Libelle (gênero literário)

O libelle (em português: libelo político) foi um gênero literário de panfleto político difamatório, proeminente na França durante o Antigo Regime. Os libelles tratavam de escândalos envolvendo personagens políticos, sobretudo sobre a vida íntima destes.[1] De caráter difamatório, os autores (chamados de libellistes) afirmavam escrever baseados em evidências, principalmente cartas, e muitos deles se colocavam como historiadores ou "editores de memórias".[2] De acordo com o historiador Robert Darnton, tiveram um papel fundamental na erosão da imagem da nobreza francesa, sobretudo na década de 1780.[3]

Capa de "Vie privee de Louis XV", um libelle de Mouffle d'Angerville, 1781

ImpactoEditar

O autor Robert Darnton destaca que os libelles tiveram um papel essencial enquanto obras com características de dimensão histórica, pois traziam ao público amplo narrativas sobre a história recente da França naquele período. Por serem clandestinos e difamatórios por natureza, os libelles circulavam fora do rígido sistema real de censura editorial, servindo de ferramenta para trazer relatos sobre os acontecimentos políticos da monarquia francesa.[4]

Referências

  1. Darnton 1998, p. 92.
  2. Darnton 1998, p. 93.
  3. Darnton 1998, p. 95.
  4. Darnton 1998, p. 94.

BibliografiaEditar

  • Darnton, Robert (1998). Os best-sellers da França pré-revolucionária. Traduzido por Feist, Hildegard. São Paulo: Companhia das Letras. 455 páginas. ISBN 85-7164-811-5 
  • Darnton, Robert; Roche, Daniel (1996). Revolução Impressa: A Imprensa na França, 1775-1800. Traduzido por Jordan, Marcos Maffei. São Paulo: EdUSP. 416 páginas. ISBN 85-314-0080-5