jovens artistas realizem seus projetos de forma profissional, dispondo de todos os meios necessários, acompanhamento técnico e em constante diálogo com críticos de arte e artistas convidados tais como Jean-Marie Straub et Danielle Huillet, Jean-Luc Godard, Antoni Muntadas, Gary Hill, Avi Mograbi, Charles Sandison, André S. Labarthe, Bruno Dumont. O Le Fresnoy é dirigido pelo escritor e cineasta francês Alain Fleischer e financiado pelo Ministério da Cultura e pela Região Nord-Pas de Calais.

Arquitetura do novo site editar

O projeto pode ser resumido pelo "hangar"[1] edifícios antigos com telhados de telha. Eles são assim integrados e abrigados por um paralelepípedo fechado no lado norte, aberto para os outros três lados, encimado por um telhado de 100 x 80 m perfurado com grandes aberturas e formado por grandes janelas cobertas com folhas de "nuvem" de policarbonato transparente ". Bernard Tschumi vê o projeto como "uma sucessão de caixas em uma caixa[2]. »

O site propõe em oito mil metros quadrados uma escola, um set de filmagem, uma mediateca, teatros e exposições, dois cinemas, laboratórios de pesquisa e produção (som, imagem eletrônica, filme e vídeo), instalações para a administração e restauração, bem como cerca de dez habitações. Este complexo é capaz de acomodar um público de mais de mil pessoas que podem visitar os locais de exposição e assistir às exibições. Espaços comerciais, incluindo a livraria Bookstorming especializada em arte contemporânea, são integrados ao projeto, um estacionamento subterrâneo é criado e um terraço ajardinado dá acesso a um jardim por uma grande escadaria externa.[3]

Referências

  1. Alain Guiheux, Tschumi, une architecture en projet, Le Fresnoy, coédition Le Fresnoy et les éditions du Centre Georges Pompidou, 1993, cité dans Artpress 2, op. cit., p. 37.
  2. B. Tschumi, Le Fresnoy, Studio national des arts contemporains, éd. Le Fresnoy & Massimo Riposati, 1993, cité dans Artpress 2, op. cit., pp. 31 & 32.
  3. Artpress 2, op. cit., p. 32.

Ligações externas editar